Queda no preço pago pelo quilo do suíno vivo preocupa suinocultores gaúchos
CI
Agronegócio

Queda no preço pago pelo quilo do suíno vivo preocupa suinocultores gaúchos

Suinocultores gaúchos estão apreensivos com a acentuada queda no preço
Por:

Os suinocultores gaúchos estão apreensivos com a acentuada queda no preço pago pelo quilo do suíno vivo no Estado. Feita no dia 4 de janeiro, a primeira pesquisa de 2016 apontou R$ 3,71 pelo quilo do suíno, uma diferença de R$ 0,04 em relação à última pesquisa realizada em 2015, no dia 21 de dezembro, quando o preço era de R$ 3,75.
A pesquisa feita hoje (25) apontou a cotação de R$ 3,30, ou seja, uma diferença de 11,06% em relação à primeira semana do ano.

Segundo o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul – ACSURS, Valdecir Luis Folador, a queda do preço está tirando a rentabilidade e o suinocultor já trabalha com margem negativa. Folador ainda lembra que, ao contrário do preço do suíno, o custo de produção vem numa alta significativa desde o ano passado, em especial no que se refere aos insumos – milho e farelo de soja. “Estamos em um momento delicado, em que o suinocultor deve gerenciar seu negócio e ver quais custos podem ser cortados. O produtor precisa ter muita cautela e buscar a máxima eficiência para a granja”, avalia o dirigente. Ele ressalta que o primeiro trimestre deve ser mais difícil para a atividade e que, após esse período, há perspectivas de melhoras no mercado interno, responsável por consumir mais de 80% da produção e que hoje também está estagnado.

Para o presidente da ACSURS, segundo apontam os números até o momento, as exportações devem se manter em patamar elevado, o que vai dar fluxo à produção e, assim, também será ponto de equilíbrio fazendo com que haja mais ou menos pressão nos preços do mercado interno.
 
Preço do suíno
A pesquisa semanal é realizada pela ACSURS com o apoio exclusivo da MSD Saúde Animal, às segundas-feiras. Além do preço do suíno, também são levantados os preços dos insumos e das agroindústrias e cooperativas.

Na pesquisa de hoje, o milho ficou em R$ 34,00 (semana passada R$ 32,00) e o farelo de soja ficou em R$ 1.330,00 para pagamento à vista (semana passada R$ 1.305,00) e em R$ 1.345,00 para pagamento com prazo de 30 dias (semana passada R$ 1.320,00). As agroindústrias e cooperativas apresentaram as seguintes cotações: Cotrel R$ 3,00; Cosuel/Dália Alimentos R$ 3,02; Cotrijuí R$ 3,05; Cooperativa Languiru R$ 3,00; Cooperativa Majestade R$ 2,90; Ouro do Sul R$ 3,30; Alibem R$ 2,90; BRF R$ 2,90; JBS R$ 2,90; e Pamplona R$ 2,90. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.