RS: tabaco é tema de seminário na 26ª Expofeira Nacional da Cebola em Ituporanga
CI
Imagem: Marcel Oliveira
EVENTO

RS: tabaco é tema de seminário na 26ª Expofeira Nacional da Cebola em Ituporanga

Presidente do SindiTabaco apresentou as principais ações de ESG do setor que mantêm o Brasil na liderança de exportações
Por:

 Realizada entre 7 e 10 de abril, em Ituporanga (SC), a 26ª Expofeira Nacional da Cebola sediou seminário sobre a cultura do tabaco, que é importante fonte de renda para milhares de famílias da região. O evento foi realizado durante a programação da Semana da Agricultura Familiar que contou ainda com encontros temáticas sobre cebola e turismo. 

A primeira palestra, ministrada pelo presidente da Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Albano Werner, abordou as tendências e desafios da produção de tabaco no Sul do Brasil. Na sequência, o presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), Iro Schünke, falou sobre a importância da cadeia produtiva. A programação foi concluída com a apresentação do chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, José Eloir Denardin, sobre conservação do solo. 

Além de apresentar a atuação do SindiTabaco e os principais mercados e números da exportação de tabaco brasileiro, o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, destacou o pioneirismo do setor na prática do ESG - sigla para Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança). De acordo com o executivo, são muitos os exemplos de iniciativas que têm inspirado outras cadeias produtivas e setores. 

“Em áreas como a preservação ambiental, logística reversa e de combate ao trabalho infantil, temos inciativas à frente da legislação e que já completam 20 a 30 anos de existência. A produção sustentável do tabaco é o que tem mantido o Brasil na primeira posição do ranking mundial de exportação há quase três décadas”, comentou Schünke durante a apresentação que reuniu lideranças e representantes do agronegócio. 

ESG na cadeia produtiva do tabaco 

- Redução do uso de defensivos agrícolas: o tabaco está entre as culturas comerciais que menos utiliza agrotóxicos segundo pesquisas recentes; 

- Saúde e segurança do produtor: orientação sobre a correta armazenagem e manuseio de agrotóxicos e das embalagens vazias. Investimento em pesquisa para o desenvolvimento de uma vestimenta de colheita eficaz contra a Doença da Folha Verde do Tabaco; 

- Programa de Recebimento de Embalagens Vazias de Agrotóxicos: incentivo à logística reversa há mais de duas décadas, sendo anterior à legislação de 2002; 

- Incentivo à diversificação: Programa Milho, Feijão e Pastagens, após a Colheita do Tabaco; 

- Combate ao trabalho infantil: ações iniciadas em 1998 evoluíram e culminaram na fundação do Instituto Crescer Legal (2015); de lá para cá, cerca de 600 jovens rurais já foram beneficiados com o inovador Programa de Aprendizagem Profissional Rural; 

- Proteção da mata nativa e reflorestamento: ações que visam a autossuficiência energética iniciadas em 1978. Como resultado, o setor do tabaco apresenta um dos mais altos índices de cobertura florestal: 25%, sendo 15% de mata nativa. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.