Multa para pecuarista que não vacinar contra aftosa é de 2,25 UPF por cabeça

Agronegócio

Multa para pecuarista que não vacinar contra aftosa é de 2,25 UPF por cabeça

Pecuaristas iniciam nessa terça-feira a imunização do rebanho bovino e bubalino de mamando a caducando em Mato Grosso
Por:
332 acessos

Pecuaristas de Mato Grosso iniciam na terça-feira, 1º de novembro, a imunização do rebanho bovino e bubalino de mamando a caducando em Mato Grosso. A multa para o criador que não vacinar os animais até 30 de novembro é de 2,25 Unidade Padrão Fiscal (UPF) por cabeça de gado não vacinado. O produtor que atrasar a comunicação da vacinação ficar ainda impossibilitado de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA) por um período mínimo de 30 dias.

Mato Grosso está há 20 anos livre da febre aftosa com vacinação e a expectativa em 2016 é imunizar 29,3 milhões de cabeças.

Conforme o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), a comercialização da vacina contra aftosa foi liberada aos pecuaristas na sexta-feira, 28 de outubro. A antecipação da comercialização por parte das revendas foi liberada em virtude do feriado do dia do Servidor Público, transferido do dia 28 para o dia 31 de outubro.

Mato Grosso tem como meta, de acordo com o presidente do Indea, Guilherme Nolasco, a erradicação da febre aftosa até 2020, dentro do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (Phefa), que envolve a participação de todos os países da América do Sul.

“Ao mesmo tempo em que comemoramos os 20 anos livre de febre aftosa, lançamos novos desafios, como a retirada da vacinação, e sermos reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, um projeto que será posto em discussão com o setor produtivo e sociedade”, destaca Nolasco.

Mato Grosso hoje exporta carne bovina para mais de 100 países. Em 2016, o estado e o Brasil conquistaram a abertura de mercado para a carne in natura por parte dos Estados Unidos, após quase 20 anos de negociações.

Segundo o presidente do Fundo de Apoio à Bovinocultura de Corte (Fabov), Jorge Pires de Miranda, a vacinação contra a febre aftosa é um dos eventos mais importantes para o pecuarista, pois "é o de mantermos o status sanitário e que nos dá condições de alcançar mercados consumidores da carne produzida em Mato Grosso".

O start da vacinação contra aftosa foi dado na sexta-feira, 28, na Fazenda 3 Irmãos, em Cuiabá. O consultor técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Amado de Oliveira, destaca que o pecuarista já está habituado com o seu dever em manter a qualidade da carne e principalmente o status sanitário. “Essas datas de vacinação para nós da Acrimat significam uma segurança para o mercado, para os consumidores. Esse status que nós chegamos, essa qualidade é em função do cumprimento do dever do pecuarista. Ele recebe datas, se habituou a fazer a vacinação e faz com qualidade. Esperamos que o mundo reconheça isso remunerando toda a cadeia”.

O secretário adjunto de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec-MT), Alexandre Possebon, destacou na abertura da vacinação contra a aftosa, que tal imunização tem impacto também nas demais cadeias produtivas. Ele pontuou que a suinocultura está crescendo e que conseguir uma zona livre sem vacinação impulsiona novos negócios.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink