Lavouras de milho do RS começam a se recuperar
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,682 (-0,54%)
| Dólar (compra) R$ 5,47 (1,26%)

Imagem: Leonardo Gottems

PARÂMETROS

Lavouras de milho do RS começam a se recuperar

“Na região de Soledade, as lavouras semeadas em agosto e atingidas por geadas têm boa recuperação"
Por: -Leonardo Gottems
176 acessos

As lavouras de milho do Rio Grande do Sul atingidas pelas geadas estão se recuperando bem em todas as regiões do estado e as restantes apresentam germinação uniforme e desenvolvimento satisfatório, segundo a T&F Consultoria Agroeconômica. A safra passada, atingida pela seca, teve uma quebra de 31,8%, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

“Na região de Soledade, as lavouras semeadas em agosto e atingidas por geadas têm boa recuperação e não se registram danos significativos que venham a comprometer a produtividade. Na semana, produtores retomaram os plantios, que já atingem mais de 17 mil hectares. Na região de Frederico Westphalen, estima-se que já estejam semeados, em fase de germinação e em início do desenvolvimento vegetativo mais de 54 mil hectares de milho grão e 22 mil de silagem”, comenta a T&F. 

As demais áreas seguem sendo dessecadas e complementadas com a prática do tombamento das plantas, preparando-as para os plantios. “As geadas recentes que atingiram a cultura em germinação e não causaram prejuízos expressivos, pois a cultura é mais tolerante a eventos desse tipo ao ocorrerem no início do desenvolvimento vegetativo”, completa. 

“Na de Bagé, a semeadura segue mais adiantada na Fronteira Oeste, já finalizada em Manoel Viana e chegando a 70% da área prevista em São Borja. A germinação em plantios recentes é satisfatória, mas é desuniforme naqueles localizados em áreas onde a precipitação foi menor. Já as lavouras atingidas pelas geadas da segunda quinzena de agosto recuperaram-se adequadamente, com o rebrote das plantas. Na região de Porto Alegre, não houve avanço no plantio devido ao excesso de chuvas da semana, que impediu o manejo no cultivo convencional”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink