MT perde R$ 3 bilhões com proibição à transgênicos
CI
Agronegócio

MT perde R$ 3 bilhões com proibição à transgênicos

Só na região Sul do Estado os prejuízos chegaram a R$ 733 milhões no último ano
Por:

Três bilhões de reais. Esse pode ter sido o montante das perdas de Mato Grosso no ano passado por causa da proibição do uso de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). A estimativa considera culturas como soja, algodão e milho. Só na região Sul do Estado as perdas atingiram R$ 733 milhões, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No algodão, onde há restrições para a utilização de sementes transgênicas, as aplicações de inseticidas poderiam ser reduzidas em até 12 vezes, com a produção aumentando entre 20% e 30%, de acordo dom estudos do doutor em Fitopatologia, José Roberto de Menezes. O problema com as lagartas também poderia ser reduzido em até 50% e, no caso do milho, 70%.

“A redução de uso dos herbicidas residuais diminui o uso de fertilizantes, possibilita a rotação de culturas, melhora o desempenho das culturas seqüenciais e viabiliza a integração agricultura pecuária”, aponta o pesquisador.

O coordenador da Área de Biotecnologia e Pesquisa da Asssociação Mato-grossense de Produtores de Algodão (Ampa), Álvaro Salles, lembrou que o grande beneficiado da biotecnologia será o meio ambiente. “A biotecnologia vai propiciar facilidades de manejo e estimular a cultura do algodão em nosso Estado”, disse ele.

Segundo o engenheiro agrônomo e mestre em Economia Agrícola pela Universidade Federal de Uberlândia, Leonardo Sologuren, o volume de recursos que deixou de entrar no bolso dos produtores devido à não utilização plena da biotecnologia foi significativo.

“Podemos avaliar que Mato Grosso, por ser o maior Estado agrícola brasileiro, foi o mais prejudicado com o atraso da aplicação da biotecnologia”, afirmou Leonardo.

Para ele, o principal benefício da biotecnologia é a redução de até 15% nos custos de produção pela menor aplicação de herbicidas e, consequentemente, menor uso de máquinas agrícola e facilidades de manejo das lavouras.

A empresa de consultoria Céleres, com base no crescimento dos outros países, faz uma estimativa de quanto poderia crescer a produção de transgênicos no país.

De acordo com o estudo, os produtores rurais acumularam na última década US$ 1,5 bilhão com o plantio e comercialização da soja geneticamente modificada. No entanto, os benefícios poderiam contabilizar os US$ 4,6 bilhões, se não fosse a demora na aprovação de projetos.

Indefinição - A produção de alimentos transgênicos no país e a pesquisa tecnológica poderiam ter avançado muito mais se não fosse a falta de definição jurídica sobre o tema, de acordo com o relatório da consultoria de empresas do agronegócio Céleres.

No estudo, encomendado pelo Conselho de Informações Sobre Biotecnologia (CIB), a empresa compara dados dos três maiores produtores mundiais de transgênicos: pela ordem, Estados Unidos, Argentina e Brasil. A produção, segundo a empresa, segue mais ou menos igual nos três países até 1997. A partir deste ano, a produção dos outros dois países dispara na frente do Brasil.

Na avaliação da Céleres, a produção brasileira cresceu menos por falta de definição legal. "Em conseqüência do vazio jurídico, a pesquisa ficou parada no Brasil. Enquanto que em outros países a pesquisa avançou, aqui ela ficou praticamente travada por dez anos”, disse o autor da pesquisa e conselheiro da CIB, Anderson Galvão.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink