MG: palma aumenta produção de leite em 300% em Campina Verde
CI
Imagem: Divulgação
PECUÁRIA

MG: palma aumenta produção de leite em 300% em Campina Verde

O que era para ser a árvore de Natal da família acabou se transformando em alimentação para o gado
Por:

O que era para ser a árvore de Natal da família acabou se transformando em alimentação para o gado e trouxe grandes perspectivas para o casal de produtores de leite Maria das Dores Boanerges e Valter da Silva Freitas. Desde o final do ano passado, a palma forrageira está transformando a realidade da propriedade, que fica no assentamento PA Córrego Fundo, no município de Campina Verde, no Triângulo Mineiro. “Eu comprei três pés de palma para enfeitar a casa e a intenção era aproveitar para fazer a árvore de Natal. Em uma das visitas, o técnico viu e disse que era boa para alimentar o gado. Ficamos em dúvida, mas resolvemos fazer um teste”, disse a produtora, conhecida como Mariazinha.

O resultado foi surpreendente: em uma semana, a produção de leite aumentou em 50 litros. “Ficou comprovado que era eficiente. No início, os animais estranharam e a gente misturava com a ração. Hoje eles comem pura e adoram. A palma vai nos trazer muita economia”, afirmou. Após o teste, o entusiasmo com a palma forrageira transformou a paisagem na propriedade. Hoje, o casal possui uma área com 650 mudas, todas retiradas dos três pés adquiridos inicialmente.

As instruções para a utilização da palma na alimentação do gado vieram do técnico de campo Tarcísio Tomás Cabral de Sousa, do Projeto FIP Paisagens Rurais, executado pelo Sistema FAEMG. Desde setembro de 2020, o casal faz parte do grupo de 29 produtores da pecuária de corte e de leite que são assistidos gratuitamente pelo técnico na região.

“A palma é uma alimentação barata, um hidroenergético que pode substituir em parte o milho e, se utilizada adequadamente, ajuda na redução dos custos de produção. Seu maior valor é a água que armazena, que chega a 90% quando está verde. A matéria seca contém 4,8% de proteína, além de outros nutrientes”, explica o técnico de campo. De acordo com Tarcísio, além de investir na palma forrageira, o casal também plantou três hectares de Capim Capiaçu e estão fazendo 12 piquetes de Mombaça para as vacas de maior produção.

Com todas as orientações, a produção de leite diária saltou de 70 para 210 litros, em média, desde o início da assistência, ou seja, um aumento de 300%. Os bons resultados também renderam uma bonificação da cooperativa pelo manejo nutricional implantado pelo casal de pecuaristas.

Exemplo para os vizinhos

“No início muitos criticaram e até riram de nós. Disseram que usar a palma era bobeira. Mas, agora, querem plantar também”, contou Mariazinha. Hoje, o casal de pecuaristas se tornou uma referência para os vizinhos do assentamento. Ainda no final do ano passado, eles abriram a propriedade para a realização do curso “Alimentação - Palma Forrageira, Mistura Mineral e Concentrado”, promovido pelo Sistema FAEMG. E foram além: doaram mudas de palma forrageira para vários produtores.

“A palma está transformando a nossa realidade. A partir do momento que as pessoas conhecem, elas querem plantar também. A muda dá em qualquer lugar, não precisa ter muito gasto. O técnico Tarcísio é prestativo, dedicado e tem nos ajudado muito com as orientações”, completou Mariazinha.

Uma das produtoras que também está plantando palma forrageira é Neli Inácio de Jesus Boanerges. Ela já utilizou a palma na alimentação dos animais e hoje tem cerca de 200 mudas no pomar. Futuramente, a intenção é reservar uma área na propriedade apenas para a plantação. “Ela tem muitos nutrientes, vitaminas, proteínas, e vai ajudar a alimentar o gado, principalmente no período seco. Vamos economizar na ração”, disse a produtora, que também é assistida pelo Projeto FIP Paisagens Rurais.

“Este caso de Campina Verde mostra como a palma forrageira também pode ser uma excelente opção de alimentação para o gado aqui no Triângulo Mineiro. Os cursos que temos voltados para o uso da palma contribuem para disseminarmos essa tecnologia, para a capacitação profissional e, consequentemente, para trazer bons resultados na produção”, afirmou o gerente regional do Sistema FAEMG em Uberaba, Caio Oliveira.

FIP Paisagens Rurais

O Projeto Gestão Integrada da Paisagem no Bioma Cerrado – FIP Paisagens Rurais é financiado com recursos do Programa de Investimento Florestal, através do Banco Mundial. A coordenação é do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, do MAPA, com parceria da Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e do MCTIC, por meio do Inpe e da Embrapa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.