Bula Boreal

CI
Abamectina
24918
TradeCorp

Composição

Abamectina 18 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Acaricida, Inseticida, Nematicida
3 - Produto Moderadamente Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão

Algodão

Dosagem Calda Terrestre
Alabama argillacea (Curuquerê) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Alho

Dosagem
Ditylenchus dipsaci (Nematóide-do-alho) ( veja aqui )

Batata

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phthorimaea operculella (Traça da batatinha) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Café

Dosagem Calda Terrestre
Brevipalpus phoenicis (Ácaro da leprose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Leucoptera coffeella (Bicho mineiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Oligonychus ilicis (Ácaro vermelho) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Citros

Dosagem Calda Terrestre
Phyllocnistis citrella (Minadora da folhas) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phyllocoptruta oleivora (Ácaro da falsa ferrugem) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Polyphagotarsonemus latus (Ácaro branco) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Coco

Dosagem Calda Terrestre
Eriophyes guerreronis (Ácaro da necrose do coqueiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Crisântemo

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Polyphagotarsonemus latus (Ácaro branco) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão vagem

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Figo

Dosagem Calda Terrestre
Azochis gripusalis (Broca da figueira) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Maçã

Dosagem Calda Terrestre
Panonychus ulmi (Ácaro da macieira ) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Mamão

Dosagem Calda Terrestre
Polyphagotarsonemus latus (Ácaro branco) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Manga

Dosagem Calda Terrestre
Pinnaspis aspidistrae (Cochonilha escama farinha) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Melancia

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Melão

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Morango

Dosagem Calda Terrestre
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Pepino

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Pêssego

Dosagem Calda Terrestre
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Tomate

Dosagem Calda Terrestre
Liriomyza trifolii (Larva minadora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phthorimaea operculella (Traça da batatinha) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Tuta absoluta (Traça do tomateiro) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Uva

Dosagem Calda Terrestre
Tetranychus urticae (Ácaro rajado) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Tipo: Frasco.
Material: Plástico.
Capacidade: 0,25; 1,0; 4,0; 5,0 L.

INSTRUÇÃO DE USO

ATENÇÃO

Durante 10 dias antes e 10 dias após a aplicação, não devem ser usados produtos que contenham Captan, Folpet ou Enxofre.

MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

Aplicação terrestre

BOREAL pode ser aplicado em pulverizações com equipamento manual ou motorizado, costal, estacionário ou tratorizado. Em qualquer dos casos, é importante que haja uma total cobertura da parte aérea da planta. Para o controle de ácaros e insetos, devem ser utilizados os bicos cônicos. Quando o modelo de bicos, a distancia entre eles e a preparação a ser utilizada, seguir a tabela dos fabricantes, a fim de obter a melhor densidade de gotas.

Algodão: Volume de calda: 100 a 150 L/ha Tipo de bico recomendado: Twinjet ou leque XR Espaçamento entre bicos: 50 cm Pressão de operação: 60 a 80 psi Cobertura na folha: 20 a 30 gotas/cm² Diâmetro de gotas: 200 a 400 µm.
Para outras culturas: aplicar o volume de calda suficiente para uma completa cobertura da parte interna e externa da planta, utilizando a tabela do fabricante, para a regulagem correta do equipamento. Evite escorrimento.

Café: aplicação dirigida à folhagem, de modo a se obter uma boa cobertura. Para bicho mineiro é importante pulverizar somente nos períodos de plena vegetação, aplicando sobre as folhas novas. A pré-mistura com óleo é fundamental para garantir a eficácia do produto. Para ácaro-daleprose utilizar o volume de calda de 1.000 L/ha, objetivando uma boa cobertura das plantas. Havendo já a presença de ácaros, recomenda-se pulverizar logo após a colheita, quando a planta oferece melhores condições de penetração das gotas de pulverização. Para ácaro-vermelho, iniciar o tratamento quando for constatada a presença de ácaros, antes dos sintomas de bronzeamento aparecerem nas folhas. Aplicação em bandeja (antes do transplante): utilizar volume de calda de 0,5 L/m³, suficiente para dar uma boa cobertura, sem escorrimento. Irrigar levemente com água, logo após a aplicação do produto.
Aplicação via esguicho no solo (pós tratamento): utilizar pulverizador costal e fazer aplicação na superfície do solo, ao redor das plantas, de modo a cobrir a zona do sistema radicular. Utilizar volume de calda de 50 a 100 mL/planta. Irrigar logo após a aplicação do produto ou aplicar no solo úmido.

Aplicação Aérea

Algodão:
- Volume de aplicação: 20 a 50 Litros/ha para aplicação baixo volume (BV) com água. 2 a 5 litros/ha para a aplicação ultra baixo volume (UBV) c/ óleo.
- Largura da faixa de aplicação: Para aplicação UBV: 20m. Para aplicação BV: 15 m.
- Diâmetro de gotas: Aplicação UBV: 150 a 200 micra. Aplicação BV: 200 a 400 micra.
- Cobertura ou densidade das gotas: 20 a 30 gotas/cm², para aplicação UBV ou BV.
- Tipos de bico: bico cônico vazio da série “D” com difusor 45° para aplicação UVB e 65° para aplicação VB.
Observação: diâmetro de orifício dos bicos deverá ser selecionado de acordo com a vazão exigida na calibração, conforme a velocidade de vôo, volume e largura da faixa utilizada.

Citros: Devido à arquitetura da planta, que dificulta uma distribuição uniforme do produto em toda a copa, é muito importante seguir rigorosamente os seguintes parâmetros:
Aplicação de baixo volume (BV) com água mais 1% de óleo* - 20 a 50 L/ha
ou
Aplicação UBV com óleo vegetal ou mineral (sem água) - 5 L/ha
Diâmetro de gotas (DMV): - BV em torno de 200 a 300 µm
UBV em torno de 150 a 200 µm
Cobertura no alvo de: 30 a 40 gotas/cm²
Largura da faixa de aplicação: - 12m
Altura de vôo acima da copa: - 2m
Velocidade do vento calmo: - abaixo de 10 km/h
Umidade relativa do ar: - acima de 55%

*Fazer uma pré-mistura de óleo e BOREAL; agitar vigorosamente e depois acrescentara água.

Equipamentos e bico de pulverização: Pode ser utilizado barra com 37 bicos cônico vazio ou com 08 atomizadores rotativos do tipo “Micronair” AU-5.000, devendo-se ajustar cada tipo de equipamento utilizado adequadamente conforme segue:
1. Para aplicação BV com volume entre 20 a 50 L/ha: - Bico cônico vazio D8/45, D10/45, posicionado a 90°, ou - “Micronair” AU-5.000 com ângulo das pás de hélice ajustados à 65° Observação: O tamanho do furo dos bicos ou VRU deverá ser escolhido de acordo com o volume de calda e da velocidade da aeronave.
2. Para aplicação UBV a 5 L/ha: - Utilizar atomizador rotativo “Micronair” AU-5.000, 8 unidades com ângulos das pás de hélice ajustados em 45° e selecionar o furo nº. 7 no VRU com pressão de 15 psi ou o furo nº. 5 Com pressão de 22 psi. - Pode-se utilizar também a barra com bicos hidráulicos usando 20 bicos cônico vazio D4/25 ou D3/45 posicionados a 90°.
Nota:
1) Para o controle de ácaros, não recomendamos UBV, devendo aplicar um volume acima de 30 L/ha.
2) quando a aplicação for a baixo volume, com o produto diluído em água, não aplicar com umidade relativa do ar inferior a 55%.
3) Velocidade do vento: entre 3 a 15 km/h (vento calmo).

INTERVALO DE SEGURANÇA

Algodão, pêssego: 21 dias
Alho: Não determinado devido à modalidade de emprego.
Batata, café, coco, feijão, maçã, mamão: 14 dias
Citros, figo, manga, melancia, melão: 07 dias
Crisântemo: Uso não alimentar
Feijão-Vagem: 04 dias
Morango, pepino, tomate: 03 dias
Uva: 28 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entrar nas áreas tratadas sem o equipamento de proteção individual por um período de aproximadamente 24 horas ou até que a calda pulverizada nas plantas esteja seca. Caso seja necessária a reentrada na lavoura antes desse período, é necessário utilizar aqueles mesmos equipamentos de proteção individual usados durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Outras restrições a serem observadas: - A calda deve ser aplicada no mesmo dia da preparação. Não deixar a calda de um dia para o outro. - Mantenha a calda em agitação, no tanque de pulverização.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

GRUPO: 6 - INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência.
O inseticida BOREAL pertence ao grupo 6 (Moduladores alostéricos de canais de cloro mediadps pelo glutamato) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas.
Para manter a eficácia e longevidade do BOREAL como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
• Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 6. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
• Usar BOREAL ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
• Aplicações sucessivas de BOREAL podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo.
• Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico do BOREAL, o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico dos 6 não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula.
• Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do BOREAL ou outros produtos do Grupo 6 quando for necessário;
• Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
• Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.