Pele de tilápia pode tratar queimados no Líbano
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,666 (-0,38%)
| Dólar (compra) R$ 5,51 (0,69%)

Imagem: Viktor Braga/UFC

PESQUISA

Pele de tilápia pode tratar queimados no Líbano

O envio do Brasil só depende de acertos entre as autoridades sanitárias dos dois países
Por: -Eliza Maliszewski
697 acessos

Vem do Ceará uma descoberta natural que auxilia na recuperação de queimaduras. Pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) observam há 6 anos que a pele de tilápia age como um curativo para queimaduras de 2º e 3º grau.

Segundo o pesquisador Edmar Maciel, seu uso acelera o processo de cicatrização, além de diminuir a dor do paciente. “Ela age como curativo temporário, que evita a troca diária, reduz a perda de líquido e a contaminação do meio externo para dentro da ferida. Dependendo da profundidade da queimadura, a recuperação pode acontecer em um intervalo de 2 dias a até um mês e meio”, explica o professor.

Os testes foram realizados em 350 pacientes que tiveram melhora da dor, evitaram contaminações, além da recuperação. A  técnica criada no Ceará já foi usada na Califórnia (USA) para tratar queimaduras de ursos. Aqui no Brasil, em Campinas e em Fortaleza, ela já foi usada em cirurgias ginecológicas.

Agora o Brasil pretende enviar todo o estoque de pele de tilápia para auxiliar no tratamento de queimaduras em vítimas da explosão no Líbano. A ideia é mandar 40 mil centímetros. O envio ainda depende de acertos entre o Brasil e as autoridades sanitárias libanesas.

Em vários países do mundo, é comum o uso de pele de porco para queimaduras. Mas o professor explica que a pele de tilápia supera a do suíno na quantidade de colágeno e na resistência.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink