Participantes de Dia de Campo aprendem sobre criação de abelhas com e sem ferrão

Dia de Campo

Participantes de Dia de Campo aprendem sobre criação de abelhas com e sem ferrão

Emater/RS-Ascar promoveu na quarta-feira (28/11) um Dia de Campo em Apicultura e Meliponicultura
Por:
40 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

A Emater/RS-Ascar promoveu na quarta-feira (28/11) um Dia de Campo em Apicultura e Meliponicultura, no Centro de Treinamento de Agricultores de Montenegro (Cetam). Participaram mais de 500 pessoas, que receberam informações e aproveitaram para tirar dúvidas sobre as plantas apícolas e o ciclo da atividade, passando pelo manejo da colmeia, colheita e o processamento do mel, até chegar na gestão da propriedade, que tem como principal fonte de renda a apicultura. 

O produtor Celso dos Reis Borba, de Tabaí, esteve contando sua história a outros apicultores durante o Dia de Campo. Ele integra o Programa Gestão Sustentável da Agricultura Familiar, executado pela Emater/RS-Ascar, e é um dos exemplos de que fazer a gestão da propriedade e investir na apicultura é um bom negócio. Celso começou na atividade em 1994 com seis caixas de abelha sem padrão. No mesmo ano fez um curso na área e decidiu ampliar para 15 caixas. Com o apoio da Emater/RS-Ascar, ele se dedicou à atividade e em 2014, com recursos via Fundo Estadual de Apoio aos Pequenos Empreendimentos Rurais (Feaper), inaugurou uma agroindústria, a Borbamel. Atualmente, a produção de cerca de 40kg por colmeia em média, é vendida. Celso faz todo o controle dos custos de produção, anotando o que entre e sai e os lucros. O produtor explica ainda que está sempre buscando qualificação e oportunidades para venda direta de seus produtos em feiras e eventos.

Além desta estação, onde o produtor e os extensionistas da Emater/RS-Ascar, Gulherme Fantin Niemxeski e Aldacir Pretto falaram da gestão da propriedade e do Programa, os participantes foram recepcionados pela coordenadora do Cetam, Claudete Klein, que apresentou os cursos ofertados pela Emater/RS-Ascar no local e depois circularam por outras seis estações. 

A importância do serviço ambiental que as abelhas prestam para o ser humano e os fatores essenciais para a produção de mel foram apresentados na primeira estação pelos agrônomos da Emater/RS-Ascar, Paulo Conrad e Eduardo Mariotti Gonçalves. 

Na segunda estação, os técnicos em agropecuária e agrícola da Emater/RS-Ascar de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires, respectivamente, Vilson Pitton e Luís Antônio Marmitt, explicaram os materiais necessários para preparar as colmeias padronizadas e onde e como se instala um apiário. 

O manejo das colmeias é essencial para ampliar a produção e isto foi salientado pelos técnicos em agropecuária da Emater/RS-Ascar, César Marques e Paulo Severgnini, na terceira estação. Dentre as ações de manejo que o apicultor deve fazer está a do ninho claro, que é dotado em pré floração, ou seja, 40 dias antes da floração devem ser trocados os favos mais velhos por cera alveolada e servida alimentação estimulante de postura. Assim, quando acontecer a florada principal na primavera, o ninho já vai estar abastecido em cerca de 80% e o apicultor poderá instalar a melgueira, garantindo o aumento da produtividade.

Como se faz para colher o mel, a roupa a ser usada, os equipamentos, o momento certo de transferir e colher foram os temas tratados pelo veterinário da Emater/RS-Ascar de Eldorado do Sul, Felipe Silva, e pelo técnico em agropecuária da Emater/RS-Ascar em Triunfo, Ricardo Bosche. 

Na quinta estação, os técnicos em agropecuária da Emater/RS-Ascar, Wolnei Fenner e Ricardo Valin, salientaram aos participantes que o processamento do mel deve ter como mote a qualidade. O cuidado tem que estar presente na higiene, na estrutura, nos equipamentos e no momento da comercialização.

Já na sexta estação, os extensionistas da Emater/RS-Ascar, Johannes Humbertus Falcade, Gelcy Baumgarten, Caroline Kolinski de Lima e Graziela Petry, abordaram a meliponicultura. Neste espaço, os profissionais demonstraram algumas das 22 espécies de abelhas sem ferrão reconhecidas no Estado e que possuem caixas no Cetam. As abelhas nativas sem ferrão produzem mel de excelente qualidade e com fins medicinais, aproximam as pessoas, melhoram a polinização das flores, aumentam a produção de alimentos, contribuem para a preservação da biodiversidade e podem ser usadas para fins ornamentais. De forma prática foi mostrado como se faz uma isca atrativa para capturar enxame. Paralelamente havia uma exposição de materiais e equipamentos apícolas. 

Participaram agricultores, técnicos, apicultores e extensionistas de mais de 30 municípios das regionais de Lajeado, Porto Alegre e Soledade da Emater/RS-Ascar, além de autoridades, como os gerentes regionais da Emater/RS-Ascar em Porto Alegre, Ademir Santin e Air Nunes dos Santos, o chefe de gabinete da Prefeitura de Montenegro, Edar Borges Machado, o prefeito de Chuvisca, Joel Santos, o secretário municipal de Agricultura de Nova Santa Rita, Marli Castro, o gerente da agência Sicredi Ouro Branco de Montenegro, Moisés Schlindwein, e o diretor de negócios do Sicredi Ouro Branco, Jairo Sperotto.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink