Bula Pirephos EC

acessos
Esfenvalerate + Fenitrothion
10598
Sumitomo

Composição

Esfenvalerate 40 g/L Piretroide sintético
Fenitrothion 800 g/L Organofosforado

Classificação

Inseticida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não Classificado
Não Classificado
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Bicudo
(Anthonomus grandis)
600 mL p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha - Realizar uma aplicação, caso ocorra reinfestação, repetir o tratamento intercalando com outros inseticidas de modo de ação diferentes. 21 dias. Iniciar as aplicações assim que observar o aparecimento dos primeiros insetos adultos na lavoura. No caso de reinfestação, repetir os tratamentos, sempre que atingir de 2 a 5% de ataque nos botões florais
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes do fumo
(Thrips tabaci)
30 a 70 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - Realizar duas aplicações, com intervalo de 7 dias. 14 dias. Os tratamentos devem ser iniciados logo no início da infestação das pragas
Crisântemo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão do algodoeiro
(Aphis gossypii)
50 a 70 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - Realizar até duas aplicações., com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Os tratamentos devem ser iniciados logo no início da infestação das pragas
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Percevejo marrom
(Euschistus heros)
250 a 350 mL p.c./ha 150 a 200 L de calda/ha - Realizar até duas aplicações. 7 dias. Os tratamentos devem ser iniciados logo no início da infestação das pragas
Percevejo verde
(Nezara viridula)
250 a 350 mL p.c./ha 150 a 200 L de calda/ha - Realizar até duas aplicações. 7 dias. Os tratamentos devem ser iniciados logo no início da infestação das pragas
Percevejo verde pequeno da soja
(Piezodorus guildinii)
250 a 350 mL p.c./ha 150 a 200 L de calda/ha - Realizar até duas aplicações. 7 dias. Os tratamentos devem ser iniciados logo no início da infestação das pragas

Frasco plástico para 1 litro; bombonas plástica para 5 litros; balde metálico para 20 litros; tambor metálico para 200 litros.

INSTRUÇÕES DE USO: "PIREPHOS EC", trata-se de um inseticida Concentrado Emulsionável, com ações de contato, ingestão e profundidade

FREQUENCIA DE APLICAÇÃO:
Na cultura do ALGODÃO: Bicudo (Anthonomus grandis): Iniciar as aplicações assim que observar o aparecimento dos primeiros insetos adultos na lavoura. No caso de reinfestação, repetir os tratamentos, sempre que atingir de 2 a 5% de ataque dos botões florais, procurando assegurar o volume de aplicação de 200 - 400 L /ha de calda.
Cebola: realizar até 2 (duas) aplicações com intervalo semanal, utilizando-se volume de calda de 1.000 L/ha.
Crisântemo: Recomenda-se fazer de 1 a 2 aplicações com intervalos de 7 a 10 dias, utilizando-se volume de 1.000 litros de calda/ha.
Soja: Recomenda-se realizar de 2 aplicações, no inicio da infestação dos percevejos, utilizando-se o volume de calda de 150 a 200 litros/ha.

MODO DE APLICAÇÃO:
FORMAS DE APLICAÇÃO: PIREPHOS CE deve ser aplicado em pulverizações via terrestre utilizando-se pulverizador motorizado, ou pulverizador tratorizado, munido de bicos adequados. Em caso de aplicação com pulverizadores de barra, usar bicos cônicos tipo D2, D3 ou equivalentes com pressão de 80-150lbs/pol2. A altura da barra deve estar a 30 a 50 cm do topo das plantas e a distância entre bicos deve ser de 30- a 50 cm. Usando-se outros tipos de equipamentos, procurar obter uma aplicação com cobertura uniforme de toda a parte aérea das plantas. Com relação às condições climáticas deve-se procurar aplicar nos horários mais frescos do dia, evitando ventos acima de 10 km/h, temperaturas superiores a 30º C e umidade relativa do ar inferior a 70%, visando reduzir ao minimo as perdas por deriva e evaporação. Aplicar PIREPHOS EC na forma de pulverizações, dando uma cobertura uniforme sobre todas as partes da cultura. O sistema de agitação no interior do tanque deve ser mantido em funcionamento durante toda a aplicação.

INTERVALO DE SEGURANÇA (Período de Carência):
ALGODÃO: 21 dias
CEBOLA: 14 dias
CRISÂNTEMO: UNA (Uso não Alimentar)
SOJA: 7 dias

RECOMENDAÇÕES PARA O MANEJO DE RESISTÊNCIA A INSETICIDAS: Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brsileiro de Ação a Resistência à \Inseticidas - IRAC-BR, recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência à inseticida, visando prolongar a vida útil dos inseticidas.
Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da praga.
Use somente as dose recomendadas no rótulo / bula.
Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas.
Incluir outros métodos de controle de insetos (Ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.

FITOTOXICIDADE: Não há para as culturas indicadas e nas doses recomendadas.

RESTRIÇÕES DE USO: Não há

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS.
VIDE MODO DE APLICAÇÃO.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Use macacão com mangas compridas, luvas e botas impermeáveis, avental impermeável, chapéu impermeável de aba larga, máscara protetora especial provida de filtros adequados ao produto.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Procure logo o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Ingestão : Não provoque vômito, beba água e procure logo o médico. Olhos : Lave com água corrente em abundância por 15 minutos e procure logo o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele : Lave com água e sabão em abundância. Inalação: Procure lugar arejado.

ANTÍDOTOS E TRATAMENTO MÉDICO: FENITROTHION (Ornagofosforado): Sulfato de Atropina pelas vias intramuscular ou intravenosa (eventualmente também por via oral): 1 a 6 mg a cada 5 a 30 até atropinização leve. Oximas (Contrathion): 1 a 2 g/dia nos 3 primeiros dias. Contra-Indicações: Morfina, Aminofilina e Tranquilizantes. ESFENVALERATE (Piretróide): Tratamento sintomático a critério médico.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: Nos estudos realizados com animais de laboratório sua ação foi bastante reduzida sendo rapidamente excretado.

EFEITOS AGUDOS, CRÔNICOS E COLATERAIS: Não foram observados efeitos agudos, crônicos e colaterais adversos.

SINTOMAS DE ALARME: Fraqueza, dor de cabeça, opressão no peito, visão turva, pupilas não reativas, salivação abundante, suores, náuseas, vômitos, diarréias e cólica abdominal.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS: Este produto é MUITO PERIGOSO ao meio ambiente (CLASSE II). Este produto é ALTAMENTE BIOCONCENTRÁVEL em peixes. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto. Siga as instruções da bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes das legislações estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções: Piso pavimentado: Coloque material absorvente (por exemplo: serragem ou terra) sobre o conteúdo derramado e recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. Remova conforme orientações de destinação adequada de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada; Corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor
do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para pulverização (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens. As embalagens devem ser perfuradas de maneira a torná-las inadequadas para outros usos (exceto em caso de existência de recolhimento das mesmas pela empresa). Observe as legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido o enterrio de embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

- Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode se tornar menos efetivo ao longo do tempo, se o inseto desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Inseticida - IRAC-BR recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticida, visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto, da mesma classe ou modo de ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da praga.
- Usar somente as doses recomendadas na bula/rótulo.
- Consultar sempre um engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas.
- Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.