Preço da mandioca atinge maior patamar em um ano

EM ALTA

Preço da mandioca atinge maior patamar em um ano

De acordo com agentes das indústrias, especialmente as de fécula, muitos mostram necessidade de intensificar o processamento
Por:
339 acessos

Os preços da raiz de mandioca estão em alta há oito semanas consecutivas, atingindo, na semana passada, o maior patamar em 12 meses. Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, esse cenário é resultado da baixa oferta do produto na maior parte das regiões levantadas pela Equipe.

A restrição da oferta, por sua vez, se deve à menor disponibilidade de lavouras a serem colhidas e ao pouco interesse produtor pela comercialização. Já nas propriedades que ainda detêm volume a ser colhido, as condições climáticas desfavoráveis reforçam a restrição na oferta.

Do lado da demanda, pesquisadores do Cepea verificam disputa acirrada entre empresas por lavouras de mandioca. Diante disso, a moagem continua baixa e a ociosidade industrial chegou a 73% da capacidade instalada.

De acordo com agentes das indústrias, especialmente as de fécula, muitos mostram necessidade de intensificar o processamento, com o objetivo de repor os estoques, o que deve manter elevado o interesse pela raiz. Pesquisadores do Cepea ressaltam, no entanto, que não há expectativa de aumento da oferta de matéria-prima no curto prazo.

Entre 11 e 14 de novembro, o valor médio nominal a prazo da tonelada de mandioca posta fecularia foi de R$ 395,85 (R$ 0,6884 por grama de amido na balança hidrostática de 5 kg), aumento de 5,3% frente ao da semana anterior e o maior patamar desde a segunda quinzena de novembro de 2018. Já considerando-se os efeitos da inflação (os valores da série do Cepea foram deflacionados pelo IGP-DI de outubro/19), a média atual é a maior desde fevereiro de 2019.

Ainda de acordo com dados do Cepea, o rendimento médio de amido esteve em 492,32 gramas na semana passada, queda de 1,8% frente ao do período anterior e o mais baixo da série histórica do Cepea, iniciada em 2011.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que, neste ano, a área que será colhida com mandioca no Brasil deve ser de 1,32 milhão de hectares, recuo de 2,8% frente à de 2018. Já a produtividade é estimada em 15 toneladas por hectare, avanço expressivo de 6,7% em relação à de 2018. Como resultado, a produção estimada para o Brasil é de 20 milhões de toneladas, 3,6% acima daquela de 2018.

 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink