Rastreabilidade do algodão da Ampa começa na próxima safra no MT


Agronegócio

Rastreabilidade do algodão da Ampa começa na próxima safra no MT

Por:
4 acessos

Produtores de Mato Grosso saem na frente e inovam com rastreamento da cotonicultura brasileira.

Rastreabilidade do algodão. Esta é a nova referência de qualidade que a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) busca para os 500 cotonicultores e as 88 empresas que operam 156 conjuntos descaroçadores no estado ampliarem sua participação nos mercados internacional e brasileiro.

Esse tipo de rastreamento ainda não foi implantado na cotonicultura brasileira, e começará em escala gradual - de acordo com o nível de adesão dos produtores - por Mato Grosso, a partir da safra que será colhida em maio e junho.

Com a rastreabilidade, Mato Grosso que é o maior produtor de plumas no país, torna-se também precursor na oferta de um produto de melhor qualidade e de plena identificação.

O primeiro passo para a rastreabilidade foi uma palestra ontem, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária (Famato), em Cuiabá, proferida pelo assessor da EAN Brasil, Marcello Colacioppo Baruffaldi, para técnicos da Ampa e o empresariado da cotonicultura mato-grossense.

Baruffaldi fez uma radiografia dos princípios da rastreabilidade do algodão em países grandes produtores a exemplo dos Estados Unidos e Austrália.

O rastreamento do algodão é uma espécie de certidão da origem do produto, a partir do preparo da terra, passando pela semente e por todas as fases do cultivo, tratos culturais, colheita, transporte e do processo industrial. O fardo com atestado de rastreabilidade ganha padrões internacionais, e consequentemente mais competitividade para disputar o exigente mercado têxtil com seus similares americanos e australianos.

Exemplo de qualidade alcançada pela rastreabilidade e exigida pelo mercado internacional pode ser tomado pela utilização de código de barras para identificação do algodão, em substituição ao método ora em uso no Brasil, de marcação do fardo com tinta, "Processo esse que sempre provoca manchas na pluma, e causa avaria ao produto nas indústrias têxteis", explica Baruffaldi.

A assessoria técnica da Ampa revela que a proposta da rastreabilidade foi bem aceita pelos seus associados, que produziram 351 mil toneladas de algodão em pluma na safra passada. A mesma fonte acrescenta que a EAN Brasil lhe presta apoio técnico e tecnológico, e que ela os repassará a seus associados como parte da proposta de se implantar a rastreabilidade.

EAN Brasil - É uma empresa multinacional que atende em mais de 100 países, em diversas áreas, incluindo materiais de construção, calçados, carnes e etc. Em Mato Grosso ela presta apoio técnico e tecnológico à Ampa no campo da rastreabilidade.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink