Bula Akito

CI
Beta-cipermetrina
1703
UPL

Composição

Beta-Cipermetrina 100 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Inseticida
4 - Produto Pouco Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão

Abacate

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Abacaxi

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Acelga

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Agrião

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Alface

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Algodão

Dosagem Calda Terrestre
Alabama argillacea (Curuquerê) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Anthonomus grandis (Bicudo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Heliothis virescens (Lagarta da maçã) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Pectinophora gossypiella (Lagarta rosada) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Alho

Dosagem Calda Terrestre
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Almeirão

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Anonáceas

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Aveia

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Batata

Dosagem Calda Terrestre
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Brócolis

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Cacau

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Café

Dosagem Calda Terrestre
Leucoptera coffeella (Bicho mineiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Cebola

Dosagem Calda Terrestre
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Centeio

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Cevada

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Chalota

Dosagem Calda Terrestre
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Chicória

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Citros

Dosagem Calda Terrestre
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Couve

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Couve-chinesa

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Couve-de-bruxelas

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Couve-flor

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Cupuaçu

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Espinafre

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Estévia

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Guaraná

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Kiwi

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Mamão

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Manga

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Maracujá

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Melancia

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Melão

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Milheto

Dosagem Calda Terrestre
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Milho

Dosagem Calda Terrestre
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Mostarda

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Repolho

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Romã

Dosagem Calda Terrestre
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Rúcula

Dosagem Calda Terrestre
Brevicoryne brassicae (Pulgão da couve) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Soja

Dosagem Calda Terrestre
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Nezara viridula (Percevejo verde) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Piezodorus guildinii (Percevejo verde pequeno da soja) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Pseudoplusia includens (Lagarta-falsa-medideira) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Sorgo

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Tomate

Dosagem Calda Terrestre
Neoleucinodes elegantalis (Broca pequena do tomateiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tuta absoluta (Traça do tomateiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Triticale

Dosagem Calda Terrestre
Pseudaletia sequax (Lagarta do trigo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Frasco (plástico de polietileno): 0,25; 0,5; 1; 2; 4,5; 5 e 20 L.

Tambor (metálico): 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO

O produto deve ser utilizado de acordo com as recomendações da bula.

MODO DE APLICAÇÃO

Pode ser aplicado com equipamento costal manual, equipamento tratorizado com barra ou aeronaves agrícolas.
A escolha da ponta de pulverização deve ser realizada em função da praga a ser controlada, posição e tipo do alvo, densidade de copa entre outros e deve ser considerada a condição local sempre seguindo as recomendações do fabricante.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

- Velocidade do vento: 2 a 10 km/h.
- UR: 55%.
- Temperatura ideal: 15 a 30°C.
- Evitar efetuar pulverizações em condições de inversões térmicas ou de calmaria total que podem ocorrer cedo do dia, fim de tarde ou após chuvas prolongadas intensas.
- Durante as pulverizações, observar a direção e intensidade dos ventos.

Milheto, Milho e Sorgo

Equipamento tratorizado com barra

Volume de calda de 200-300 L/ha. Utilizar bicos leque série 80.02, 80.03 ou 80.04 ou equivalentes sobre a linha da cultura.

Pulverizador costal manual

O volume de calda a ser aplicado depende da pessoa que executa a operação, uma vez que este equipamento não possui regulador de pressão. A calibração deve ser feita individualmente, a uma velocidade em torno de 1 metro/segundo. A pressão de trabalho varia conforme o ritmo da bomba combinado com a vazão do bico. Deve-se usar bicos leque série 80.02, 80.03 ou 80.04 ou equivalentes sobre a linha da cultura.

Algodão, Soja e Tomate

Equipamento tratorizado com barra

Volume de calda de 200-300 L/ha, produzindo gotas de 100-120 µm e 3050 gotas/cm², a uma velocidade de 3-6 km/hora e pressão de 100-150 lb/pol². Utilizar bicos cônicos tipo JA-1, JD 10-1 ou D2-13. No caso específico do tomate, utilizar um volume de 800 a 1000 litros de calda por hectare.

Pulverizador costal manual

O volume de calda a ser aplicado depende da pessoa que executa a operação, uma vez que este equipamento não possui regulador de pressão. A calibração deve ser feita individualmente, a uma velocidade em torno de 1 metro/segundo. A pressão de trabalho varia conforme o ritmo da bomba combinado com a vazão do bico. Pode-se usar bicos cônicos tipo JA-2 ou JD 14-2 ou similares.

Acelga, Agrião, Alface, Alho, Almeirão, Batata, Brócolis, Cebola, Chalota, Chicória, Couve, Couve-chinesa, Couve-de-bruxelas, Couve-flor, Espinafre, Estévia, Melancia, Melão, Mostarda, Repolho e Rúcula

Equipamento tratorizado com barra

Volume de calda de 500 a 600 L/ha com uma pressão de trabalho de 100150 lb/pol², utilizando bicos cônicos específicos, segundo recomendação dos fabricantes para permitir o volume de calda por ha e uma boa cobertura das plantas.

Pulverizador costal manual

Utilizar pontas da série D, com pressão de trabalho de 40 a 60 lbs/pol² aplicando de 500 a 600 L/ha.

Café

Aplicação com turbo-pulverizadores

Trabalhar com um volume de calda de 400 L/ha utilizando sempre a rotação do motor recomendada pelo fabricante para se obter na tomada de força 540 rpm e maior uniformidade de funcionamento da bomba do pulverizador. Deve-se obter uma deposição mínima de 50 a 60 gotas/cm² e um tamanho de gotas de 100-120 µm.

Pulverizador costal manual

Utilizar pontas da série D ou equivalentes, proporcionando uma boa cobertura sobre as folhas e um volume de calda de 400 L/ha.

Abacate, Abacaxi, Anonácea, Cacau, Citros, Cupuaçu, Guaraná, Kiwi, Mamão, Manga, Maracujá e Romã

Pistolas manuais (sob motorização)

Em função da idade e porte das plantas, trabalhar com um volume de calda de 12 L/planta com uma pressão mínima de trabalho de 80 psi (533 kPa) e máximo de 120 psi (800 kPa).

Turbo-pulverizadores

Trabalhar com pontas de pulverização e pressão de trabalho que permitam uma boa cobertura da planta com uma deposição mínima de 50 a 60 gotas/cm² com um diâmetro de gotas de 100-120 µm.

Aplicação com aeronaves agrícolas

Utilizar bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com a combinação adequada de ponta e difusor (core), para se obter uma deposição mínima de 50 a 60 gotas/cm2 e um diâmetro de gotas entre 100-120 µm e um volume de calda de 40 a 50 L/ha.

Feijão

Equipamento tratorizado com barra

Volume de calda de 300 L/ha, produzindo gotas de 100-120 µm e 30-50 gotas/cm², a uma velocidade de 3-6 km/hora e pressão de 100-150 lb/pol². Utilizar bicos cônicos tipo JA-1, JD 10-1 ou D2-13 ou equivalentes segundo recomendação dos fabricantes.

Pulverizador costal manual

O volume de calda a ser aplicado depende da pessoa que executa a operação, uma vez que este equipamento não possui regulador de pressão. A calibração deve ser feita individualmente, a uma velocidade em torno de 1 metro/segundo. A pressão de trabalho varia conforme o ritmo da bomba combinado com a vazão do bico. Podem-se usar bicos cônicos tipo JA-2 ou JD 14-2 ou similares.

Aplicação com aeronaves agrícolas

Utilizar bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com a combinação adequada de ponta e difusor (core), para se obter uma deposição mínima de 50 a 60 gotas/cm² e um diâmetro de gotas entre 100-120 µm e um volume de calda de 40 a 50 L/ha.

Aveia, Centeio, Cevada, Trigo e Triticale

Equipamento tratorizado com barra

Volume de calda de 300 L/ha, produzindo gotas de 100-120 µm e 30-50 gotas/cm², a uma velocidade de 3-6 km/hora e pressão de 100-150 lb/pol². Utilizar bicos cônicos tipo JA-1, JD 10-1 ou D2-13 ou equivalentes segundo recomendação dos fabricantes.

Abacate, Abacaxi, Anonácea, Aveia, Cacau, Centeio, Cevada, Citros, Cupuaçu, Feijão, Manga, Guaraná, Milheto, Sorgo, Trigo e Triticale

Aplicação com aeronaves agrícolas

Utilizar bicos de jato cônico vazio da série D ou similar, com a combinação adequada de ponta e difusor (core), para se obter uma deposição mínima de 50 a 60 gotas/cm², um diâmetro de gotas entre 100-120 µm e um volume de calda de 40 a 50 L/ha.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

A reentrada de pessoas na cultura só deve ser permitida após a completa secagem da calda de pulverização aplicada (24 horas). Caso seja necessária a reentrada antes desse período, é obrigatório utilizar os mesmos equipamentos de proteção individual (EPI’s) usados durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

- Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

GRUPO 3A INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. O inseticida pertence ao grupo 3A (Moduladores de canais de sódio – Piretroides) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas. Para manter a eficácia e longevidade do produto como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência. Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
- Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 3A. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
- Usar deste ou outro de produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
- Aplicações sucessivas podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo.
- Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico deste produto, o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico Piretroides não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula.
- Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização deste ou de outros produtos do Grupo 3A quando for necessário;
- Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
- Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
- Utilizar as recomendações da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRACBR (www.irac-br.org), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.