Usina Paisa investe em melhoramento genético visando crescimento

Agronegócio

Usina Paisa investe em melhoramento genético visando crescimento

Com um crescimento de 20% em relação a 2009/2010, a Usina moeu nesta safra 700 mil toneladas de cana-de-açúca
Por: -Joana
1336 acessos
Com um crescimento de 20% em relação à safra 2009/2010, a Usina Paisa, que moeu nesta safra 700 mil toneladas de cana-de-açúcar, pretende ser uma das primeiras unidades industriais de Alagoas a produzir cana própria em tempo recorde. Um estudo do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar (PMGCA) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) está trabalhando três novas variedades que devem entrar em escala comercial em menos de dez anos de estudos.


Plantadas em 2007 as variedades RB 07500, RB 0743 e RB 07201 foram selecionadas para se desenvolverem em solos com características adversas. O município de Penedo está em uma região de sequeiro, de solo muito arenoso com menos de 15% de argila e alta infestação de cupins. De acordo com Antonio Rosário, pesquisador do PMGCA, essas novas variedades são filhas da RB 579, ou seja, apresentam boa resistência e alta produtividade.

“A RB 92579 é considerada hoje a variedade mais produtiva desenvolvida em Alagoas, ela se adapta até em condições adversas como da região da Usina Paisa, por isso fizemos o cruzamento dessa variedade com outras com boa produtividade, características agrícolas e industriais”, frisou Rosário.


O pesquisador analisou que mesmo após sete meses com poucas chuvas, a RB 07500 já apresentava bom diâmetro de folhagem, entrenós sem estresse, e uma aparência excelente. Na estação experimental do PMGCA na Paisa, uma das nove espalhadas pelo Estado, foram reservados 15 hectares para as novas variedades e a expectativa do grupo é antecipar a colheita em escala comercial.

“Estamos fadados a crescer, mas temos que pensar grande e dar passos consolidados. Por isso decidimos investir em variedade da cana. Hoje possuímos uma estrutura diferenciada, estamos investindo em irrigação, em tratos culturais, combatendo principalmente as pragas. Sem esses investimentos não adianta ter uma variedade rentável”, declarou Rômulo Patriota, supervisor agrícola da Paisa.


As informações são da BCCOM Comunicação

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink