ODS 9: A voz feminina na agroindústria familiar
CI
Agroindústria familiar

ODS 9: A voz feminina na agroindústria familiar

O café Feminino de MG já se destacou em grandes eventos, como as Olimpíadas no Rio de Janeiro
Por:

Ter a própria marca, levar seu produto para o mercado, ver o seu nome nas prateleiras pelo país. Essa é apenas algumas das alegrias de quem decidiu apostar na agroindústria e fornecer mais que matéria-prima. O desenvolvimento da indústria, da inovação e da geração de valor é tratado no 9° Objetivo do Desenvolvimento Sustentável: indústria, inovação e infraestrutura, um dos 17 ODS estipulados pela Organização das Nações Unidas (ONU) para 2030.  

No Sul de Minas Gerais, no município de Poço Fundo, um grupo de agricultores familiares também viu na agroindústria um meio de melhorar de vida. Em 2003, surgia a Cooperativa de Agricultores Familiares de Poço Fundo e Região – Ltda, nome que levou o gostinho do café mineiro para o mundo. 

Hoje, a cooperativa possui mais de 320 sócios espalhados em aproximadamente 20 municípios de Minas Gerais. Mas, em meio a tantas vozes masculinas, um grupo pequeno de mulheres, esposas de cooperados, buscava ser ouvido nas decisões da cooperativa. “O que antes era apenas uma oportunidade comercial evidenciou uma demanda das mulheres por espaço na organização e na sociedade, dando a elas a oportunidade de busca pela igualdade de direitos e por um espaço legítimo de participação na Coopfam”, afirma Carla Aparecida da Costa, funcionária da cooperativa. 

No início o grupo era composto por apenas sete mulheres que aos poucos foi ganhando espaço na Coopfam, inclusive o direito de ter cota própria, independente da cota do marido, para votar. Alguns anos depois, essas mulheres nomearam o grupo como Mobi - Mulheres Organizadas Buscando Independência. “A gente não tinha cota, então não tínhamos direito a voto, porém tínhamos muitas boas ideias e queríamos compartilhá-las. Decidimos criar um grupo de mulheres para a gente ter direito de voto na cooperativa”, conta Maria Regina Nogueira, coordenadora do Mobi.  

O grupo cresceu e as mulheres promoveram uma linha própria de café dentro da cooperativa: o Café Familiar da Terra -  Orgânico Feminino. O que era apenas um grito no meio de tantas vozes masculinas se tornou um produto que veio a ser um dos queridinhos da Coopfam e o café, com o toque feminino, passou a fazer sucesso entre os clientes.

O produto já se destacou em grandes eventos, como as Olimpíadas no Rio de Janeiro e feiras internacionais, como a Biofach. “Nas Olimpíadas no Rio de Janeiro, 80% do café vendido pela Coopfam foi o Feminino. Isso foi muito importante para valorizar o nosso projeto, deu um ânimo novo para a gente trabalhar na lavoura”, lembra Maria Regina. 

Uma parte do lucro do café é revertido para ações do Mobi. Hoje, o grupo é composto por 30 mulheres que vão além da industrialização do café. Entre as atividades do movimento, elas também atuam com artesanato e com o cultivo de flores. 

15 dias de ativismo

No marco da campanha internacional #MujeresRurales, mujeres con derechos, o Brasil participa da iniciativa: “15 dias de ativismo pelo empoderamento das mulheres rurais”. A ideia é difundir os principais ODS a forte ligação da atuação da mulher rural para o cumprimento dos temas. 

Saiba mais aqui


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.