Bula Explorer 500 SC

acessos
Sulfentrazona
5407
FMC - Campinas

Composição

Sulfentrazona 500 g/L Triazolona

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico, Seletivo condicional
Abacaxi Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1,2 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Único. 60 dias. Pré-emergência das plantas infestantes em pós-plantio da cultura
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,2 a 1,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Único. 60 dias. Pré-emergência das plantas infestantes em pós-plantio da cultura
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
0,8 a 1,2 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Único. 60 dias. Pré-emergência das plantas infestantes em pós-plantio da cultura
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Losna branca
(Parthenium hysterophorus)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Tiririca
(Cyperus rotundus)
1,4 L p.c./ha - - Único. 130 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim colonião
(Panicum maximum)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Guanxuma branca
(Sida glaziovii)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Poaia do campo
(Spermacoce alata)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Tiririca
(Cyperus rotundus)
1,6 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1,2 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Caruru gigante
(Amaranthus retroflexus)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Grama seda
(Cynodon dactylon)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1,2 a 1,4 L p.c./ha - - Único. 200 dias. Pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo
Fumo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,8 a 1 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Único. UNA. Na linha de platnio (1 dia antes do transplante) ou na entre linha logo após o último cultivo
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Único. UNA. Na linha de platnio (1 dia antes do transplante) ou na entre linha logo após o último cultivo
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,8 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Único. UNA. Na linha de platnio (1 dia antes do transplante) ou na entre linha logo após o último cultivo
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
0,6 a 0,8 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Único. UNA. Na linha de platnio (1 dia antes do transplante) ou na entre linha logo após o último cultivo
Tiririca
(Cyperus rotundus)
0,6 a 1 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Único. UNA. Na linha de platnio (1 dia antes do transplante) ou na entre linha logo após o último cultivo
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,8 a 1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim colonião
(Panicum maximum)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Carrapicho beiço de boi
(Desmodium tortuosum)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Carrapicho rasteiro
(Acanthospermum australe)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,8 a 1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Cheirosa
(Hyptis suaveolens)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Erva palha
(Blainvillea latifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Joá de capote
(Nicandra physaloides)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Maria preta
(Solanum americanum)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Poaia do campo
(Spermacoce alata)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,4 a 1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Soja S.P.D. Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,2 L p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas

1; 5; 10; 20; 50; 100; 200; 500 e 945 L

INSTRUÇÕES DE USO:

CULTURAS / PLANTAS DANINHAS / DOSES:
Vide a seção “Indicações de Uso/Doses”

- CANA-DE-AÇÚCAR: indicado para pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas. Não utilizar EXPLORER 500 SC em solos leves e médios, pois poderá ocorrer fitotoxicidade na cultura.

- SOJA: indicado para pós-plantio e pré-emergência das plantas daninhas tanto para o sistema convencional como de plantio direto.
A dose de 1,2 L/ha é indicada para solos pesados. Não utilizar EXPLORER 500 SC na dose de 1,2 L/ha em solos leves e médios, pois poderá ocorrer fitotoxicidade na cultura.
No plantio direto deverá ser aplicado para controlar as seguintes plantas daninhas: 1)Capim-braquiária (“Brachiaria decumbens”); 2)Capim-marmelada (“Brachiaria plantaginea); 3)Capim-colchão (“Digitaria horizontalis”); 4)Amendoim-bravo (“Euphorbia heterophylla”); 5) Guaxuma (“Sida rhombifolia”) e 6)Corda-e-viola (“Ipomonea grandifolia”), observando a seguinte seqüência: a)Dessecação de plantas daninhas (manejo químico); b)Plantio e c)Aplicação de EXPLORER 500 SC, sempre na dose de 1,2L/ha.
Para solos leves e médios a recomendação em pré-emergência e no plantio convencional é a seguinte:
1)Trapoeraba (“Commelina benghalensis”) – 0,40-0,60 L/ha;
2)Amendoim-bravo (“Euphorbia heterophylla”) – 0,8L/ha;
3)Caruru-roxo (“Amaranthus hybridus”) – 0,8 L/ha.

- CAFÉ e CITROS: aplicar em pré-emergência das plantas daninhas em cafeeiros e cítricos adultos em jato dirigido para o solo.

- FUMO: O produto EXPLORER 500 SC é recomendado somente em solos leves e médios. A aplicação para a cultura do fumo pode ser feita de duas formas:
. Na linha de plantio, sobre o camalhão, 1 dia antes do transplante das mudas de fumo, em uma faixa de 50cm. Pode ocorre injúria leve na cultura do fumo no período próximo a aplicação do produto, quando aplicado sobre o camalhão em pré-plantio; entretanto a recuperação da cultura acontece entre 15 a 30 dias após a aplicação.
. Na entrelinha de plantio, logo após o último cultivo; em pré-emergência das plantas infestantes, em uma faixa que varia de 50 a 60 cm, evitando o contato do produto com as plantas de fumo para não haver injúria. Na aplicação na entrelinha em condições de alta infestação de “Cyperus rotundus” e ‘Euphorbia heterophyla” utilizar a dose de 500 g i.a./ha (1L/ha do produto comercial).
As doses baixas devem ser utilizadas em solos leves e as doses maiores devem ser utilizadas para os solos médios.

- ABACAXI: aplicar em pré-emergência das plantas infestantes em pós-plantio da cultura. O produto EXPLORER 500 SC é recomendado para o controle de Capim-favorito somente em solo leve e médio.

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Uma única aplicação é suficiente para eliminar as plantas daninhas indicadas.

MODO DE APLICAÇÃO:
Pós-plantio, pré-emergente em relação ás plantas daninhas.
O solo deve estar livre de torrões, previamente eliminados por um bom preparo de solo pela gradagem. Como todos os herbicidas, o EXPLORER 500 SC necessita de umidade no solo para iniciar sua atividade biológica de controle das ervas daninhas.

PREPARO DA CALDA:
Colocar água limpa no tanque do pulverizador até a metade de sua capacidade, após estar regulado com a correta vazão. Adicionar o EXPLORER 500 SC na dose previamente determinada. Acionar o agitador e completar com água o tanque de pulverização. Ao aplicar o produto faz-se necessário usar o agitador continuamente durante a pulverização, o registro do pulverizador deve ser fechado durante as paradas e manobras do aplicador ou poderá haver danos á cultura.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
EXPLORER 500 SC pode ser aplicado por via terrestre, através de pulverizadores costais ou tratorizados, com barras providas de bicos de média/alta vazão (1,5L/min), tais como Teejet leque 110.04, XR Teejet 110.04, Albuz leque 100.04, Fulljet.
Espaçamento entre bicos deve ser de 50 cm e a altura da barra de 30-50 cm. Recomenda-se aplicar em dias com baixa velocidade de ventos, com pressão não maior que 40 lb/pol² e volume de água de 250 a 300 L/ha em soja e 300-400 L/ha em cana-de-açúcar, 100-200 L/ha em fumo e 200 L/ha em abacaxi.
Densidade de gotas: 40 – 80 gotas/cm².
DMV (Diâmetro mediano volumétrico): 200 a 300 micra.
A aplicação também pode ser via aérea nas seguintes condições:
- Volume: 40L/ha;
- Pressão: 30 psi;
- Bicos: D8-45;
- Ângulo da barra: 135º (frente) ou 45º (trás);
- Altura do vôo: 5 m;
- Faixa de deposição: 15 m.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
- Cana-de-açúcar e soja: (1) = Intervalo de segurança não determinado devido a modalidade de emprego;
- Citros: 200 dias;
- Café: 130 dias;
- Fumo: U.N.A = Uso não alimentar;
- Abacaxi: 60 dias.

LIMITAÇÕES DE USO:
- Na aplicação em cana soca recém germinada podem ocorrer “queimas” localizadas, onde houver contato do produto com as folhas ou brotações, porém com recuperação rápida sem afetar seu desenvolvimento e produtividade.
- Na ocorrência de chuvas excessivas, após a aplicação em solos altamente arenosos, poderá ocorrer leve clorose nas folhas de soja, entretanto, estas recuperam-se, não havendo prejuízos para a produtividade.
- Evitar a sobreposição de faixas de aplicação; se isto ocorrer, poderá haver danos á cultura da soja.
- A tolerância de novas variedades ao produto deverá ser estabelecida antes de ser usado em larga escala. Consulte o fornecedor de sementes de sua região ou o representante técnico da FMC de sua região.
- A aplicação deverá ser feita sempre antes da emergência da cultura da soja. EXPLORER 500 SC aplicado no “cracking” da soja ou em plantas emergidas causará danos à cultura.
- Injúria na cultura da soja poderá ocorre em solos pouco drenados, muito compactados ou em solos saturados por longo período de tempo.
- Se houver falhas no plantio devido a condições climáticas, apenas a soja deverá ser replantada. Não reaplicar EXPLORER 500 SC, pois ocorrerá injúria.
- Um período mínimo de 18 meses após a aplicação de EXPLORER 500 SC é exigido para a rotação com a cultura de algodão.
- FITOTOXICIDADE: O produto utilizado dentro das recomendações indicadas pelo fabricante não induz efeitos fitotóxicos às culturas indicadas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Como prática do manejo de resistência da plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas devidamente registrados para a cultura, com diferentes mecanismos de ação. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação com culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.