Pes­ca de­ve cres­cer 40% no Pa­ra­ná em ­três ­anos

Agronegócio

Pes­ca de­ve cres­cer 40% no Pa­ra­ná em ­três ­anos

Por:
242 acessos
Pro­je­ção foi fei­ta on­tem pe­lo mi­nis­tro Al­te­mir Gre­go­lin, em Cu­ri­ti­ba; Es­ta­do re­ce­be­rá R$ 1 mi em in­ves­ti­men­tos es­te ano

Curitiba - O Ministério da Pesca e Aquicultura irá investir este ano mais de R$ 1 milhão no Paraná. O anúncio foi feito pelo ministro Altemir Gregolin, ontem, durante a Conferência Estadual de Aquicultura e Pesca, em Curitiba. Com o total investido, o Governo Federal espera um crescimento de 40% no setor paranaense nos próximos três anos. No Estado, atualmente trabalham no setor cerca de 13 mil pescadores e 23 mil aquicultores.


O Paraná produz 25 mil toneladas de pesca extrativa por ano. De acordo com o ministro, é uma quantidade expressiva, colocando o Estado entre os maiores produtores de pescados do país. Os investimentos irão permitir a compra de duas fábricas de gelo para pesca artesanal, três caminhões de transporte de pescados frigorificados e outros equipamentos, como cozinhas comunitárias e pontos fixos comercialização.

Na ocasião, o ministro comentou a nova Lei da Pesca, sancionada pelo presidente Lula no dia 26 de junho. ""A nova lei é extremamente relevante. Ela equipara o pescador e aquicultor ao produtor rural, os torna beneficiários da política agrícola, reconhece a atividade da mulher que trabalha em regime de economia familiar com o pescador, aquela que descasca o camarão, conserta a rede, o barco, comercializa"", explica.


A lei inclui, ainda, um capítulo específico sobre o desenvolvimento da aquicultura, segundo Gregolin uma das atividades com grande potencial no País, e introduz a preocupação com a sustentabilidade ambiental. Com a transformação da antiga secretaria especial em ministério, ele acredita que o setor se beneficiará com mais estrutura e mais recursos. ""Em 2003, o orçamento de investimentos no setor foi de R$ 11 milhões. Neste ano são R$ 464 milhões. Além dos recursos para infraestrutura, a pasta também oferecerá mais crédito e assistência técnica para os trabalhadores"", comenta.

O superintendente estadual da Pasta, José Wigineski, informou que duas áreas estão em processo de licenciamento para instalação de produtores, uma na bacia do Rio Paranapanema e outra no Litoral. O licenciamento ambiental ainda é um grande problema, já que cerca de 90% dos aquicultores atuam sem permissão. Gregolin afirma que a lei também irá simplificar o processo.


O secretário estadual do Meio Ambiente, Rasca Rodrigues, comentou a nova resolução estadual que libera pesca no interior das baías de Guaratuba, Paranaguá, Guaraqueçaba, Antonina e Laranjeiras, bem como em uma distância de 100 e 50 metros, de acordo com o tipo de pesca, das demais ilhas do Litoral. ""A resolução tentou aliar os interesses dos pescadores artesanais e industriais com a preocupação de preservar para que o peixe continue existindo.""

Comércio

A proprietária da Nipopesca em Londrina, Eli Fugikawa, comemorou o invstimento no setor. ""Para o comércio é bom, principalmente se aumentar a produção regional. Isso pode diminuir os custos e podemos repassar um preço melhor ao consumidor"", afirmou. (colaborou Chiara Papali - Reportagem Local) 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink