Tocantins tem segundo caso de mormo este ano
CI
Imagem: Divulgação/Adapec
ALERTA

Tocantins tem segundo caso de mormo este ano

Doença que atinge os equídeos não tem cura
Por: -Eliza Maliszewski

O Tocantins segue em estado de alerta para o mormo. Depois de registrar 11 focos em 14 animais em 2020, neste ano já são dois casos confirmados. O último foi confirmado em Taguatinga, na região sudeste o Estado.

Segundo a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), o resultado foi confirmado pelo laboratório oficial do Ministério da Agricultura, pelo médoto Western Blotting,  que é o teste complementar confirmatório. Trata-se de um cavalo de quatro anos.

Diante do resultado a propriedade rural foi interditada e será feita a eliminação do foco, com a eutanásia e posterior destruição da carcaça do animal. Também vai ser realizada a colheita de amostra para investigação sorológica nos demais equídeos daquela unidade e a Adapec fará investigação epidemiológica, incluindo avaliação da movimentação dos equídeos do estabelecimento pelo menos nos últimos 180 dias anteriores à confirmação do caso, com vistas a identificar possíveis vínculos epidemiológicos.

O proprietário já foi orientado sobre as medidas a serem adotadas para descontaminação do ambiente e notificará a ocorrência de mormo às autoridades locais de saúde pública para tomar as providências, uma vez que o mormo é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para o ser humano.

O mormo é uma doença fectocontagiosa causada por bactéria que acomete principalmente os equídeos (asininos, equinos e muares) e não tem tratamento, vacina nem cura. Por isso, o produtor rural deve realizar os exames regularmente, já que a validade é de 60 dias, exigi-los ao comprar um animal e evitar que ele tenha contato direto com outros. Caso um equídeo esteja infectado o produtor rural deve isolá-lo e comunicar imediatamente a Adapec. No manuseio deve ter cuidado redobrado, pois a doença pode ser transmitida ao homem, o recomendado é utilizar luvas e máscaras, e evitar ao máximo que ele tenha contato com outros animais e humanos.


 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink