Live mostra as hortaliças do campo à mesa
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,50%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Imagem: Marcel Oliveira

LIVE

Live mostra as hortaliças do campo à mesa

O evento aconteceu no canal da Embrapa no YouTube, no dia 25 de agosto
Por:
654 acessos

Embrapa Solos (Rio de Janeiro-RJ) e Embrapa Hortaliças (Brasília-DF) uniram esforços para realizar live sobre o cultivo de hortas urbanas como estratégia para a educação ambiental e para a conservação do solo. O evento aconteceu no canal da Embrapa no YouTube, no dia 25 de agosto. Também foi tema do debate como anda o cenário brasileiro sobre o consumo de hortaliças e como é possível cultivar uma horta em pequenos espaços. Os palestrantes foram a chefe geral da Embrapa Solos, Petula Ponciano, o pesquisador da mesma instituição, Claudio Capeche, e o chefe geral da Embrapa Hortaliças, Warley Nascimento, com mediação de Fabrício de Martino.

O dirigente da Embrapa Hortaliças abriu os trabalhos do evento, que teve o título de ‘Da horta ao prato: produção urbana e sustentável’, revelando que as hortaliças são fornecedoras de sais minerais, vitaminas, fibras e, principalmente, antioxidantes. Apesar da saúde entregue por esses alimentos a demanda no País ainda é pequena. “O consumo do brasileiro está bem abaixo do preconizado pela Organização Mundial da Saúde, a OMS. Comemos apenas um terço do que deveríamos de frutas e hortaliças”, frisou Nascimento. Para ele a baixa demanda tem explicações culturais, o acesso físico à hortaliça e o econômico. “O produtor rural recebe pouco pela produção de hortaliças, a maior parte do lucro vai para a ponta, geralmente o supermercado”.

Petula lembrou que o estado do Rio de Janeiro, onde está localizada a Embrapa Solos, é o segundo maior consumidor de hortaliças do Brasil. “Além disso, com a pandemia houve um aumento na compra, as pessoas estão buscando uma alimentação mais saudável”. Warley confirma esse dado. “Sudeste e Sul lideram o ranking. Um problema é a Região Norte, por exemplo, que não produz hortaliças, o que encarece seu preço”. Durante este período da crise do coronavírus a Embrapa Hortaliças em parceria com o Instituto Brasileiro de Horticultura (IBRAHORT) realizou pesquisa sobre o consumo de hortaliças durante a pandemia que trouxe alguns dados, como, por exemplo, que, para a maioria dos respondentes (72,5%), as hortaliças continuam disponíveis facilmente para compra, que são os jovens que estão saindo de casa para fazer essas compras e que o fator mais importante na hora das aquisição é a qualidade do produto.  

Produção familiar

Diferentemente das commodities que impactam a balança comercial brasileira positivamente, como os grãos, as hortaliças são produzidas por pequenos produtores, em terrenos de no máximo 10 hectares, que são responsáveis por 60 a 70% da produção nacional nos cinturões verdes das cidades. Já algumas culturas, como alho, cebola e batata possuem empresas dedicadas ao seu cultivo com mais tecnologia e áreas maiores.

Mas também é possível produzir nas metrópoles, como lembra Capeche. “Você pode usar seu quintal, um canteiro na sua casa, a janela ou até as lajes das comunidades, esses são exemplos de agricultura urbana, assim como as praças e espaços e tetos verdes”. É possível plantar pimenta, abobrinha, salsa, cebolinha e flores em tais espaços.

A qualidade da água também é fundamental na hora de plantar, a água utilizada para irrigação não pode ser retirada de córregos ou riachos contaminados com fezes de animais ou metais pesados.

No ano passado, o pesquisador da Embrapa Solos teve oportunidade de ministrar um curso para cerca de trinta professores da rede municipal de ensino para que eles possam ter material didático e lúdico para trabalhar a questão solo e horta junto aos alunos de maneira interativa. Capeche esteve em algumas dessas escolas, tanto públicas quanto particulares, para atuar ao lado de alunos e mestres. Trabalho semelhante também é feito pela Embrapa Hortaliças, as hortas pedagógicas.

Atividades promovidas pelo centro de pesquisa carioca também acontecem em comunidades, como o Chapéu Mangueira e Morro da Babilônia (no bairro do Leme, Zona Sul da cidade), com compostagem e o reaproveitamento de alimentos. 

A íntegra da live pode ser assistida aqui.

Um pouco de arte

Nas lives promovidas pela Embrapa Solos procuramos trazer também um pouco de arte, Confira abaixo a aquarela, elaborada pela artista plástica Milena Pagliacci. Já a ilustração da matéria é do designer gráfico Dudu Rosa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink