Óleo de soja fechou em alta na Índia e China
CI
Imagem: Pixabay
MERCADO

Óleo de soja fechou em alta na Índia e China

Soja-grão recuou em Rotterdam
Por: -Leonardo Gottems

De acordo com a TF Agroeconômica, o mercado internacional dos subprodutos da soja teve movimentação nesta semana, com o óleo fechando em alta na Índia e na China e baixa na Europa. “No porto chinês de Dallian a soja avançou para US$ 784,55 contra US$ 782,34 do dia anterior; o farelo de soja avançou para US$ 472,67, como os US$ 471,34 do dia anterior e o óleo de soja avançou para US$ 1.177,06 como os US$ 1.173,74 do dia anterior”, comenta. 

“Em Rotterdam, o principal porto não-China de demanda de soja e subprodutos, o preço do primeiro mês cotado da soja-grão recuou para US$ 497,40/t contra os US$ 499,20/t do dia anterior; o pellets de soja recuou para US$ 502,00 contra os US$ 508,00 do dia anterior, afloat”, completa. 

Os preços dos óleos vegetais, para o primeiro mês, terminaram o dia cotados a: “óleo de canola avançou para US$ 1.058,95/t contra US$ 1.053,81/t do dia anterior; o óleo de linhaça foi cotado em US$ 1.075,00/t contra os US$ 1.070,00/t do dia anterior; o óleo de soja recuou para US$ 958,94/t contra $ 959,61/t do dia anterior; o óleo de girassol recuou para US$ 1.115,00 contra os US$ 1.120,00 do dia anterior e o óleo de palma manteve em US$ 860,00 contra os US$ 860,00/t do dia anterior”, indica. “Na Índia, maior importador de óleos vegetais do Mundo, o óleo de soja avançou US$ 1.090,00 como os US$1.076,00/t do dia anterior, em Nova Delhi, como mostra o gráfico ao lado”, completa. 

Vindo para o Brasil, o ritmo de plantio é de 31% no Rio Grande do Sul, contra 29% no ano anterior e 32% na média dos últimos 4 anos. “Já há registros de ressemeadura em locais cuja emergência de plantas foi prejudicada pela ausência de umidade. Outros fatores que interferem na implantação das lavouras são: permanência de baixas temperaturas durante o processo de emergência – causando atrasos, e a presença de ventos constantes que aceleram a desidratação das plantas em desenvolvimento”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink