Mal do Panamá (Fusarium oxysporum f.sp. cubense)
CI

Mal do Panamá

(Fusarium oxysporum f.sp. cubense)

Culturas Afetadas: Banana

A doença foi constatada no Brasil, em 1930, no município de Piracicaba, estado de São Paulo, onde destruiu cerca de um milhão de pés de banana em apenas 3-4 anos. O patógeno está disseminado em todas as regiões do Brasil e desde que o fungo entrou no país, a banana Maçã, altamente susceptível, tem sido substituída pelas variedades resistentes do subgrupo Cavendish. A raça 4 desse patógeno ainda não existe no Brasil, mas já foi constatada a vulnerabilidade do subgrupo Cavendish a esta raça.

Danos: Até o momento, existe conhecimento de 4 raças, sendo que, para a bananeira, as raças 1, 2 e 4 são as mais importantes. Os sintomas típicos da doença são amarelecimento, murcha, rachadura do feixe de bainhas e quebra do pecíolo.

As folhas mais velhas apresentam amarelecimento, que, posteriormente, também é observado nas folhas jovens. Esse sintoma inicia-se pelos bordos do limbo foliar, que vai evoluindo até atingir a nervura principal. Além do amarelecimento, ocorre também a murcha, levando à quebra do pecíolo junto ao pseudocaule, atribuindo à planta a aparência de guarda-chuva fechado. Nas plantas infectadas, é possível observar o estreitamento do limbo das folhas jovens, engrossamento das nervuras secundárias e necrose do cartucho.

A rachadura do feixe de bainhas junto ao solo é um sintoma típico dessa doença. Internamente ao pseudocaule ou rizoma nota-se a existência de pontuações pardo-avermelhadas e mais externamente ao pseudocaule verifica-se a descoloração vascular, apresentando o centro claro.

Controle: Exceto a raça 4, o grupo AAA, Nanica, Nanicão, Grande Naine e Yangambi são consideradas resistentes. No grupo AAB temos as cultivares Terra, Terrinha, D'Angola e Mysore. A cultivar Ouro da Mata, do grupo AAAB, conhecida como Prata-Maçã, tem se mostrado resistente.

Além da utilização das variedades resistentes, é aconselhável que o agricultor evite as áreas que possuam ocorrência anteriores da doença. As mudas devem ser obtidas de produtores credenciados ou bananais jovens e vigorosos. Outra medida necessária é a limpeza das mudas através do descorticamento, com objetivo de eliminar aquelas que estão doentes. Recomenda-se também a correção do pH próximo à neutralidade, executar o plantio em solos férteis e evitar os solos mal drenados. As vistorias de campo devem ser freqüentes e sempre que detectar alguma planta doente esta deve ser eliminada.

Produto Produto Empresa Ingrediente Ativo
Mertec Mertec Syngenta Tiabendazol
Tecto SC Tecto SC Syngenta Tiabendazol

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.