Wal-Mart fará auditoria para ter carne com marca própria

Agronegócio

Wal-Mart fará auditoria para ter carne com marca própria

Por:
388 acessos

Depois da suspensão dos contratos com os frigoríficos que atuam no Estado do Pará e abatiam gado criado em área de desmatamento, a rede norte-americana Wal-Mart exigiu que seja instaurado um processo de auditoria independente comandado por firmas como Deloitte Touche Tohmatsu, Ernst & Young, PricewaterhouseCoopers e KPMG no prazo máximo de 30 dias. Assim, forçará grupos como JBS, Marfrig e Bertin a apresentar relatórios auditados sobre a procedência dos produtos vendidos à rede varejista. A medida acontece em meio à decisão da supermercadista de, ainda este ano, reduzir a dependência de fornecedores, seguindo assim os passos do Grupo Pão de Açúcar. Tanto é assim que a rede planeja lançar também uma marca exclusiva na categoria de carnes, depois de fechar contrato com pecuaristas no Estado do Mato Grosso.

De acordo com Héctor Núñez, presidente do Wal-Mart Brasil, o projeto é lançar uma versão do programa Clube dos Produtores que englobe apenas pecuaristas. A iniciativa fomenta o desenvolvimento da agricultura familiar com mais de 4,3 mil fornecedores de frutas, legumes e verduras. "Teremos fazendas fixas no Mato Grosso e parceria com frigoríficos." Em relação ao plano para a nova marca exclusiva, que deverá ser apresentado ao mercado nos próximos meses, Núñez garante que a intenção não é rescindir contrato com os grandes frigoríficos.

Entretanto, a vice-presidente de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade da rede, Daniela De Fiori, afirma que a cadeia tem se aproximado mais das empresas médias neste setor, por meio de incentivos do governo e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A executiva detalha que 12% da carne comprada pelo Wal-Mart eram provenientes de empresas com negócios que figuravam na lista negra do Ministério Púbico Federal, do Greenpeace e do Ministério do Meio Ambiente. "Estamos lidando com muito cuidado com esta suspensão de carne do Pará, para que ela não seja entendida como uma moratória", pondera.

Acordo

Ontem, a terceira maior varejista do País, atrás somente do Grupo Pão de Açúcar e do Carrefour, respectivamente, firmou um "Pacto pela Sustentabilidade" com seus 20 principais fornecedores, entre eles Coca-Cola, Colgate Palmolive, Unilever do Brasil e os frigoríficos JBS, Marfrig e Bertin. Pelo pacto, essas empresas se comprometem a reduzir o tamanho das embalagens e a promover o desenvolvimento das cadeias produtivas, entre outros tópicos.

Na mesma ocasião, a cadeia norte-americana lançou, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, a campanha "Saco é um Saco", que visa a conscientizar o consumidor quanto à utilização deste material e seu descarte correto.

Controle

Ao menos entre as grandes supermercadistas, é uma tendência tomar a frente nas negociações com os produtores, diminuindo a dependência dos frigoríficos. O Pão de Açúcar administra atualmente 35 mil cabeças de gado, distribuídas por quatro fazendas de pecuaristas médios. O intuito é controlar a origem e a qualidade do produto colocado nas gôndolas que leva a assinatura da marca própria Taeq.

"Das 600 unidades operadas pelo grupo, 140 são abastecidas com esta carne. Nesses pontos a marca possui 7% das vendas da categoria, e no próximo ano queremos uma fatia de 10%", detalha Fabiana Farah, coordenadora de carnes e aves do Pão de Açúcar. Quando o programa foi iniciado, há cerca de três anos, dele participavam sete fazendas com sete mil animais.

"Este é um negócio rentável para a companhia, pois as carnes são alinhadas com cortes especiais e com preço semelhante ao praticado pelo mercado", ressalta a coordenadora da área na rede.

A coordenadora explica que o projeto começou depois de uma pesquisa de mercado que identificou a importância da garantia de origem: "Temos compromisso direto com as fazendas, acompanhando 100% do nosso plantel".

Daqui a três anos, a meta é possuir uma média de 120 vacas inseminadas. "Este monitoramento é um fator importante também para a exportação de carne", diz a executiva. Os principais receptores do produto são as redes afiliadas do Casino, varejista francês sócio do Pão de Açúcar.

Procurado, o Carrefour não se pronunciou até o fechamento da edição. A rede tem um sistema de rastreabilidade de alimentos chamado "Garantia de Origem".


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink