Setor sucroalcooleiro continua balançando na corda do mercado
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)


Agronegócio

Setor sucroalcooleiro continua balançando na corda do mercado

Açúcar me baixa, margens de etanol e açúcar se igualando, endividamento do setor, produção abaixo do esperado. Algumas das questões que assombram o setor
Por:
819 acessos
A Archer Consulting – empresa especializada em gestão de riscos para commodities agrícolas – acaba de publicar mais um estudo com novas estimativas sobre o setor sucroenergético, estimando que a safra 2012/2013 do Centro-Sul seja de 508 milhões de toneladas, divididos em 32,51 milhões de toneladas de açúcar e 21,2 bilhões de litros de etanol.


O custo de produção do anidro e do hidratado, de acordo com o estudo é de R$ 1,1846 e 1,1372, por litro na usina, respectivamente. Já o mercado de açúcar em NY fechou mais uma semana em baixa.

“A rentabilidade do açúcar, apesar do dólar mais forte em relação ao real, está minguando. Se a usina fizer o NDF do dólar (operação a termo para fixação futura da moeda, oferecida pelos principais bancos financiadores do setor) obteria um retorno médio de 15,5% sobre o custo de produção. Seria uma boa oportunidade”, avalia Arnaldo Correa, gestor de riscos e diretor da Archer Consulting.

Especialistas do mercado afirmam que mesmo com uma safra pequena, a produção de etanol será mais do que suficiente para atender à demanda de etanol e que mais açúcar deverá ser produzido. “Some-se a esse quadro baixista a safra estupenda da Tailândia, a autorização pelo governo indiano de mais exportação por parte daquele país e o mundo pode viver sem o Brasil”, completa Arnaldo.


De acordo com o gestor de riscos, as margens de contribuição do açúcar na exportação e do etanol no mercado interno estão se alinhando. “Isso quer dizer que estamos próximos do nível em que, para as usinas, começa a fazer sentido mudar o mix”, arremata.

Estimativas do mercado dão conta de que o PIB do setor sucroalcooleiro é de R$ 42 bilhões, o mesmo valor do endividamento. “Se fizermos uma conta do custo da dívida e da margem de comercialização necessária para amortizá-la e dar espaço para um crescimento sustentável para os próximos 5-10 anos, a conta não fecha”, conclui Arnaldo.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink