Soja dispara nos EUA com piora do clima
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)

Imagem: FecoAgro RS/Divulgação

MERCADO

Soja dispara nos EUA com piora do clima

Bom volume de vendas de soja e milho americano para a China nesta semana
Por: -Leonardo Gottems
4501 acessos

As cotações da soja e do milho voltaram a subir significativamente hoje na Bolsa de Chicago (CBOT), com a soja mais uma vez liderando o movimento positivo. “Como temos afirmado nos últimos dias, as lavouras americanas de milho nos EUA já estão mais adiantadas, enquanto a soja segue bastante suscetível ao clima nos próximos dias”, aponta a Consultoria ARC Mercosul. 

“E foi do clima a principal notícia positiva aos preços hoje, com atualizações das previsões trazendo uma retração nas chuvas esperadas em Iowa e Illinois nos próximos 10 dias, o que acendeu novamente a ponta compradora em Chicago. Soma-se a isso a confirmação de bom volume de vendas de soja e milho americano para a China nesta semana, o que reforçou o suporte de alta”, apontam os analistas. 

Com Chicago em alta, diz a ARC Mercosul, os preços da soja voltaram a subir no mercado brasileiro, mesmo diante das leves quedas do dólar hoje: “A indústria nacional segue pagando bem acima da paridade de exportação para a pouca soja 2020 que resta, e para as próximas safras o nível de vendas antecipadas é recorde”, afirma a Consultoria. 

CLIMA

Ainda de acordo com a ARC, a atualização do Monitor de Seca do USDA apontou uma piora no quadro de déficit hídrico no Cinturão Agrícola: “O oeste de Iowa continua apresentando a pior situação, com localidades já em condições de seca extrema. Em toda porção norte dos estados de Illinois, Indiana e Ohio e no sul de Michigan, estados do leste do Cinturão, a situação também se agravou, com diversas lavouras passando do estágio de seca leve para moderada”. 

“O que piora o quadro atual foi a redução das chuvas previstas para estas regiões nos próximos 10 dias, mudanças estas apontadas hoje pelas atualizações dos principais modelos climáticos. A corrente de umidade empurrada pelo Furação Laura deve ficar concentrada ao sul do Cinturão, não chegando portanto nas principais regiões produtoras do país”, concluem os analistas.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink