Produtor tem prejuízo de R$ 300 por suíno terminado
CI
Imagem: Pixabay
CUSTOS

Produtor tem prejuízo de R$ 300 por suíno terminado

“A redução dos impostos não seria o suficiente, mas já ajudaria", diz entidade
Por: -Eliza Maliszewski

Os custos de produção impactam cada vez mais a suinocultura. Em Santa Catarina, maior Estado produtor, suinocultores independentes chegam a perder R$ 300 por suíno terminado. 

Segundo a Regional Sul de Criadores de Suínos aproximadamente 45% dos produtores independentes de Santa Catarina se concentram na região Vale do Braço do Norte. Apenas no município de Braço do Norte são 138 propriedades atuando no ramo suinícola, contabilizando 25 mil matrizes na produção de leitão, 15 mil na área de suínos terminados e 28 propriedades realizando a engorda.
 
Conforme Adir Engel, presidente da entidade e secretário de Agricultura de Braço do Norte, a produção apenas do município é de aproximadamente 700 mil leitões por ano e mais 380 mil suínos terminados ao ano. Na avaliação de Engel, se for calculada a remuneração média de R$ 5 pelo quilo do animal vivo, o movimento econômico atinge a marca dos R$ 35 milhões por ano.
 
“Se o produtor recebesse pelo menos o custo de produção que está girando em torno de R$ 7,80 a R$ 8 o movimento econômico passaria para R$ 50 milhões. Nessa queda de preço são R$ 15 milhões a menos por mês no movimento de venda de suínos em Braço do Norte. Isso impacta para todo o agro e também para o município. Atualmente o produtor está perdendo quase R$ 300 por suíno terminado”, explica Engel.
 
Segundo ele o produtor independente está chegando no limite com as altas nos custos de produção e com baixas na remuneração. “Com esse prejuízo todo acumulado ele acaba contraindo dívidas nos bancos, com os cerealistas nas agropecuárias e se torna uma situação bastante lamentável”, diz.  
 
A ACCS tem pleiteado a redução do PIS/Cofins para a importação de milho de outros países com o objetivo de atender a demanda dos produtores. Hoje o valor da saca de milho está em torno de R$ 96 na região de Braço do Norte. Com a diminuição dos impostos, o custo do cereal vindo da Argentina e do Paraguai daria uma sobrevida aos suinocultores. “A redução dos impostos não seria o suficiente, mas já ajudaria. Nós esperamos também que a situação melhore agora com o fim da quaresma e que o mercado interno possa consumir mais".
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink