Paraná reduz ICMS sobre café beneficiado
CI
Agronegócio

Paraná reduz ICMS sobre café beneficiado

As torrefadoras do PR vão pagar menos ICMS na venda para São Paulo
Por:

As torrefadoras de café do Paraná vão pagar menos Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) na venda do produto beneficiado, quando ela ocorrer para o Estado de São Paulo. Decreto neste sentido foi assinado ontem pelo governador Roberto Requião, concedendo crédito presumido, reduzindo para 7% o imposto nas vendas para aquele estado.

A medida - informa o secretário da Fazenda, Heron Arzua - visa restaurar a competitividade do café paranaense no mercado paulista, prejudicada desde o início do ano passado pela redução do ICMS que incide em São Paulo sobre os artigos da cesta básica.

“A alíquota do ICMS cobrada sobre o café passou a 7% em São Paulo, mas continua em 12% para operações interestaduais. Assim, as empresas do Paraná ficaram em desvantagem em relação às paulistas”, explica Arzua. “Com o crédito presumido, as indústrias paranaenses passam a pagar os mesmos 7% nas vendas para São Paulo. Estamos restaurando as condições de igualdade para nossas empresas.”

O texto do decreto estende o crédito presumido aos fabricantes de café torrado em grão, moído e descafeinado. “A medida atende a cerca de 60 empresas”, estima Arzua. Atualmente, 80% do café produzido no Paraná é vendido a outros estados ou exportado.

O secretário-geral do Sindicato da Indústria de Torrefação e Moagem de Café do Paraná, Evaldo Wachelke, destacou a medida. “O crédito presumido recompõe a carga tributária líquida e torna o café do Paraná novamente competitivo em São Paulo”, afirma.

Ainda segundo o secretário, a indústria paranaense sofreu com a redução do ICMS em São Paulo. “Houve prejuízos”, diz Wachelke. “O imposto mais baixo tornou o café produzido por lá mais barato e, logo, mais interessante para os comerciantes paulistas.” São Paulo é o maior produtor brasileiro de café.

O crédito presumido autorizado pelo governador permite que as indústrias paranaenses também ofereçam preços menores, retomando a competitividade de seus produtos. “A partir de agora, teremos condições de fazer frente aos preços cobrados pelas indústrias paulistas”, prevê Wachelke.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink