Para se ajustar à pandemia, indústria vende tabaco por videoconferência
CI
Imagem: Marcel Oliveira
IMPACTO DA COVID-19

Para se ajustar à pandemia, indústria vende tabaco por videoconferência

As limitações a viagens mudaram contato com clientes; envio de amostras do produto se tornou muito mais frequente
Por:

Assim como tem ocorrido em quase todos os setores da economia brasileira este ano, que precisaram se adaptar para manter as atividades desde que o novo coronavírus chegou ao País, o setor do tabaco também foi afetado. Com limitações nas empresas e clientes impedidos de viajar, algumas adaptações foram necessárias para manter a comercialização do produto.

De acordo com o presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), Iro Schünke, a nova realidade de trabalho tem se mostrado um desafio. Com restrições para viagens ao exterior e até mesmo dentro do Brasil, as empresas têm realizado o processo de compra e venda remotamente, por meio das ferramentas de videoconferência disponíveis. “O que tem acontecido esse ano, muito mais do que em outros, é o envio de amostras. A empresa envia amostras do tabaco para o cliente poder analisar e confirmar se está de acordo”, observa.

Não bastando as dificuldades inéditas impostas pela pandemia da Covid-19, o setor do tabaco ainda enfrentou, em 2020, outra crise: a estiagem prolongada que atingiu a região Sul do Brasil nos primeiros meses do ano. “Em função do clima nas lavouras, infelizmente a qualidade do produto não é boa, deixa a desejar. Essa é mais uma dificuldade que as empresas têm enfrentado na comercialização”, aponta Schünke.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink