Sudoeste da Bahia inicia colheita de algodão
CI
Imagem: Pixabay
CAMPO

Sudoeste da Bahia inicia colheita de algodão

Conclusão do ciclo veio um pouco antes do esperado
Por: -Aline Merladete

A colheitadeiras de algodão já começaram a trabalhar nas lavouras da região Sudoeste da Bahia. A conclusão do ciclo veio um pouco antes do esperado, pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), graças ao clima. As chuvas ajudaram no desenvolvimento da safra e pararam antes do esperado, favorecendo o início da colheita. O Sudoeste do estado responde por 5,94 mil hectares, do total de 307,65 mil ocupados por este cultivo na Bahia. A associação acredita que tanto produção quanto produtividade serão boas na safra 2021/2022.

Conforme os dados que foram divulgados pela Abapa, no passado, o Sudoeste foi o grande polo produtor de algodão na Bahia, mas o posto foi perdido para o Oeste, onde se concentra o bioma do cerrado na Bahia. Na primeira, prevalece o cultivo pelos pequenos produtores, enquanto a segunda é marcada pela agricultura de porte empresarial. A  soma da produção dos dois pólos faz do estado o segundo maior produtor de algodão no Brasil. De acordo com o presidente da Abapa, Luiz Carlos Bergamaschi, a manutenção e o fortalecimento da cotonicultura na região Sudoeste, que concentra municípios tradicionais como Guanambi e os situados no Vale do Iuiú, é uma das prioridades da Abapa.

“Através de programas de apoio aos pequenos produtores, lá disponibilizamos tecnologia e orientação técnica e monitoramento, que têm sido essenciais para o incremento da produtividade nas lavouras regionais. O maior exemplo disso é a distribuição de kits de irrigação para as famílias de produtores, que garantem a segurança hídrica para a safra”, explica. O coordenador do Programa Fitossanitário da Abapa, Antonio Carlos Araújo, acrescenta que todos os municípios desta zona geográfica estão cobertos pela orientação técnica e monitoramento conferidos pela entidade, no escopo do programa e seus 18 núcleos estaduais.

“Acompanhamos muito de perto o desenvolvimento da lavoura e monitoramos a ocorrência de pragas. Na safra que começa a ser colhida os índices de pragas, como o bicudo-do-algodoeiro, e doenças estão baixos, e podemos antever que será um ciclo bom para a região”, conclui Araújo.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.