O que pode manter preços dos alimentos elevados?
CI
Imagem: Pixabay
ALTAS

O que pode manter preços dos alimentos elevados?

Com o preço dos alimentos sendo um dos fatores principais para a elevação da inflação, são necessárias ações para conter a crise dos fertilizantes
Por: -Aline Merladete

A crise dos fertilizantes - que está ligada diretamente com a elevação dos preços internacionais - é uma preocupação constante do agronegócio em todo o mundo. O atual aumento do preço do insumo no mercado é motivo de preocupação de especialistas, que apontam a possibilidade de uma crise alimentar de grandes proporções.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mostrou que a alimentação está entre os fatores mais afetados pela inflação no último mês no Brasil. Tivemos o registro de altas em alguns alimentos para o consumo em domicílios, como é o caso do feijão-carioca, que registrou alta de 9,74% no mês de junho. A tabela do IPCA ainda mostra a variação em outros alimentos, como o fubá (0,53%), abobrinha (7,21%), pepino (8,81%), morango (13,30%), dentre outros. Ao mesmo tempo, o tema da guerra na Ucrânia e seu impacto no agronegócio voltaram aos holofotes após o diálogo entre os presidentes do Brasil e Ucrânia onde, dentre os temas debatidos, estavam o bloqueio à saída de grãos do país invadido.

Fábio Pizzamiglio, diretor da Efficienza, empresa especializada em assessoria para o comércio exterior, aponta que a crise dos fertilizantes é um dos fatores principais para o aumento do preço dos alimentos. Além de afirmar que a guerra na Ucrânia continuará a ter impactos visíveis em todo o mundo, seja no valor dos insumos para o agronegócio ou no preço dos combustíveis.

“O nosso agronegócio precisa de alternativas imediatas para essa crise. Em muitos casos, a crise dos combustíveis, que também afeta o agronegócio, é mais debatida por se tratar de algo visível para todos os brasileiros. Mas o aumento do valor dos fertilizantes atinge diretamente a inflação dos alimentos”, defende Pìzzamiglio.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em 2021, revelou, em estudo, que o agronegócio brasilero é responsável por alimentar 10% da população mundial. “Com uma crise de dimensões internacionais, proporcionada principalmente pelo conflito militar na Ucrânia, nós vivenciamos um aumento significativo do valor dos alimentos que pode causar uma crise alimentar em todo o mundo. Essa hipótese não está fora de questão”, defendeu o Executivo.

Outro ponto que é analisado no comércio exterior é a desorganização da cadeira para o comércio internacional dos fertilizantes. Pizzamiglio explica que “com a pandemia e a guerra, as cadeias ficam desorganizadas. Principalmente quando consideramos o fechamento de portos estratégicos para o comércio internacional e as sanções à Rússia, que é o principal fornecedor internacional desses produtos. Em resumo, há sim a oferta do produto, porém o escoamento da produção está dificultado”, afirma.

No caso da Rússia, apesar das sanções, o Brasil segue importando os produtos do país. Além disso, o governo russo garantiu o fornecimento. Segundo o especialista, até mesmo o Governo norte-americano, tem estimulado o retorno das importações de fertilizantes da Rússia, para não prejudicar sua produção interna.

O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e mantém uma dependência do mercado externo para a atuação do agronegócio, que é o motor da economia nacional. Para o executivo, precisamos de ações contundentes, com o objetivo de aumentarmos a produção interna, até mesmo para passarmos de um país que importa os fertilizantes para uma nação que exporta o insumo. Porém, Pizzamiglio ressalta que isso é um projeto de longo prazo.

“Para nos tornarmos um país que vende esse insumo para outras nações, precisamos fazer o ‘dever de casa’. Mas isso depende muito das políticas públicas e o avanço do setor e, até mesmo, do investimento privado. Deste modo, precisamos, neste momento, avançar nas negociações internacionais, comprando o insumo de países diversos, até constituirmos uma produção nacional que atenda a demanda interna e a externa”, completa.

O executivo completa, reafirmando que existem outros fatores para o desbalance inflacionário. Como é o caso do preço da gasolina e da energia, dentre outros derivados do petróleo. Porém ressalta, que a crise dos fertilizantes é sim um dos fatores principais de aumento no preço dos alimentos em nível internacional. A Associação Brasileira de Supermercados (Abras), já aponta o aumento de alguns itens da cesta básica no país, como é o caso do feijão, que teve aumento de 28,46% e o óleo de soja, com aumento de 22,57%.

O Banco Mundial, no início da invasão russa no território da Ucrânia, disse que os preços dos alimentos podem ter aumentos por volta dos 20% até o final de 2022. Análise motivada também pela economia do país invadido, que é um dos grandes exportadores de grãos do mundo.

informações assessoria de imprensa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.