Bula Able - Sipcam Nichino

Bula Able

CI
Bacillus thuringiensis subespécie Kurstaki, Linhagem EG 2348
2798
Sipcam Nichino

Composição

Bacillus thuringiensis subespécie Kurstaki, Linhagem EG 2348 72 g/L

Classificação

Terrestre
Inseticida biológico
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão concentrada dispersível em óleo (OF)
Ingestão

Abóbora

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Abobrinha

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Agrião

Calda Terrestre Dosagem
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Alface

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Alfafa

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)

Algodão

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Amendoim

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Batata

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Berinjela

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Beterraba

Calda Terrestre Dosagem
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Brócolis

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Café

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Canola

Calda Terrestre Dosagem
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Chicória

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Chuchu

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)

Citros

Calda Terrestre Dosagem
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão)

Coco

Calda Terrestre Dosagem
Brassolis sophorae (Lagarta das palmeiras)

Couve

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Couve-chinesa

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Couve-de-bruxelas

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Couve-flor

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)

Dendê

Calda Terrestre Dosagem
Brassolis sophorae (Lagarta das palmeiras)

Ervilha

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)

Espinafre

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Feijão

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Feijão vagem

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)

Maçã

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Maxixe

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)

Melancia

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)

Melão

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)

Milheto

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Milho

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Morango

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Mostarda

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)

Pepino

Calda Terrestre Dosagem
Diaphania nitidalis (Broca dos frutos)

Pimentão

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Repolho

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)
Plutella xylostella (Traças das crucíferas)

Rúcula

Calda Terrestre Dosagem
Ascia monuste orseis (Lagarta da couve)

Soja

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Sorgo

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Tomate

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)
Tuta absoluta (Traça do tomateiro)

Trigo

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Uva

Calda Terrestre Dosagem
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Bombonas plásticas 0,5, 1, 2, 2,5, 5, 10, 20, 25, 50 L

Frascos plásticos 0,5, 1, 5, 20 L

Tambores plásticos 100 e 200 L

INSTRUÇÕES DE USO

ABLE é um inseticida biológico a base de Bacillus thuringiensis Kurstaki EG2348, específico para controle lagartas (estágio larval de lepidópteros). Após a praga ingerir as toxinas presentes neste produto, ocorre a reação destrutiva das células epiteliais do intestino médio, ocasionando ruptura do tecido e desencadeando o processo de infecção generalizada (septicemia) e morte. O produto deve ser utilizado exclusivamente em aplicações na parte aérea das plantas, sendo necessária a aplicação preventiva em pragas que perfuram os frutos ou formam galerias nas folhas e hastes. No caso de pragas desfolhadoras, a aplicação deverá ser realizada quando a população se encontra em até terceiro instar de desenvolvimento quando for constatado o nível de controle.

O número máximo de aplicações por ciclo da cultura são 3 aplicações. Atentar às boas práticas agrícolas para a melhor performance do produto e preservação da tecnologia.
- Utilizar ABLE de forma preventiva em pragas formadoras de galerias em folhas ou hastes e brocas de frutos.
- Em pragas desfolhadoras, o produto deve ser aplicado quando as larvas estiverem no máximo no terceiro instar de desenvolvimento, quando for constatado o nível de controle.
- As aplicações deverão ser repetidas dentro de um intervalo máximo de sete dias, sendo utilizados volume de calda e equipamento que proporcione gotas de tamanho adequado para uma homogênea cobertura da planta.
- Por ser um produto de contato, em caso de chuva sobre a área recém-tratada, a aplicação deverá ser realizada novamente para evitar falhas de controle.
- Aplicar o produto preferencialmente ao entardecer quando a exposição ao sol é menor e a umidade relativa do ar é superior.
- Alternar o uso de ABLE com outros inseticidas sintéticos registrados para as culturas, além de outras estratégias de manejo integrado de pragas para fins de manejo de resistência.

MODO DE APLICAÇÃO

- O produto deve ser diluído em água limpa e aplicado na forma de pulverização sobre as plantas nas doses recomendadas.
- Em todas as formas de aplicação é importante que haja uma boa cobertura de pulverização nas plantas, quanto maior a planta e seu enfolhamento, maior será o volume de calda necessário para uma eficiente distribuição do produto sobre as folhas e/ou frutos.
- Evitar pulverização nas horas mais quentes do dia, umidade relativa abaixo de 60% e ventos superiores a 10 Km/h.
- Manter o agitador do tanque de pulverização ligado constantemente durante a aplicação.

Volume de calda:
- Hortaliças: Abóbora, Abobrinha, Alface, Agrião, Beterraba, Brócolis, Chicória, Couve, Couve-de-bruxelas, Couve-chinesa, Couve-flor, Chuchu, Ervilha, Espinafre, Feijão-vagem, Maxixe, Melancia, Melão, Morango, Mostarda, Pepino, Pimentão Rúcula: Aplicar de 400 a 800 L/ha.
- Tomate e Batata: 1000 L/ha.
- Arborícolas: Café, Citros, Maçã: Aplicar de 600L/ha a 2000 L/ha.
- Culturas conduzidas em espaldeira: Uva: Aplicar 800 a 1500 L/ha.
- Palmeiras: Coco, Dendê: 4L de calda por planta.
- Oleaginosas e cereais: Alfafa, Amendoim, Algodão, Canola, Feijão, Milho, Milheto, Soja, Sorgo, Trigo: 100 a 200 L/ha

Equipamentos de aplicação:
Para hortaliças, em cultivos protegidos como estufas ou sistema de túneis baixos, sistema semi-hidropônico ou por gotejamento, utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado ou tratorizados, dotados com bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com pressão de trabalho suficiente (60 a 150 libras/pol²) para proporcionar tamanho de gotas adequado (50 a 200 µm) à boa cobertura das plantas, densidade acima de 100 gotas/cm².
Para cultivos arborícolas, utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado, tratorizado ou atomizador, dotados com bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com pressão de trabalho (100 a 150 libras/pol²) suficiente para proporcionar tamanho de gotas (50 a 200 µm) adequado à boa cobertura das plantas, densidade acima de 100 gotas/cm².
Para Culturas conduzidas em latada e/ou espaldeira, utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado, turbo atomizadores ou pulverizadores de pistola com pressão de trabalho suficiente para proporcionar tamanho de gotas entre 50 e 200 µm em densidade maior que 100 gotas/cm².
Para Palmeiras: utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado, turbo atomizadores ou pulverizadores de pistola com pressão de trabalho suficiente para proporcionar tamanho de gotas entre 50 a 200 µm em densidade maior que 100 gotas/cm².
Para Oleaginosas e Cereais: Utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado ou tratorizado, dotados com bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com pressão de trabalho (100 a 150 libras/pol²) suficiente para proporcionar tamanho de gotas (50 a 200 µm) adequado à boa cobertura das plantas, densidade acima de 100 gotas/cm².

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança não determinado devido à natureza biológica do ingrediente ativo.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS ÁREAS TRATADAS

Não entrar na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar na área antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

- Não realizar aplicação sob prenúncio de chuva: a eficiência de controle do produto pode ser comprometida em caso de chuva em até 24 horas após tratamento;
- Aplicar o produto preferencialmente ao entardecer/anoitecer para uma melhor performance;
- O uso do produto está restrito às recomendações da bula: não misturar com outros produtos sob risco de ter sua eficácia prejudicada;
- O produto não é fitotóxico quando utilizado nas doses e condições recomendadas;
- O produto é incompatível em caldas alcalinas (pH > 8,0);
- Armazenar o produto em ambiente seco e fresco. Mantê-lo sempre em sua embalagem original.
- Manter sempre a embalagem fechada quando não estiver em uso.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas (IRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de pragas da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas da praga, no ciclo da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.