Bula Azoxistrobina CCAB 250 SC - CCAB Agro

Bula Azoxistrobina CCAB 250 SC

acessos
Azoxistrobina
30318
CCAB Agro

Composição

Azoxistrobina 250 g/L Estrobilurina

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ramularia
(Ramularia areola)
200 mL p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas a três aplicações, conforme a intensidade da doença, em intervalos de 14 dias 30 dias Aplicar preferencialmente de maneira preventiva
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Brusone
(Pyricularia grisea)
400 mL p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas a três aplicações, conforme a intensidade da doença, em intervalos de 10 a 14 dias 30 dias Aplicar preferencialmente de maneira preventiva
Mancha parda
(Bipolaris oryzae)
400 mL p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas a três aplicações, conforme a intensidade da doença, em intervalos de 14 a 21 dias 30 dias Aplicar preferencialmente de maneira preventiva
Aveia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ferrugem da folha
(Puccinia coronata var. avenae)
200 a 300 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas a três aplicações, conforme a intensidade da doença, em intervalos de 14 a 21 dias 20 dias Aplicar preferencialmente de maneira preventiva ou aplicar também nos iniciais de infecção (no máximo 5%). Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Banana Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mal da sigatoka
(Mycosphaerella musicola)
200 a 400 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 20 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo quatro aplicações, em intervalos de 30 dias 7 dias Aplicar preventivamente durante todo o período de potencial desenvolvimento da Sigatoka-amarela na bananeira. Visando o manejo de resistência, é recomendado que as aplicações deste fungicida seja feita de forma intercalada com fungicidas de outros grupos químicos e modo de ação, como chlorothalonil, triazóis e benzimidazóis. A dose mais baixa pode ser usada quando as condições climáticas forem desfavoráveis ao desenvolvimento da doença, ou seja em regiões onde a pressão da doença seja mais baixa. Na aplicação aérea usar 15 L de água, adicionando 5 L de óleo e 1,0% de espalhante adesivo
Cevada Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha angular
(Drechslera teres)
200 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas a três aplicações, conforme a intensidade da doença, em intervalos de 14 a 21 dias 20 dias Aplicar preferencialmente de maneira preventiva ou aplicar também nos iniciais de infecção (no máximo 5%). Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha parda
(Septoria glycines)
200 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas aplicações por ciclo da cultura, em intervalos de 14 a 21 dias. Uma aplicação pode ser suficiente em variedades de soja com maior tolerância ou menor susceptibilidade às doenças ou quando as condições climáticas não forem favoráveis ao desenvolvimento da doença 21 dias Aplicar preventivamente entre os estádios R5 e R5.5. Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
200 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar de duas aplicações por ciclo da cultura, em intervalos de 14 a 21 dias. Uma aplicação pode ser suficiente em variedades de soja com maior tolerância ou menor susceptibilidade às doenças ou quando as condições climáticas não forem favoráveis ao desenvolvimento da doença 21 dias Aplicar preventivamente entre os estádios R5 e R5.5. Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ferrugem da folha
(Puccinia triticina)
200 a 400 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações por ciclo da cultura, em intervalos de 14 a 21 dias 30 dias Aplicar nos estádios iniciais de infecção (traços a 5%) das doenças foliares do trigo. As doses menores devem ser escolhidas para uso no controle de doenças foliares em variedades de trigo com comprovada tolerância ou menor susceptibilidade às doenças. Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Mancha amarela
(Drechslera tritici-repentis)
200 a 400 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações por ciclo da cultura, em intervalos de 14 a 21 dias 30 dias Aplicar nos estádios iniciais de infecção (traços a 5%) das doenças foliares do trigo. As doses menores devem ser escolhidas para uso no controle de doenças foliares em variedades de trigo com comprovada tolerância ou menor susceptibilidade às doenças. Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação
Mancha marrom
(Bipolaris sorokiniana)
200 a 400 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações por ciclo da cultura, em intervalos de 14 a 21 dias 30 dias Aplicar nos estádios iniciais de infecção (traços a 5%) das doenças foliares do trigo. As doses menores devem ser escolhidas para uso no controle de doenças foliares em variedades de trigo com comprovada tolerância ou menor susceptibilidade às doenças. Usar adjuvante específico a 0,5% do volume de calda de aplicação

0,05; 0,07; 0,1; 0,2; 0,25; 0,35; 0,5; 0,6; 0,8; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0; 10; 15; 20; 50; 100; 200; 250; 300; 400; 500; 600; 700; 800; 900; 945; 1000; 1100; 1200; 1300; 1400; 1500; 1600; 1700; 1800; 1900; 2000; 2500; 3000; 3500; 4000; 4500; 5000; 6000; 7000; 8000; 9000; 10000; 15000; 20000 Litros

MODO DE APLICAÇÃO:

AZOXISTROBINA CCAB 250 SC deve ser aplicado nas dosagens recomendadas, diluído em água para as culturas de Trigo, Soja, Aveia, Cevada, Algodão, Arroz e Banana; para a cultura da banana, onde são comuns as aplicações aéreas com óleo, AZOXISTROBINA CCAB 250 SC deve ser aplicado em água + óleo + emulsificante.

APLICAÇÃO TERRESTRE

Diluir o produto em 100 a 200 L de água/ha para Trigo, Aveia, Banana, Cevada e Soja; 200 L de água/ha para Arroz e 200 a 300 L de água/ha para Algodão. Utilizar pulverizador tratorizado de barra, equipado com bicos apropriados para a aplicação de fungicidas. Recomenda-se aplicar com temperatura inferior a 27ºC, umidade relativa acima de 60% e ventos de no máximo 15 km/hora. Se utilizar outro tipo de equipamento, procurar obter uma cobertura uniforme na parte aérea da cultura.

APLICAÇÃO AÉREA

Utilizar barra com um volume de 30 a 40 L de calda/ha para Trigo, Aveia, Cevada, Arroz, Algodão e Soja e 20 L de calda/ha para Banana (15 L de água + 5 L de óleo + 1,0% de espalhante adesivo) e altura de vôo de 2 a 3 metros. Usar bicos apropriados para esse tipo de aplicação como por exemplo, cônicos D6 e D12 e disco “core” inferior a 45. O diâmetro de gotas deve ser ajustado para cada volume de aplicação em L/ha para proporcionar a cobertura adequada e a densidade de gotas desejada. Recomendam-se velocidade de vento entre 3 a 15 km/h, temperatura de até 27°C e umidade relativa superior a 60%, evitando horários com evapotranspiração alta ou formação de corrente convectiva, para reduzir ao mínimo as perdas por deriva ou evaporação.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
ALGODÃO 30 dias
ARROZ 30 dias
AVEIA 20 dias
BANANA 7 dias
CEVADA 20 dias
SOJA 21 dias
TRIGO 30 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÃO DE USO:

Fitotoxicidade para as culturas indicadas: Desde que sejam seguidas as recomendações de uso, não ocorre fitotoxicidade para as culturas.

Outras restrições a serem observadas:

Não há.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:

Utilize equipamento de proteção individual – EPI: macacão com tratamento hidrorepelente com mangas compridas passando por cima dos punhos das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro combinado (filtro químico contravapores orgânicos e filtro mecânico classe P2/ ou P3 quando necessário); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo.
Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
• Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo C3 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas; • Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC - BR: www.frac -br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO C3 FUNGICIDA

O produto fungicida Azoxistrobina CCAB 250 SC é composto por Azoxistrobina que apresenta mecanismo de ação dos Inibidores do complexo III: Citocromo bcl (ubiquinol oxidase) no sitio Qo, pertencente ao Grupo C3, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).