Tecnologias se tornam aliadas no combate ao abigeato no Rio Grande do Sul
CI
Imagem: Pixabay
EVENTO

Tecnologias se tornam aliadas no combate ao abigeato no Rio Grande do Sul

Evento virtual debateu como estas ferramentas podem auxiliar os policiais nas ações contra criminosos no campo
Por:

O combate ao Abigeato no Rio Grande do Sul foi debatido nesta quarta-feira, 16 de março, durante o evento virtual Charla de Pecuária transmitido pelo canal do Instituto Desenvolve Pecuária no YouTube. Abordaram o tema Luís Felipe Barros, presidente da entidade, João Francisco Wolf, presidente da Federação Brasileira das Associações dos Criadores de Animais de Raça (Febrac), Patrício Antunes, vereador de Dom Pedrito (RS), e a produtora rural Antônia Scalzilli.

O AbigeApp, primeira ferramenta tecnológica utilizada para o combate ao abigeato, foi um dos principais pontos abordados no debate. O vereador de Dom Pedrito (RS), inspetor Patrício Antunes, destacou que está prestes a ser lançado este aplicativo para celular com o qual os agentes da segurança pública e outros órgãos poderão consultar um banco de dados de marcas e sinais que fará a identificação do verdadeiro proprietário de um animal em caso de suspeita de roubo ou furto. "Aprovamos a lei no ano passado que permite que o município que tenha os dados digitalizados das marcas e sinais vai poder compartilhar com a Polícia Civil, polícias rodoviárias e até fiscais da Secretaria da Agricultura”, explicou. Segundo ele, o aplicativo foi desenvolvido por uma empresa indicada pelo Instituto Desenvolve Pecuária, Be220, e conta com dados da região de Bagé e Dom Pedrito. “Outros municípios se interessaram e até o governo do Estado também quer se somar. E esta ferramenta será um divisor de águas no combate ao abigeato”, concluiu.

Já João Francisco Wolf, presidente da Febrac, colocou a instituição à disposição para levar o maior número possível de prefeitos para conhecerem o aplicativo. “Este app tem que rodar, ser disseminado entre os municípios, chegar à Famurs”, disse. Ele elogiou o prefeito de Dom Pedrito, ao dizer que Mário Augusto Gonçalves é um facilitador e que nem todos os prefeitos são assim. “Dom Pedrito e outros municípios da região deram um passo mais à frente no combate a este tipo de crime”, afirmou.

Em sua fala, Luís Felipe Barros ressaltou a importância desta iniciativa e questionou qual a posição do pecuarista em relação a este crime rural, se é ser vítima ou assumir o protagonismo de combatê-lo. Colocou que o Instituto Desenvolve Pecuária pensou em fazer diferente e foi em busca de alternativas para ajudar nesse enfrentamento. Ressaltou que está levando na semana que vem esta ideia do aplicativo para Goiás e Mato Grosso e já tem reuniões marcadas com as Federações de Agricultura e Pecuária dos dois Estados.

O presidente do Instituto Desenvolve Pecuária destacou, ainda, que está sendo debatida uma nova ferramenta tecnológica de combate ao abigeato que é o rastreamento por GPS em radiofrequência de todos os animais do campo. ”Não será somente uma ferramenta para combater o abigeato, mas também para a administração. Será possível saber se um animal passou de um potreiro para o outro”, colocou, dizendo que ela será entregue até o final deste ano. Barros também informou, em primeira mão, que começará a ser fomentado junto aos produtores rurais que destinem parte do seu ICMS para equipar as Decrabs. “Hoje é possível destinar 5% do ICMS para estas Delegacias Especializadas na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato. Isso é compensação de tributos”, explicou.

Barros também falou sobre algumas outras frentes para fazer este combate. "Vamos ter que brigar para que a Secretaria de Vigilância dos municípios comece a atuar de uma forma mais contundente em relação aos açougues clandestinos. Teremos que postular junto ao poder judiciário para que se mostre mais sensível a esta questão”, pontuou, observando que o produtor rural precisa fazer a sua parte registrando as ocorrências junto à polícia civil.

A produtora rural Antônia Scalzilli lembrou que o PIB do Rio Grande do Sul em 2021 cresceu 10,4% impulsionado pelo agronegócio, em contrapartida se estima que em 2022 ocorra uma queda de 8% devido à estiagem. “A partir disto é possível notar o quanto o agro impacta no PIB estadual. E o que nós queremos é representatividade, é um olhar do estado  para o tamanho desse setor”, enfatizou, colocando que as Decrabs foram uma conquista oriunda de uma força tarefa que passou a investigar com inteligência os crimes rurais, assim como as patrulhas rurais da Brigada Militar que mudam este cenário.

Antônia disse, no entanto, que o Estado não tem um braço tão longo quanto é necessário e, por isso, é preciso ter a inovação. “Precisamos de aplicativos, de entidades, de federações, de startups, olhando para essa lacuna que temos e que nos ajudem a oferecer aquilo que o estado não tem condições. Isso vai ser o diferencial”, afirmou, destacando que o produtor rural tem um papel fundamental nesse processo. "Muitos em um momento de frustração deixaram de fazer a sua parte, deixaram de acreditar que um registro de ocorrência possa fazer diferença. Porém, este registro é que impulsiona a polícia para investigar”, salientou, lembrando também a questão da segurança alimentar. “É muito importante que as pessoas entendam que não é somente o produtor que é lesado, essa carne sem inspeção com a possibilidade de ter vários tipos de doença, vai chegar à mesa da população”, concluiu.

Os participantes da live destacaram um ponto em comum em tom de crítica: a necessidade do Judiciário ser mais sensível às causas do campo e em apoio às forças policiais. As falas foram unânimes ao avaliarem que alguns juízes consideram o crime de abigeato, por se tratar de furto, uma ação de menor poder ofensivo, sem uso da violência, permitindo com que o criminoso retorne mais rapidamente às ruas. A necessidade do produtor rural efetivar o registro policial para fins estatísticos também foi um pedido em uníssono dos painelistas.  
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.