Bula Cupuran 500 PM - Mitsui
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)

Bula Cupuran 500 PM

Oxicloreto de cobre
898
Mitsui

Composição

Oxicloreto de cobre 840 g/kg
Equivalente em cobre metálico 500 g/kg

Classificação

Terrestre
Fungicida, Bactericida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Embalagens: 1, 2 e 4 quilos do produto são embalados em caixas de papelão ou sacos plásticos, multifoliado 25 quilos do produto são embalados em sacos de papel multifoliado com filme plástico.

INSTRUÇÕES DE USO

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Sempre que as condições climáticas se fize em favoráveis ao desenvolvimento de fungos. Efetuar o tratamento sempre no início do aparecimento das doenças. Em condições normais, de cada 10 a 15 dias. Em caso de chuva após o tratamento, repetir a apricação.

BATATA: Iniciar as pulverizações quando as plantas tiverem 15 cm de altura. Repetir a intervalos de 7 a 10 dias. CAFÉ: efetuar de 3 a 5 pulverizações com intervalos de 30 dias em média, de dezembro a abril. Em viveiros, pulverizações quinzenais.

CITRUS: Pulverizar antes e depois da florada. Volume de calda de 1.000 a 2.000 L/ha.

TOMATE: Iniciar as pulverizações no aparecimento dos primeiros sintomas. Repetir a intervalos de 7 a 14 dias. VIDEIRA: Iniciar as pulverizações quando os brotos tiverem entre 5 a 7 cm. Repetir a intervalos de 5 a 15 dias.

MODO DE APLICAÇÃO

fazer uma pré mistura antes de colocar o produto no pulverizador. Pulverizar uniformemente as plantas, procurando atingir todo o vegetal.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Sem restrições.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade para as culturas indicadas: respeitadas as doses e o modo de aplicação, o produto não apresenta restrições.

INFORMAÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS

Recomenda-se o uso de pulverizadores manuais, motorizados ou acoplados a tratores com bicos cônicos tipo D2 apropriados para a aplicação de pó molhável.
A aplicação de doses recomendadas em g/100 litros de água utilizar um volume de calda de 500 a 1.000 Uha de acordo com o estágio de desenvolvimento das culturas.
Por via aérea 50 Uha, tão somente por empresa especializada, sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de patógenos (Ex. controle cultural, biológico, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças quando disponível e apropriado.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando à perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
• Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo M1 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc.;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO M01 FUNGICIDA

O produto CUPURAN 500 PM é composto por Oxicloreto de cobre, que apresenta mecanismo de atividade de contato multi-sítio, pertencente ao grupo M01, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).