Transgênicos representam 1/3 do crescimento do PIB
CI
URUGUAI

Transgênicos representam 1/3 do crescimento do PIB

Entre 2004 e 2015 o cultivo de transgênicos fez o PIB do Uruguai crescer 1,7% por ano
Por: -Leonardo Gottems

Uma análise produzida pela empresa de consultoria Seragro para a Câmara Uruguaia de Sementes, mostrou que as culturas geneticamente modificadas (GM) são responsáveis por um terço do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país nos últimos 10 anos. O método utilizado foi dividido em duas etapas de avaliação, a primeira analisou o cenário real, com as culturas transgênicas e a segunda fez projeções de como estaria a situação se os GM não tivessem sido incorporados. 

Considerando os efeitos diretos e indiretos, a consultoria apontou que entre 2004 e 2015 o cultivo de transgênicos fez o PIB do Uruguai crescer 1,7% por ano. O levantamento estimou que o maior impacto positivo ocorreu na produção de milho GM. Enquanto a soja permite um avanço na produção sem exigir muita área, o milho pode ser plantado duas vezes no ano, com isso os agricultores tiveram mais flexibilidade de semeadura durante as safras e conseguiram uma cultura que é muito mais resistente a pragas, com menor custo. 

De acordo com a análise, estima-se que a produção de transgênicos levou à criação até aproximadamente 40.000 novos empregos, representando um ganho de 1,5% no emprego total da economia uruguaia. No entanto, os pesquisadores alertam para um atraso do país em relação aos vizinhos, segundo eles, as mais recentes atualizações do milho e da soja aconteceram apenas em 2011 e 2012, respectivamente. 

"Depois dessa etapa, entramos em um período de quase total ausência de aprovações comerciais, que continua até hoje, enquanto os países da região continuaram a incorporar mais variedades com eventos acumulados, deixando o Uruguai para trás. nos recursos biotecnológicos disponíveis. Isso pode limitar severamente o desempenho do setor nos próximos anos, devido a um" maior atraso relativo na produtividade agrícola ", concluiu o relatório. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink