Milho começa ano com lentidão no mercado internacional
CI
Imagem: Divulgação
COTAÇÕES

Milho começa ano com lentidão no mercado internacional

Na Argentina, os lances e ofertas firmes  eram  escassos
Por: -Leonardo Gottems

De acordo com o que afirmou a TF Agroeconômica, o mercado internacional do milho começou o ano com bastante lentidão. “Nos mercados à vista, as ofertas de milho para o Vietnã saltaram para US$ 298,50/t devido aos temores de oferta e demanda de spot vindas dos produtores de ração. Os importadores de milho devem cobrir as posições para embarque em janeiro-fevereiro, apesar dos preços terem atingido um pico histórico, disseram fontes comerciais”, comenta. 

“Nos mercados do Mar Negro, as ofertas de milho foram ouvidas em € 200/t no FOB Constanta/Varna/Burgas para carregamento em fevereiro-março, com ofertas avaliadas em € 192-193/t.  Nas Américas, poucos lances ou ofertas foram vistos nas principais origens e a demanda em grande escala ainda não havia retornado após o período festivo”, completa. 

Na  Argentina,  os  lances  e  ofertas  firmes  eram  escassos,  nenhum  visto  pelo  segundo  dia  de  negociação consecutivo. “Mas  enquanto  a  especulação  inicial  era  de  que  isso  se  devia  à  recente  proibição  das  exportações  até  março, nenhuma oferta foi vista mais abaixo na curva, com um trader simplesmente alegando que era muito cedo depois do feriado para que a atividade realmente se recuperasse”, indica. 

Já na B3, o milho começou o ano em alta, nesta segunda-feira, puxado pelo  dólar  e  pela  alta  durante  o  pregão  (depois terminou em queda) de Chicago. “Com  isto,  as  cotações  de  janeiro  avançaram  mais  R$ 0,29  para  R$  83,05;  para  março  de  2021  também avançaram  R$  1,35  para  R$  84,95  e  avançaram  R$ 1,46/saca para R$ 80,83 para maio”, informa. 

“A alta de 1,51% do dólar, que se somou a outras altas durante  a  semana  passada,  trouxe  receio  para  os grandes compradores de que a exportação enxugasse a disponibilidade de milho do país,  que já é pequena com  as  quebras  de  Safra  do  Rio  Grande  do  Sul  e  de Santa Catarina”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink