Pecuaristas devem gerenciar os riscos com partos e reduzir dor de terneiros
CI
Imagem: Pixabay
PECUÁRIA

Pecuaristas devem gerenciar os riscos com partos e reduzir dor de terneiros

Especialista da UFSM ainda destacou a importância de manejo reduzido no momento do nascimento para evitar estresse
Por:

O Instituto Desenvolve Pecuária realizou mais uma edição do Prosa de Pecuária, evento virtual que trata de temas relacionados ao setor pecuário. O assunto abordado nesta terça-feira, 19 de julho, foi "Revisando partos: O que, como e, principalmente, o porquê fazer", com  o professor de Medicina Interna de Ruminantes da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Marcelo Cecim. A live ocorreu no canal de YouTube da entidade.

Marcelo Cecim iniciou sua apresentação falando sobre os riscos que envolvem os extremos na idade das mães. Segundo ele, vacas velhas ou muito jovens apresentam risco obstétrico. Ele também afirmou que vacas magras e gordas também necessitam de atenção especial. “Os veterinários, hoje, trabalham com gestão de saúde e neste caso, gestão de riscos”, garantiu o professor.

Com relação a idade das vacas, Cecim detalhou que a vaca velha está mais sujeita a cansar durante parto. Já as novilhas, emprenhadas com 15 meses, vão parir com 24 meses. “Nesta idade, elas estão na época da muda dentária, o que significa ter que produzir leite sem pastar”, explicou.  Já no que se refere ao peso, o professor relatou que vacas muito gordas, novas, como as de 24 meses, têm mais chance de depositar gordura na cavidade pélvica, reduzindo o espaço para o terneiro sair. “Não podemos engordar ou emagrecer uma vaca no último mês, antes de parir", concluiu.

Quanto ao momento do parto, o professor da UFSM lembrou da sabedoria popular que descreve o período de lua nova como o “puxador de parto”. “A vaca pode ter uma gestação de 9 meses e 10 dias, mas a lua nova pode antecipar de 3 a 4 dias o parto, pela minha experiência”, disse Cecim. Ele também afirmou que machos e gêmeos podem nascer antes do previsto. “Mas, a hora de parir quem escolhe é a vaca”, concluiu.

Depois de listar elementos que levarão o produtor a perceber que o momento do nascimento está chegando, o professor destacou a importância de interagir com o animal o menos possível e reduzir o estresse por manejo. “A mãe vai procurar um lugar tranquilo e abrigado para ter o bezerro, principalmente durante o dia e vai ficar ali entre 2 a 3 dias, quando inicia o pastejo, se afastando da cria”, explicou. Segundo Cecim, ter cães por perto ou interagir com a vaca para verificar em que estágio do parto está, pode fazer com que a vaca interrompa o processo, causando estresse na mãe e no filho.

“É importante que o terneiro trema quando nasce, queime gordura marrom e atinja 38 graus de temperatura corporal, do contrário, pode entrar em depressão e não mamar o colostro”, destacou Marcelo Cecim. Um bezerro que passou por estresse durante o parto pode sentir dores musculares ao nascer e com isso, não irá apresentar o tremor e o ciclo que aquecimento não ocorre, resultando em uma temperatura corporal de 34 graus. “´Nestes casos, ou quando se vê que ele defecou no útero, é preciso tratar com anti inflamatório para acabar com a dor e ele tomar o colostro, o melhor antibiótico que há”, explicou.

O vice-presidente do Instituto Desenvolve Pecuária, Paulo Costa Ebbsen, ressaltou a importância do tema abordado durante o Prosa de Pecuária. “O ciclo de parição é uma época de muitas perdas e esta explanação do professor Marcelo vai nos ajudar a ter um melhor resultado”, destacou.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.