Preços do milho voltam a cair forte

ANÁLISE

Preços do milho voltam a cair forte

Pressionados pelo início da colheita em algumas regiões do país
Por: -Leonardo Gottems
570 acessos

Pressionados pelo início da colheita em algumas regiões do país e pelos relativamente altos estoques de passagem ainda existentes, os preços do milho voltaram a cair nesta quinta-feira (17.01). A pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) registrou preços médios em Campinas, a principal praça de referência do país, em queda de 1,31% para R$ 36,82/saca, aumentado para 3,99% as perdas em janeiro.

De acordo com a XP Agro, com isto, aos poucos, as cargas de milho reaparecem. “Após dias sem negociações, produtores voltaram a ofertar pequenas cargas para testar os níveis de preço. Indústrias e Granjas, todavia se mostram abastecidas e aproveitam para pressionar as referências”, afirma o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco. 

Segundo ele, quando existe alguma necessidade de compra, preferência é pelos lotes tributados (originários de MG e MS), de modo que o diferido fique de lado. Intermediários e Silos, que tentavam inflacionar o mercado em cima da baixa liquidez, saíram do mercado. “De maneira geral, o avanço da colheita de verão ainda muda as atenções do milho para a soja e deixa uma lacuna no mercado”, diz Pacheco. 

A amostra da XP Investimentos tem média de R$ 38,09/sc, baixa de R$ 0,50/sc. Nos portos, as referências finais também permanecem de lado. As indicações para Jan/19 e Mar/19 estão em R$ 39,00/sc e R$ 39,50, respectivamente. A soma dos lineup’s de milho para Jan/19 está em 3,47 MT (-0,01 MT no dia), enquanto a da soja está em 2,83 (-0,06 MT no dia).


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink