Agricultura

Tropicalização da agricultura brasileira

Forte investimento em uma agricultura baseada em ciência permitiu ao Brasil progredir no desenvolvimento de sistemas produtivos agropecuários
Por:
190 acessos

Segundo a Embrapa, empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, o forte investimento em uma agricultura baseada em ciência permitiu ao Brasil progredir no desenvolvimento de sistemas produtivos agropecuários, que responderam a contextos, nacionais e internacionais, cada vez mais dinâmicos e competitivos, com indiscutíveis avanços em vários tópicos, como tropicalização de cultivos e criações, diversificação, agregação de valor, produtividade, segurança e qualidade dos alimentos, com velocidade e eficiência superiores àquelas dos tradicionais produtores de alimentos em outras partes do mundo. 

Diversos estudos e análises recentes demonstram que a nossa agricultura passará por transformações substanciais nas próximas décadas. Esses desafios são, sobretudo, tecnológicos, econômicos, sociais e ambientais. Hoje, os produtores brasileiros podem contar com soluções tecnológicas que entendam, de fato, o ecossistema brasileiro e suas particularidades, gerando dados e insights que ajudam no aprimoramento da produção nas lavouras. 

Cada vez mais o Brasil vem se tornando o maior exportador de tecnologias. Nossa agricultura é considerada a mais complexa do que alguns países, o Brasil, tem três safras por ano, clima tropical e a pressão de doenças e de pragas é maior do que nas lavouras americanas e israelenses, por exemplo. 

O agronegócio brasileiro tem passado por uma verdadeira revolução digital. Com soluções que otimizam o trabalho dos produtores e criadores de todas as regiões do país, às agtechs conseguem oferecer a esse público tecnologias capazes de aumentar a produtividade, reduzir custos e, consequentemente, elevar o faturamento.

Seguem abaixo algumas agtechs que vêm trazendo ótimas soluções para a tropicalização da agricultura brasileira e em que devemos ficar de olho nos próximos anos:

Agrosmart

Plataforma de agricultura digital líder na América Latina, ajudando produtores rurais a tomarem melhores decisões no campo e serem mais resiliente às mudanças climáticas. A empresa gera recomendações ao monitorar lavouras por meio de sensores e imagens de satélite, interpretando as necessidades da planta em tempo real em relação a irrigação, doenças e pragas, além conseguir uma economia de 60% no consumo de água, 40% de consumo de energia e até 15% de aumento na produtividade no campo. O uso do sistema permite ter rastreabilidade e sustentabilidade em diversas partes da cadeia de alimentos, desde genética até a indústria, permitindo reduzir custos, economizar água, energia e aumentar a eficiência da produção. 

Gênica

Instalada no AgTech Valley de Piracicaba, desenvolve soluções sustentáveis que desempenham um papel importante no manejo do sistema de produção e que promovem o equilíbrio nutricional, graças à sua filosofia de utilizar plantas com baixas concentrações de aminoácidos livres e açúcares redutores, que atraem um menor número de insetos, praga e patógenos.

Horus

Empresa que oferece soluções em aerolevantamento com drones. Detentora de tecnologias próprias, a empresa também conta com uma plataforma de processamento de imagens, que facilita a experiência dos usuários que já realizam voos com drones e têm dificuldades no processamento dos mapas. 

FastAgro Fisiologia e Nutrição

Fundada em 2009, a Fast Agro é uma empresa focada no desenvolvimento de soluções para a fisiologia das plantas. Com 26 produtos em seu portfólio, a empresa agrega valor na cadeia de produção das culturas de soja, algodão, feijão e milho no cerrado do Brasil, Argentina e Paraguai.

Dentre seu portfólio de sete produtos focados em fisiologia das plantas e mais 19 fertilizantes foliares, destaca-se a atuação do Stay Up, sendo a Fast Agro a pioneira dessa solução no mercado que possui resultados de aumento de produtividade a mais de 7 safras. O produto proporciona um crescimento expressivo, com um maior engalhamento sem causar fito, diminuindo a altura das plantas por meio da redistribuição dos fotoassimilados da haste principal para os ramos laterais, com consequente redução do acamamento e aumento do número de vagens e grãos, impactando positivamente todo seu desenvolvimento.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink