Rodovias de MS e MT precisam de R$ 4 bi de investimento mínimo, diz CNT
CI
Agronegócio

Rodovias de MS e MT precisam de R$ 4 bi de investimento mínimo, diz CNT

Na rodovia 377, o mato quase encobre a placa de sinalização
Por:
Na rodovia 377, em Mato Grosso do Sul, o mato quase encobre a placa de sinalização


As rodovias de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso precisam de no mínimo R$ 4 bilhões de investimento para a recuperação do pavimento. É o que aponta a 16ª Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgada nesta quarta-feira (24). O levantamento avalia aspectos do pavimento, sinalização e geometria da malha federal e das principais rodovias estaduais pavimentadas no País.


Segundo a pesquisa, dos 4.462 quilômetros de rodovias em Mato Grosso, 4.270 quilômetros, o equivalente a 95,6% do total, precisam de recuperação. São 1.147 quilômetros que demandam trabalhos de restauração em trechos que apresentam trincas, buracos, ondulações e afundamentos e 3.123 quilômetros que precisam de manutenção em razão do desgaste. Para executar essas obras, o investimento previsto é de R$ 2,3 bilhões.

Já em Mato Grosso do Sul, 77,2% da malha rodoviária, o que representa 3.298 quilômetros de um total de 4.272 quilômetros, requerem recuperação, conforme a pesquisa da CNT. Desse total, 274 quilômetros precisam de restauração e 3.024 quilômetros necessitam de manutenção, demandando a aplicação de R$ 1,7 bilhão.


Ainda em relação a Mato Grosso do Sul, o levantamento indicou que 62,7% das rodovias do Estado tiveram uma avaliação entre regular e péssima. Apenas 37,2 % foram consideradas entre os níveis bom e regular. A rodovia MS-443, que tem 10 quilômetros de extensão, e a BR-483, que tem sete quilômetros, as duas na região leste do Estado, foram as estradas que receberam a pior classificação entre a malha sul-mato-grossense, péssimo.

Em Mato Grosso, 84,1% das estradas foram enquadradas entre regular e péssimo. As que rodovias em pior situação, consideradas péssimas, foram a MT-320, que liga Alta Floresta a Itaúba, no Norte do Estado e a MT-246, na região Sul, entre Barra dos Bugres e Jangada.


Segurança
Quanto as condições de segurança, o estudo revelou que em Mato Grosso, 96,6% das estradas possuem as pinturas das faixas centrais desgastadas ou inexistentes; que 33,1% têm problemas com placas de sinalização, como o mato cobrindo ou são inexistentes; e que 95,7% tem o pavimento desgastado, remendado ou ainda com afundamentos, ondulações ou trincas.

Em Mato Grosso do Sul, neste mesmo aspecto, 59,1% da malha rodoviária apresenta problemas com as pinturas das faixas centrais das pistas; 11% com mato cobrindo ou com a falta de placas de sinalização e que 77,02% da superfície pavimentada das estradas está desgastada ou que tem remendos ou ainda ainda afundamentos, ondulações e buracos.


Finalidade
Segundo a CNT, as informações da pesquisa auxiliam no planejamento de transportadores, na formulação de planos de manutenção de rodovias e na elaboração de políticas públicas para o setor de transporte.

A CNT estima que a necessidade de investimento para a modernização da infraestrutura rodoviária no Brasil seja de cerca de R$ 170 bilhões, a serem aplicados na construção de novas rodovias e em obras de duplicação, pavimentação, recuperação, entre outras intervenções.

(*Com informações da CNT)

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink