SuperN®PRO com a nova tecnologia Duromide para inibição de urease
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,684 (0,11%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (1,55%)

Imagem: Divulgação

TECNOLOGIA

SuperN®PRO com a nova tecnologia Duromide para inibição de urease

A ciência aplicada para aumento da eficiência na adubação nitrogenada
Por:
14675 acessos

A busca dos pesquisadores por soluções para o aumento de produtividade no campo expandiu a fronteira da ciência com a tecnologia de inibição de urease Duromide, presente na nova geração do fertilizante SuperN®PRO.

A nova molécula contribui para superar um imenso desafio na adubação nitrogenada: a redução das perdas por volatilização de amônia. O processo ocorre porque a ureia, fonte de nitrogênio mais utilizada pelas lavouras do Brasil e no mundo, não é absorvida diretamente pelas raízes das plantas, precisando antes ser quebrada, passando por um processo de transformação conhecido como hidrólise da ureia.

Essa transformação consiste na conversão da ureia em amônio, reação facilitada pela enzima urease, um catalisador, na presença de umidade.

Produzida pelas plantas e por microorganismos, a urease é uma enzima que está presente em todos os solos. Seu contato com a ureia acelera o tempo de transformação em milhares de vezes, causando aumento abruto de pH ao redor dos grânulos, desta forma, favorecendo a transformação da ureia em amônia, que é volatilizada, ao invés do íon amônio, que permanece no solo.
    
Como atualmente os plantios são feitos, cada vez mais, sobre os resíduos culturais da safra anterior (palhada) e com grande quantidade de urease no solo, se acelera o processo de conversão em amônia, potencializando as perdas.

O fertilizante SuperN®PRO, com sua inovadora tecnologia Duromide, propicia proteção muito eficiente contra a urease, maximizando a manutenção do suprimento de nitrogênio no solo e consequente aproveitamento pelas plantas.   

Quanto se perde no sistema convencional?

A intensidade das perdas depende de muitos fatores como: tipo de solo, umidade, ocorrência de chuvas, temperatura, vento, pH do solo, presença de palhada, etc., mas, em média, 40% do nitrogênio aplicado como ureia é desperdiçado pela volatilização de amônia, com enormes prejuízos para os produtores. Além do investimento no fertilizante ser literalmente “evaporado”, a planta deixa de receber a quantidade correta do nutriente, com reflexos extremamente negativos na produtividade da lavoura. 

Quais as alternativas para correto fornecimento de N via ureia?

 O produtor pode utilizar diversas estratégias para minimizar as perdas como:
a) Incorporação da ureia em sulcos mais profundos que 10 cm.
b) Aplicação antes de uma chuva com mais de 20 mm em um período de 48 horas.
c) Uso de inibidores de urease.

Devemos nos atentar que para no cenário “a”, incorporação da ureia, haverá aumento de tempo e custo operacional e no cenário “b”, aplicação anterior a chuva, faz com que o produtor dependa das condições meteorológicas logo após a aplicação, fator que não está sob seu controle e uma vez que as perdas mais acentuadas ocorrem nos primeiros dias após a aplicação de ureia sem estabilizadores, não é uma opção segura.

Outra opção de fornecimento que alia segurança no fornecimento de N e, também, não onera a eficiência operacional e custos são os inibidores de urease, que permitem a aplicação em cobertura independente da meteorologia.

Poderiam ser usadas outras fontes além da ureia?  

Sim, os fertilizantes, por exemplo, à base de nitrato de amônio, que não sofrem perdas por volatilização. Tais produtos, contudo, apresentam algumas desvantagens em relação a Ureia tais como: menor concentração (teor) de nitrogênio, maior higroscopicidade, maior potencial de empedramento e geração de pó. Tais características dificultam a sua utilização resultando em aplicações desuniformes, comprometendo a correta distribuição do Nitrogênio na lavoura. Além disto, estão mais sujeitos a perdas através de um outro processo, a lixiviação, que é a percolação dos nutrientes no solo.

Em relação aos pontos citados acima, temos a ureia como excelente fonte de N, sendo mais concentrada (46% de nitrogênio), muito mais fácil e segura de manusear e reconhecida como uma excelente escolha, desde que haja controle de suas perdas. 

Como funciona a tecnologia Duromide?

Solução avançada para o campo, o inibidor de urease Duromide maximiza a eficiência do nitrogênio, faça chuva ou faça sol. O produto é um aditivo incorporado ao grânulo de ureia que, ao atingir a superfície do solo, se liga às moléculas de urease reduzindo a velocidade da reação de hidrólise. Assim, a ureia se converte lentamente em amônio, sem mudança brusca de pH, evitando a produção da amônia. O nitrogênio então se mantém disponível para a planta, garantindo o aproveitamento dos nutrientes e maior potencial produtivo.

Há mais de 20 anos no mercado, os inibidores de urease são uma tecnologia consagrada no cenário mundial. No Brasil, o Grupo Fertipar foi pioneiro ao lançar o Agrotain - SuperN®, inibidor de urease da Koch, o produto mais consolidado em cenário mundial. Sua fórmula tem como base o princípio ativo n-butil-tiofosfórico triamida, mais conhecido como NBPT.

Duromide representa um novo salto tecnológico em inibição de urease, desenvolvido e patenteado pela Koch, supera o NBPT em estabilidade, protegendo a ureia por um tempo prolongado, nos mais variados tipos de solo. Segundo estudos científicos, sua ação reduz as perdas em 25%, em média, na comparação com a tecnologia anterior, à base de NBPT.

SuperN®PRO incorpora o inibidor Duromide em sua fórmula, levando ao mesmo tempo o nitrogênio que a planta precisa e a tecnologia para a proteção desse nutriente. E nessa fábrica a céu aberto, que é a natureza, permite ao produtor aplicar o produto na hora em que a planta precisa, sem depender da meteorologia, nas diferentes condições de nosso país. 

Produtividade reconhecida pela ciência

Testado em diversas universidades e instituições de pesquisa renomadas com excelentes resultados e comprovado na prática por vários produtores nacionais, SuperN®PRO é indicado para todas as culturas que utilizam fertilizantes nitrogenados como: cana de açúcar, milho, café, trigo, arroz, pastagens, algodão, hortifruti, feijão e florestas.

Em relação à ureia sem tratamento, os resultados mostram que as perdas por volatilização são reduzidas em 50% ou até mais.

Com uma quantidade maior de nitrogênio no solo, a planta fica bem nutrida e mais produtiva ao ser adubada com SuperN®PRO em comparação com a ureia sem tratamento, alcançando diferenças de produtividade muito significativas em áreas responsivas à adubação nitrogenada. Experimentos realizados em milho, pastagem e arroz demonstraram esses resultados.
    
 Parceria global para os campos do Brasil

SuperN®PRO é distribuído com exclusividade no Brasil pelas empresas do Grupo Fertipar, que importam o aditivo da empresa Koch e, em suas fábricas, agregam o inibidor Duromide à ureia em Unidades de Mistura, através de um processo controlado.

O sistema de manuseio e armazenamento do SuperN®PRO é o mesmo utilizado na ureia, mantendo ainda o alto teor de nitrogênio (46%).

O Grupo Fertipar está presente em todo o país. São 12 empresas que atuam nas principais regiões agrícolas brasileiras, oferecendo soluções inovadoras e inteligentes para o agronegócio, com respeito ao meio ambiente e a ciência.

SuperN®PRO faz parte do portfólio de todas as empresas do grupo, que incentivam quem produz e trabalham ao seu lado.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink