Bula Fipronil 80 WG Gharda - Biorisk

Bula Fipronil 80 WG Gharda

acessos
Fipronil
11417
Biorisk

Composição

Fipronil 800 g/kg Fenilpirazol

Classificação

Formicida, Inseticida, Cupinicida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Contato, Ingestão

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Bicudo
(Anthonomus grandis)
100 g.p.c./ha - 100 a 300 L de calda/ha Realizar no máximo três aplicações com intervalo de 7 dias. 30 dias. Iniciar as aplicações quando encontrar 5% das estruturas de frutificação danificadas, fazendo baterias de 3 aplicações com intervalo de 7 dias entre aplicações
Curuquerê
(Alabama argillacea)
30 g.p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar quando encontrar em média 1 lagarta por planta quando a cultura não tiver "maçãs" abertas ou quando encontrar em média 2 lagartas por planta e a cultura já possuir "maçãs" abertas
Tripes
(Frankliniella schultzei)
15 g.p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar o produto quando encontrar plantas com folhas deformadas e em média 6 tripes por planta, até a idade onde a praga provoca dano econômico (15 a 20 dias após a emergência da cultura)
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
150 a 200 g.p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha - Realizar no máximo duas aplicações. 1 dia. Realizar a aplicação em jato dirigido no sulco de plantio da cultura no momento da semeadura na dose de 150 g. p.c./ha. Fazer uma complementação na dose de 200 g. p.c./ha no momento da "amontoa" (15 a 25 dias após a semeadura), cobrindo o produto imediatamente com terras após aplicações
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca da cana
(Migdolus fryanus)
500 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar no máximo duas aplicações. 1 dia. Em áreas de baixa incidência da praga, utilizar a dose de 500 g. p.c./ha em uma única aplicação no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura. Áreas de alta infestação utilizar o parcelamento de doses, sendo: 400 g. p.c./ha pulverizado na base do arado de aiveca, formando uma barreira química no subsolo contra o ataque da praga, complementado com a dose de 250 g. p.c./ha aplicado no sulco de plantio no momento da realização da semeadura da cultura
Broca do colmo
(Diatraea saccharalis)
500 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação abrindo um sulco lateral de cada lado da soqueira, procurando sempre colocar o produto abaixo do nível do solo e na região de maior ocorrência de raízes da cultura. Aplique somente após ser constatado a presença da praga na área, e acima do nível de dano econômico
Cupim
(Heterotermes tenuis)
250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação abrindo um sulco lateral de cada lado da soqueira, procurando sempre colocar o produto abaixo do nível do solo e na região de maior ocorrência de raízes da cultura. Aplique somente após ser constatado a presença da praga na área, e acima do nível de dano econômico
Cupim
(Heterotermes tenuis)
200 a 250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar a aplicação preventivamente no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura
Cupim
(Cornitermes cumulans)
250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação abrindo um sulco lateral de cada lado da soqueira, procurando sempre colocar o produto abaixo do nível do solo e na região de maior ocorrência de raízes da cultura. Aplique somente após ser constatado a presença da praga na área, e acima do nível de dano econômico
Cupim
(Cornitermes cumulans)
200 a 250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar a aplicação preventivamente no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura
Cupim
(Neocapritermes opacus)
200 a 250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar a aplicação preventivamente no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura
Cupim
(Procornitermes triacifer)
250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação abrindo um sulco lateral de cada lado da soqueira, procurando sempre colocar o produto abaixo do nível do solo e na região de maior ocorrência de raízes da cultura. Aplique somente após ser constatado a presença da praga na área, e acima do nível de dano econômico
Cupim
(Procornitermes triacifer)
200 a 250 g.p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar a aplicação preventivamente no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Larva pão de galinha
(Diloboderus abderus)
100 g.p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação no sulco de plantio no momento da semeadura de tal forma que haja uma distribuição homogênea do produto
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
100 g.p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 1 dia. Realizar aplicação preventivamente em jato dirigido no sulco de plantio no momento da realização da semeadura, cobrindo o produto que foi pulverizado imediatamente com terra
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tamanduá da soja
(Sternechus subsignatus)
40 g.p.c./ha 250 a 300 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Realizar aplicação assim que for constatada a presença de adultos do inseto na área

Tipo: Barrica
Material:Papelão
Capacidade: 20;25;30;35;40;45;50;55;60;65;70;75;80;85;90;95;100 kg

Tipo: big bag
Material: Plástico
Capacidade:200;250;300;350;400;450;500;550;600;650kg

Tipo: Bombona
Material:Plástico
Capacidade:2;2,5;3;4;5;6;7;8;9;10;15;20;25 kg

Tipo:Frasco
Material:Plástico
Capacidade:0,05;0,1;0,15;0,2;0,25;0,3;0,35;0,4;0,45;0,5;0,55;0,6;0,65;0,7;0,75;1,0;1,2;1,25;1,5kg

Tipo: Saco Multifoliado
Material: Papel Kraft
Capacidade:0,5;1,0;1,5;20kg

Tipo: Saco
Material: Papel/Plástico/metálico
Capacidade:0,005;0,01;0,015;0,02;0,025;0,03;0,035;0,04;0,045;0,05;0,1;0,15;0,2;0,25;0,3;0,35;0,4;0,45;0,5;0,55;0,6;0,65;0,7;0,75;1,0;1,25;1,5;2,0;3,0;4,0;5;6;7;8;9;10;15;20;25 kg

Tipo: Tambor
Material: Plástico/Metálico
Capacidade:75;100;125;200 kg

INSTRUÇÕES DE USO: 0 FIPRONIL 80 WG GHARDA é um cupinicida e inseticida de contato e ingestão do grupo químico pirazol recomendado para o controle de pragas conforme especificado abaixo:

NUMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
ALGODÃO:
Tripes: Aplicar o produto quando encontrar plantas com folhas deformadas e em média 6 tripes por planta, até a idade onde a praga provoca dano econômico (15 a 20 dias após a emergência da cultura). Número máximo de aplicações: 1.
Curuquerê: 1.Quando encontrar em média 1 (uma) lagarta por planta quando a cultura não tiver "maçãs" abertas. 2.Quando encontrar em média 2 (duas) lagartas por planta e a cultura já possuir "maçãs" abertas. Número máximo de aplicações: 1.
Bicudo: Iniciar as aplicações quando encontrar 5% das estruturas de frutificação danificadas, fazendo baterias de 3 aplicações com intervalo de 7 dias entre aplicações. Número máximo de aplicações: 3

BATATA:
Para controle da Larva-alfinete realizar a aplicação em jato dirigido no sulco de plantio da cultura no momento da semeadura na dose de 150 g. p.c./ha (120 g. i.a./ha) com equipamento adaptado e bico de jato piano (leque) a uma vazão de 150 a 300 litros de calda por hectare. Fazer uma complementação na dose de 200 g. p.c./ha (160 g. i.a./ha) no momento da "amontoa" (15 a 25 dias ap6s a semeadura), cobrindo o produto imediatamente com terras ap6s aplicações. Número máximo de aplicações: 2.

CANA-DE-ACOCAR/ PLANTIOS NOVOS: Sulco de Plantio:
Cupins e Broca-da-cana: Realizar a aplicação preventivamente no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura com auxilio de pulverizadores adaptados com bicos de jato piano (leque). Utilizar as doses mais baixas 200 g. p.c./ha (160 g. i.a./ha) para controle de cupim sem área onde as infestações sejam reconhecidamente baixas. A dose maior, 250 g. p.c./ha00 g.i2 i.a./ha) para níveis de infestações médios a altos. Número máximo de aplicações: 1.
Miqdolus: Em áreas de baixa incidência da praga, utilizar a dose de 500 g. p.c./ha (400 g. i.a./ha) em uma única aplicação com auxilio de pulverizadores tratorizados adaptados com bico de jato piano (leque) a uma vazão de 300 litros de calda por hectare no sulco de plantio no momento da semeadura da cultura.
Áreas de alta infestação utilizar o parcelamento de doses, sendo: 400 g. p.c./ha (320 g. i.a./ha) pulverizado na base do arado de aiveca, formando uma barreira química no subsolo contra o ataque da praga, complementado com a dose de 250 g. p.c./ha (200 g. i.a./ha) aplicado no sulco de plantio no momento da realização da semeadura da cultura. Número máxima de aplicações: 2.

CANA-DE-AÇUCAR/ SOQUEIRA:
Para controle de cupins, realizar a aplicação com equipamentos pulverizadores adaptados para tal função com uma vazão de 300 litros de calda por hectare, abrindo um sulco lateral de cada lado da soqueira, procurando sempre colocar o produto abaixo do nível do solo e na região de maior ocorrência de raízes da cultura. Aplique somente após ser constatado a presença da praga na área, e acima do nível de dano econ6mico. Número máximo de aplicações: 1.
MILHO:
Larva-alfinete: No controle da larva-alfinete, proceder a aplicação preventivamente em jato dirigido no sulco de plantio no momento da realização da semeadura, com equipamento adaptado e bico de jato piano (leque) a uma vazão de 250 a 300 litros de calda por hectare, cobrindo o produto que foi pulverizado imediatamente com terra. Número maximo de aplicações: 1.
Pão-de-galinha: Para o controle do Pão-de-galinha o produto poderá ser aplicado no sulco de plantio no momento da semeadura com o auxilio de pulverizadores específicos de tal forma que haja uma distribuição homogênea do produto. NUMERO máximo de aplicações: 1.
SOJA:
Tamanduá-da-soja: No controle do Tamanduá-da-soja, fazer a aplicação em pulverizada com equipamento dotado de bico de jato c6nico e vazão de 100 a 200 litros de calda por hectare, assim que for constatada a presença de adultos do inseto na área. Número máximo de aplicações: 1.

MODO DE APLICACAO:
0 produto poderá ser aplicado com equipamentos tratorizados adaptados com bico de jato leque (piano) ou c6nico, dependendo do alvo a ser atingido, e a uma vazão de 100 a 300 litros de calda por hectare, procurando sempre colocar o produto no local de ocorrência da praga a ser controlada.

CONDICOES CLIMATICAS:
Temperatura: máxima 27° C
Umidade relativa do ar: mínima 55%
Velocidade de ventos: máxima 10 km/hora (3 m/seg)
Considerar sempre que a umidade relativa do ar ~ o elemento mais importante na maior ou menor velocidade de evaporação das gotas. Lembrar que as gotas muito finas não atingem adequadamente o alvo, e tem deriva major, enquanto que gotas muito grossas d'Ao uma deposição inadequada e escorrem para o solo.
INTERVALO DE SEGURANCA:

Culturas Intervalo de Segurança
Algodão 30 dias
Batata (1)
Cana-de-açúcar (Aplicação no sulco de plantio) (1)
Milho (1)
Soja 60 dias
(1) Intervalo de segurança não determinado devido a modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AREAS TRATADAS: Mantenha afastado da área de aplicação crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas.
Caso necessite entrar na área tratada antes de 24 horas ou se as partes tratadas estiverem úmidas, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITACOES DE USO:
Não há desde que siga as recomendações de uso do produto.
INFORMACOES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTECAO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
- Utilize equipamentos de proteção individual — EPI: macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas. Utilizar luvas e botas de borracha, avental impermeável, mascara com filtro de carvão ativado, Óculos de proteção e touca árabe.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS.

1- PRECAUCOES DE USO E ADVERTENCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é:
[ ] - Altamente Perigoso ao Meio Ambiente(CLASSEI).
[X] - Muito Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE II).
[ ] - Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III).
[ ] - Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV).
- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
- Este produto é ALTAMENTE TOXICO para organismos aquáticos.
- Este produto é ALTAMENTE TOXICO para abelhas. A aplicação aérea NAO E PERMITIDA. Não aplique este produto em época de floração, nem imediatamente antes do florescimento ou quando for observada visitação de abelhas na cultura. 0 descumprimento dessas determinações constitui crime ambiental, sujeito a penalidades.

- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos. fontes, rios e demais corpos d'agua. Evite a contaminação da agua.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo. da ague e do ar. prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
2- INSTRUCOES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVACAO E PREVENCAO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- 0 local deve ser exclusivo para produtos tóxicos. devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações e outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- 0 local deve ser ventilado. coberto e ter piso impermeavel.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local. evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis. para envolver embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
3- INSTRUCOES EM CASO DE ACIDENTES:
- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa BIORISK ASSESSORIA E COMERCIO DE PRODUTOS AGRICOLAS LTDA., pelo telefone de Emergência (11) 3032-2090.
- Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de PVC. Óculos protetor e mascara com filtro)
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:

Piso pavimentado: recolha o material com o auxilio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. 0 produto derramado não devere ser mais utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada ate atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado anima.

Corpos d'agua: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o Órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa. visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

- Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
4- PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINA¬ÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
EMBALAGEM RIGIDA LAVAVEL
LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPIs- Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.
Tríplice lavagem (lavagem manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu es¬vaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
Adicione água limpa à embalagem até '/4 do seu volume;
Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos:
Despeje a água da lavagem no tanque pulverizador;
Faça esta operação três vezes:
Inutilize a embalagem plástica perfurando o fundo.
Lavagem sob pressão:
Após utilizar pulverizadores dotados equipamentos de lavagem pressão seguir o seguintes Procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador; - Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador:
- Inutilize a embalagem plástica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sobe pressão adotar os seguintes procedimentos:

Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
Manter a embalagem nessa posição. introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direci¬onando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
Inutilize a embalagem plástica, perfurando o fundo.
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, essa embalagem deve ser armazena¬da com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo. e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em ate 6 (seis) meses após o termino do prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
TRANSPORTE
As embalagens vazias Mao podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos. rações, animais e pessoas.
EMBALAGEM FLEXIVEL
ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
0 armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto. ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.

Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual devera ser adquirido nos Canais de Distribuição.
DEVOLLWAO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de ate um ano da data da câmera. e obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal. emitida no ato da compra.
Caso o produto Wasp tenha sido totalmente utilizado nosso prazo, a ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em ate 6 meses após o termino do prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos. rações. animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual dever ser adquirido nos Canais de distribuição.
EMBALAGEM SECUNDARIA (NAO CONTAMINADA)
ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
0 armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário deve ser efetuado em local coberto. ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável. no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUCAO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de ate um ano da data da compra, e obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos. bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DAS EMBALAGENS VAZIAS OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBA¬LAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS
A destinação inadequada das embalagens e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.
TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.
RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU DO MUNICÍPIO:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas - IRAC-BR recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:
? Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.
• Incluir outros métodos de controle de insetos (ex: Controle Cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.
Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Manejo Integrado de Pragas.