Bula Volt

acessos
Acifluorfen + Bentazone
2399
UPL

Composição

Acifluorfem-sódico 170 g/L Éter difenílico
Bentazona 400 g/L Benzotiadiazinona

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Seletivo, Não sistêmico, Contato
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Botão azul
(Eupatorium pauciflorum)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Carrapicho de carneiro
(Xanthium strumarium)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Carrapicho rasteiro
(Acanthospermum australe)
1,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Cheirosa
(Hyptis suaveolens)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Erva de touro
(Tridax procumbens)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
1,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Joá de capote
(Nicandra physaloides)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,2 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 6 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 90 dias. Para aplicação em pós-emergência. Com a planta infestante de 2 a 4 folhas e a cultura da soja deve estar com o primeiro trifólio formado

Polietileno: 1; 5 e 20 L.

INSTRUÇÕES DE USO: VOLT é um herbicida seletivo, com ação de contato, para aplicação em pós-emergência. Aplicado sobre as plantas, é absorvido no espaço de algumas horas, iniciando sua ação. A cultura da soja tem capacidade de degradar com rapidez o produto, e por isso, a planta recupera-se dos efeitos iniciais de fitotoxicidade, desenvolvendo-se normalmente sem efeito negativo sobre a produtividade. As plantas daninhas para as quais o produto é indicado, não conseguem desativar o herbicida e, por isso, acabam morrendo, sendo alta a eficiência do herbicida contra as ervas no estágio inicial de desenvolvimento. Com o crescimento, estas vão perdendo a sensibilidade ao herbicida.

ADIÇÃO DE ADJUVANTE: A adição de um adjuvante oleoso nas caldas de VOLT tende a melhorar o controle das plantas daninhas, bem como reduzir a velocidade de evaporação, mas não permite redução da dose do herbicida. Recomenda-se o acréscimo de ASSISTR na dose de: Aplicações terrestres: 0,25% v/v do volume de calda (nunca inferior a 0,5 l/ha e superior a 0,75 l/ha). Aplicações aéreas: 0,3 L/ha.

MODO DE APLICAÇÃO: VOLT deve ser diluído em água e aplicado por pulverização sobre as plantas daninhas. Sendo um produto com ação de contato, uma boa cobertura é importante para a plena eficácia. Volume de água: aplicação terrestre - 200 a 300 L/ha. aplicação aérea - 40 litros/ha.

ÉPOCA DE APLICAÇÃO: As plantas daninhas devem estar dentro dos estágios recomendados e a cultura de soja deve estar com o primeiro trifólio formado.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO: Pulverizadores, motorizados ou acoplados, de barra, com bicos uniformes de um dos seguintes tipos: - jato em leque, 80.02, 80.03, 110.02, 110.03, APG 110 R (vermelho), APG 110 D (laranja), VisiFlo amarelo, VisiFlo azul - ou equivalente que produzam gotículas entre 300 e 400 micra e permitem uma deposição de cerca de 20 gotículas/cm2. - jato cônico, D-2 13 ou D-2 25 ou equivalente, que produzam gotículas entre 120 e 150 micra e permitem uma deposição de 40 a 50 gotículas/cm2. Pressão entre 40 e 60 libras/pol2. A altura da barra deve ser tal que permita pequena sobreposição dos jatos dos diversos bicos, no topo das plantas daninhas. Volume de água: 200 a 300 L/ha; quando a folhagem estiver molhada por orvalho ou neblina, reduzir o volume de água.

Avião agrícola, equipado com barra e bicos de jato cônico, montados na vertical (900), em duas opções: 36 bicos modelo D12-45. 46 bicos modelo D10-45. Altura de vôo: 2,5 a 3,5 metros da barra ao topo das plantas. Largura da faixa: variável, entre 12 e 14 metros, devendo ser estabelecida por teste, verificada uma concentração de 30 a 50 gotículas/cm2. Pressão: 30 a 35 libras/pol2. Volume de água: 40 litros/ha.

CUIDADOS: Abastecer o avião com a calda por bombeamento, evitando despejar manualmente no tanque. Não permitir a contaminação da cabine do piloto. Auxiliares de pista devem usar o equipamento de proteção individual. Marcadores de faixas (bandeirinhas) devem trabalhar com vestimenta completa de material impermeável, com cobertura da cabeça, proteção de olhos e máscara de respiração.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Soja: 90 dias

INTERVALO PARA REENTRADA DE PESSOAS EM ÁREAS TRATADAS: Recomenda-se aguardar o completo secamento do produto sobre as folhas tratadas, utilizando-se os equipamentos de proteção individual recomendados pelo Ministério da Saúde.

LIMITAÇÃO DE USO: VOLT é indicado para uso na cultura da soja num estado normal de sanidade e desenvolvimento. Plantas que estejam sofrendo efeitos adversos por condições climáticas desfavoráveis (seca, granizo, etc.) ou dano de outra natureza, inclusive fitotoxicidade por outro herbicida, são muito mais suscetíveis e por isso não devem receber o tratamento.

CONDIÇÕES DIVERSAS: Chuvas - VOLT geralmente é absorvido pelas folhas num período de duas horas; esse período pode variar conforme as condições ambientais e a atividade fisiológica das plantas. Chuvas antes da absorção completa do produto podem causar uma diminuição na porcentagem de controle. Umidade no solo - Plantas que se desenvolvem sob condições de pouca umidade apresentam no geral um crescimento mais lento na parte aérea e um aprofundamento das raízes, tendendo a acumular mais substâncias de reserva. Com isso podem resistir melhor e eventualmente sobreviver. A umidade no solo estimula um rápido crescimento e favorece a ação do herbicida. Umidade relativa do ar - Com umidade relativa do ar elevada, a absorção de VOLT é mais rápida. Com baixa umidade atmosférica a absorção é mais lenta além de que se acelera a evaporação da calda pulverizada. A eficiência é maior quando a umidade relativa do ar é elevada. Em regiões onde a umidade relativa do ar é baixa, recomenda-se efetuar o tratamento nas primeiras horas da manhã. Não aplicar com UR do ar inferior a 60%. Luminosidade - A eficiência de VOLT é maior quando existe boa luminosidade na área tratada.

CULTURAS IRRIGADAS: No caso de cultura irrigada por aspersão, a irrigação só deve recomeçar no dia seguinte do tratamento. Temperatura - Com temperaturas baixas, a eficiência do tratamento pode ser diminuída. Nesse caso, o acréscimo do adjuvante oleoso (ASSIST) na calda é imprescindível. Efetuar o tratamento quando a temperatura ambiental é superior a 15 ºC. VOLT não deve ser aplicado com organo fosforados, por haver uma potencialização da fitotoxicidade.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamentos. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor ocular: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca: Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha: Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos: Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas e avental impermeável.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. A pulverização do produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave as suas roupas. No descarte de embalagens use macacão de mangas compridas, luvas e botas.

PRIMEIROS SOCORROS: EXPOSIÇÃO POR VIA ORAL: VÔMITO deve ser provocado rapidamente. NÃO provoque o vômito em pacientes inconscientes, que tenham convulsionado, sonolentos ou comatosos. Nestes casos utilize a lavagem gástrica. Antes de provocar o vômito, aumente o volume do conteúdo estomacal, através da ingestão de 1 ou 2 copos de água.

EXPOSIÇÃO POR INALAÇÃO: Remover o paciente para local fresco e ventilado. Para facilitar a respiração afrouxar a roupa. Não esquecer de retirar as roupas se estiverem contaminadas.

EXPOSIÇÃO DOS OLHOS: Lavar os olhos com água limpa e abundante, por pelo menos 15 minutos. Não utilizar colírios ou qualquer outra substância. Persistindo dor, lacrimejamento ou iritação ocular, encaminhar o paciente para avaliação oftalmológica.

EXPOSIÇÃO DÉRMICA: Retire as roupas contaminadas. Lave as partes atingidas com água e sabão. Não esqueça de lavar os cabelos, a região pubiana e limpar sob as unhas.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA: O diagnóstico é feito através da história de exposição ao produto e a presença de quadro clínico compatível. A função renal e o equilíbrio hidro-eletrolítico devem ser monitorados, assim como o acompanhamento das enzimas hepáticas. Evite administrar substâncias estimulantes reabsorvíveis como gorduras (leite, óleo de rícino) ou álcool, etc. Carvão ativado pode ser utilizado como adsorvente, após o vômito ou a lavagem gástrica. A dose para adultos é de 50g de carvão diluído em 1 copo de água.

ANTÍDOTO: Não há antídoto específico. O tratamento é sintomático.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Em estudos conduzidos em animais de laboratório: ACIFLUORFEN foi excretado principalmente pelas fezes e urina. BENTAZON foi excretado principalmente pela urina. ACIFLUORFEN e BENTAZON não tendem a se acumular no organismo de animais.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: VOLT mostrou-se irritante e não corrosivo para os olhos de coelhos e mostrou-se não irritante e não corrosivo para a pele de coelhos. Bentazon Técnico mostrou potencial sensibilizante em cobais. Acifluorfen Técnico não mostrou potencial sensibilizante em cobais. Em estudos em longo prazo, Acifluorfen Sal de Sódio e Bentazon não apresentaram potencial para produzir efeitos crônicos.

EFEITOS COLATERAIS / SINTOMAS DE ALARME: Não conhecidos.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é MUITO PERIGOSO ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir áreas vizinhas às áreas tratadas, lençol freático e águas superficiais. Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas. Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação, e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas susceptíveis a danos. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal, relativas às atividades aeroagrícolas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidos ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Isole e sinalize a área contaminada. Contate as autoridades locais competentes e a empresa Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções abaixo: Piso pavimentado - Coloque material absorvente (p.ex. serragem ou terra) sobre o conteúdo derramado e recolha o material com auxílio de uma pá e colocar em recipiente lacrado e identificado devidamente. Remova conforme orientações de destinação adequada de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água. Solo - Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada. Corpos d'água - Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens. As embalagens devem ser perfuradas, de maneira a torná-las inadequadas para outros usos (Obs: exceto em caso de existência do recolhimento das mesmas pela empresa). Observar legislações estadual e municipal específicas. Fica proibido o enterrio de embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

MÉTODO DE DESATIVAÇÃO DO PRODUTO: O produto é desativado por incineração com temperatura de 900 ºC por um tempo de 3 segundos.

A rotação de culturas pode permitir também rotação nos métodos de controles das plantas infestantes que ocorrem na área. Além do uso de herbicidas, outros métodos são utilizados dentro de um manejo integrado de plantas infestantes, sendo eles o controle manual, o controle mecânico, através de roçadas ou cultivadores, a rotação de culturas e a dessecação da área antes do plantio os mais utilizados e eficazes.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes resistentes a esse mecanismo de ação.
Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes, deverão ser aplicados, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo.

Compatibilidade

Incompatível com produtos organofosforados.