Rigor na produção eleva exportações da carne tocantinense
CI
Agronegócio

Rigor na produção eleva exportações da carne tocantinense

Os 15 anos de controle sanitário da febre aftosa em território tocantinense têm resultado em condição privilegiada
Por:
Os 15 anos de controle sanitário da febre aftosa em território tocantinense têm resultado em condição privilegiada para que a carne produzida no Estado continue sendo produto de frente de sua pauta de exportações. Apesar de ocupar o atual 2º lugar nas vendas ao exterior, o produto vinha em declínio até o ano passado, quando a atividade começou a ser reestruturada.


O outro fator que tem contribuído para o êxito no setor, conforme a Secretaria da Agricultura, Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro), são as políticas públicas de incentivos em obras e melhorias estruturantes que, nos dois casos, a pasta avalia que têm que continuar sendo encaradas com “bastante seriedade pelos agentes envolvidos”.

Neste aspecto, o coordenador de Sustentabilidade do Agronegócio da Seagro, Corombert Leão, diz ser fundamental o papel do Estado em garantir condições eficientes à cadeia produtiva da carne por meio de estradas, energia elétrica, serviço de telecomunicações, incentivos ao produtor e ao parque industrial da área.

Leão destaca ser este o outro lado que vem fazendo com que o circuito da carne tocantinense atenda à demanda em potencial do mercado externo. Não apenas de carne bovina, mas com perspectiva de que com tal empenho o Estado possa vir a suprir a demanda de carne suína, de aves e das demais commodities agrícolas, ressalva o coordenador.


Corombert, como também Osvaldo Stival, um dos produtores e empresários mais importantes do ramo de frigoríficos do Tocantins e que ano passado esteve na missão tocantinense liderada pelo governador Siqueira Campos a países asiáticos, afirmam que foi dado um passo importante nessa direção. E acrescentam que “tudo tem que estar estruturado para que os elos da produção, desde o produtor e todos os demais segmentos envolvidos, não falhem e possam ter meios de produzir com condições”, avaliam.

Eles mencionam que no caso do Japão foi firmada a necessidade de parcerias com empresa japonesas, inclusive na formação de joint-ventures no Tocantins. Destaque-se que Japão, Tawain e Coréia do Sul, por algumas restrições, ainda não importam carne in natura do Estado, e que, a partir do momento de aparadas tais arestas, veem como mais uma fronteira ampliada na exportação da carne tocantinense.

O superintendente Federal de Agricultura no Tocantins, Jalbas Manduca, embora afirme que a produção de carne interna tenha crescido pouco mais de 2% em 2011, em relação a 2010, devido à redução da matéria-prima, houve aumento de 7,3% nas exportações no mesmo período para vários países. Para ele, esse é o indicativo de que o Tocantins tem que se preparar para atender à demanda, seja da comunidade européia, dos países asiáticos e Oriente Médio.


Jalbas e Corombert convergem ainda no aspecto de que as Boas Práticas Agropecuárias que estão contribuindo para que o Estado comemore 15 anos de controle sanitário da febre aftosa habilitando o trânsito livre para exportação da carne produzida aqui, não seja motivo de acomodação. “Ao contrário, há que se aperfeiçoar essas boas práticas a cada momento, por parte dos agentes públicos e produtores, pois um só foco da doença pode se ter o descredenciamento não apenas do Tocantins, como de todo o circuito Centro-Oeste”, alerta o representante do Mapa no Tocantins.

Ele fala ainda do programa ABC, do Governo federal, que no Estado visa dar suporte ao produtor incentivando, ao mesmo tempo, a recuperação de pastagens e a preservação ambiental, no sequestro de carbono e na produção, contando para essa parceria com a Embrapa, Superintendência Federal da Agrilcultura, Delegacia da Agricultura no Tocantins e Secretaria da Agricultura da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário do Tocantins.

Exportações
De acordo com o Ministério da Agricultura da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Mapa), por meio da Superintendência Federal da Agricultura no Tocantins, o Estado obteve em 2011 R$ 196 milhões em carne in natura (20 mil toneladas sem osso), cerca de 7,3% a mais dos R$ 192,5 milhões de 2010 (18,640 toneladas), quando o aumento fora de pouco mais 2% relativo ao ano anterior, de 2009.


A Rússia é o principal parceiro nas importações de carne bovina do Tocantins com 5,8 toneladas; Hong Kong com 3,7 mil t; Egito 3,1 mil t; Irã 3 mil t; Venezuela 2,1 mil t e Argélia com 1,8 mil t.


SECRETARIA DA COMUNICAÇÃO DO TOCANTINS - SECOM

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.