Soja vale menos no Porto de Paranaguá (PR)
CI
Agronegócio

Soja vale menos no Porto de Paranaguá (PR)

Por:

A soja exportada pelo Porto de Paranaguá está valendo menos do que o grão exportado pelo porto de Rio Grande, no município de Rio Grande (RS). A constatação é dos agentes de mercado que são unânimes em dizer que pela primeira vez em muitos anos o prêmio pago pela soja escoada por Paranaguá é menor em relação ao porto gaúcho, ao contrário do que acontecia tradicionalmente quando as cotações de soja no porto paranaense sempre foram maiores.

O prêmio representa o interesse do exportador por determinado porto. Com medo de estrangulamento na logística, as grandes traders exportadoras de soja estão preferindo exportar o grão pelo porto gaúcho. De acordo com o analista de mercado Flávio França Júnior, da agência Safras e Mercados, de Curitiba, as traders temem demora nos embarques de soja pelo porto paranaense em decorrência de análises de soja transgênica e filas no porto. Cada navio esperando no porto para embarcar custa cerca de US$ 20 mil por dia, disse a assessora da Federação da Agricultura do Paraná (Faep), Gilda Borges.

Conforme o meio pregão da tarde de ontem, antes do encerramento do mercado, a saca de soja estava cotada em R$ 50,50 em Paranaguá e R$ 52 no porto de Rio Grande. A diferença ainda não é expressiva pela falta de negócios nos dois portos porque a safra ainda não começou, disse França Júnior. ""Mas a medida que intensifica o escoamento da safra o prêmio pago em Paranaguá pode ficar ainda menor pelo interesse dos exportadores por outros portos.""

O prêmio pago em Paranaguá está em US$ 1,30 por bushell (medida equivalente a 27,216 quilos de soja) abaixo da cotação da bolsa de Chicago (EUA). Normalmente nessa época do ano, de início de safra, o prêmio deveria ser de apenas US$ 0,10 por bushell abaixo de Chicago, comparou o analista.""O prêmio atual representa uma diferença de US$ 0,60 por tonelada em relação à cotação da soja norte-americana, o que não é pouco"", observou.

Para França Júnior, o maior prejudicado é o produtor paranaense que recebe um deságio maior pelo produto que está entregando. ""Inclusive por ironia o deságio é maior do que a soja gaúcha que comprovadamente é transgênica"", afirmou.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink