Milho ainda tem chance de voltar aos R$ 90?
CI
Imagem: Divulgação
ANÁLISE AGROLINK

Milho ainda tem chance de voltar aos R$ 90?

Confira o que mexe no preço do cereal mais importante do Brasil
Por: -Leonardo Gottems

Os preços estão caindo, é verdade, pressionados pelo peso de uma colheita de Safrinha muito maior do que o ano passado. “Mas, há boas perspectivas para a recuperação dos preços no segundo semestre”, projeta a equipe de analistas de mercado da Consultoria TF Agroeconômica. 

“Neste momento conseguimos vislumbrar que possam retornar aos R$ 80,00/saca para os agricultores nos próximos 30 dias e depois subir aos poucos até R$ 90,00/saca, até dezembro. Os preços do mercado de lotes serão ainda maiores”, afirmam os especialistas. Confira o que mexe no preço do cereal mais importante do Brasil:

FATORES DE ALTA

*Expectativa de boa demanda de exportação: O Brasil assinou um acordo sanitário com a China, na expectativa de vender algo ao redor de 10 milhões de toneladas nesta temporada. Nada ainda aconteceu neste sentido, mas o canal está aberto e poderá acontecer. O fato é que as exportações de milho iniciam o mês de julho de maneira acelerada. Tradicionalmente, as vendas de exportação de milho no Brasil tendem a crescer no segundo semestre, enxugando o mercado.

*Altas do dólar de 2,60% na semana e 3,25% no mês, que melhoram os preços pagos no Brasil. O banco americano Goldman Sachs elevou a projeção para o dólar no Brasil a R$ 5,50 daqui a três meses, ante R$ 4,70 da estimativa anterior. Nesta sexta-feira o dólar fechou a R$ 5,40.

*Tecnicamente, as cotações da Bolsa de Chicago foram pressionadas excessivamente, possibilitando um retorno, como explicado no gráfico acima.

FATOR DE BAIXA

*Maior oferta de milho no Brasil: A produção de milho no Brasil, nesta safra, aumentou 32,8%, segundo o último relatório da Conab, de 7/7/22, passando de 87.096,8 mil toneladas (por quebra) para 115.662,7 mil toneladas (consultorias privadas estimam até mais). É natural que, durante a colheita, especialmente de uma Safrinha cheia, como foi a deste ano, os preços recuem, como está acontecendo neste momento. Mas, com a entrada mais forte da exportação no segundo semestre, a disputa entre exportadores e indústrias deve voltar a elevar os preços.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.