Sementes de orgânicos são entregues para quilombolas de Mostardas

Agronegócio

Sementes de orgânicos são entregues para quilombolas de Mostardas

O benefício foi concedido ao grupo pela Emater/RS-Ascar junto com Associação Comunitária Quilombola dos Teixeiras
Por:
1185 acessos

O benefício foi concedido ao grupo pela Emater/RS-Ascar junto com Associação Comunitária Quilombola dos Teixeiras

Quarenta e quatro famílias de agricultores quilombolas de Mostardas receberam sementes orgânicas disponibilizadas pelo Programa Sementes Banrisul. O benefício foi concedido ao grupo, após o projeto feito e encaminhado pela Emater/RS-Ascar junto com Associação Comunitária Quilombola dos Teixeiras, para o banco. Ao todo são, aproximadamente, R$ 4 mil foram investidos na compra de 15 espécies de sementes da Bionatur. A metade do valor foi direcionado para a compra de sementes de cebola por solicitação dos agricultores.

A entrega das sementes ocorreu em dois momentos, o primeiro ocorreu em 21 de outubro, na Praça Central da cidade, em frente à agência do Banrisul e próxima ao espaço onde é realizada semanalmente uma feira de hortigranjeiros, uma vez que famílias de quilombolas que fazem a feira receberam sementes. O segundo ato foi feito na tarde de 31 de outubro, na sede da Associação Comunitária Quilombola dos Teixeiras, onde 21 agricultores compareceram para receber as sementes.

Prestigiaram os dois atos a equipe da Emater/RS-Ascar de Mostardas, que é composta pelos agrônomos Matias Kraemer e Gustavo Chaves Alves e pela antropóloga Mônica Arnt, o gerente geral do Banrisul da Agência Mostardas, Ricardo Otomar da Silva, o presidente da Associação Comunitária dos Teixeiras, Márcio da Costa Carneiro, representante da Secretaria Municipal de Agricultura e agricultores quilombolas beneficiados.

As sementes serão usadas para o cultivo de alimentos destinados ao autoconsumo e comercialização pelos dois grupos de feirantes que integram o público beneficiado. Segundo Mônica, dez famílias de agricultores são beneficiárias do Plano Brasil Sem Miséria e do Programa de Inclusão Social e Produtiva e alguns já fornecem alimentos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). "Assim as sementes vêm a auxiliar na qualificação e ampliação tanto da diversidade de alimentos para o consumo familiar, quanto para a venda aos consumidores", destaca a antropóloga.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink