RS: produtores comemoram aumento no preço pago pelo leite
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,702 (-2,12%)
| Dólar (compra) R$ 5,40 (0,44%)

Imagem: Pixabay

REFLEXOS DO CLIMA

RS: produtores comemoram aumento no preço pago pelo leite

Alta foi puxada pela seca, que prejudicou as pastagens. Expectativa é que preço estabilize a partir de agora
Por:
246 acessos

O preço do leite pago aos produtores aumentou nos últimos meses. Em algumas indústrias de laticínios, o valor que em março era de R$ 1,49, em julho chegou a R$ 1,64. A variação depende de critérios adotados por cada empresa. No entanto, a justificativa para o aumento está relacionada aos altos custos de produção e às condições climáticas desfavoráveis causadas pela estiagem prolongada.

O engenheiro agrícola da Secretaria Municipal de Agricultura de Santa Cruz do Sul, Marco Alves, explica que os valores são reflexos do clima. “O período seco prejudicou a formação de grãos e de pastagens e limitou a produção. Além disso, muitos produtores tiveram que alimentar os animais com ração, o que gerou um custo maior”, explica.

Segundo Alves, a expectativa é de que o preço se mantenha e os valores não aumentem para o consumidor. “A tendência é de estabilidade a partir de agora, pois as pastagens anuais já estão prontas para o consumo. Com mais forragem para alimentação das vacas, diminui o custo de produção” disse. Santa Cruz possui 300 produtores de leite que comercializam a produção para empresas da região.

Alta é motivo de comemoração

O setor leiteiro, que já enfrentou diversas dificuldades, comemora a alta gradativa de preços. Na propriedade de Paulo Roberto Janisch, em Vila Palanque, interior de Venâncio Aires, a produção é de 330 litros de leite por dia, uma média de 9 mil por mês. Segundo Janisch, se os preços se mantiverem, vai ajudar bastante. “Sabemos que este é o último aumento do ano. E poderia se manter porque, no período da antessafra, os custos de produção ficam mais caros, principalmente pela falta de pastagem”, diz.

Joel Dores, que reside em Cerro Alegre Baixo, interior de Santa Cruz do Sul, que tem uma captação diária de 350 litros, 10 mil por mês, ressaltou que, com preços melhores, fica mais fácil de se planejar. “O preço está muito bom. Já tivemos em situações muito piores em que a margem de lucro era muito pequena.”


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink