Bula Vondozeb 800 WP

acessos
Mancozeb
2104
UPL

Composição

Mancozebe 800 g/kg Alquilenobis (ditiocarbamato)

Classificação

Acaricida, Fungicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Brusone
(Pyricularia grisea)
2 a 3,5 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - Repetindo com intervalo de 10 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo. 32 dias. Iniciar as aplicações no início do emborrachamento
Banana Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sigatoka negra
(Mycosphaerella fijiensis)
1,8 a 2,5 kg p.c./ha - - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente, visando uma boa cobertura das folhas, com intervalo de 7 dias nos períodos de maior incidência da doença. Em condições desfavoráveis à doença e menor lançamento de folhas, poderá ser prolongado o intervalo em dias
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
3 kg p.c./ha 600 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 cm de altura, repetindo com intervalo de 7 dias
Requeima
(Phytophthora infestans)
3 kg p.c./ha 600 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 cm de altura, repetindo com intervalo de 7 dias
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da falsa ferrugem
(Phyllocoptruta oleivora)
200 a 250 g p.c./100 L de água 2000 L de calda/ha - Realizar no máximo 03 aplicações por ciclo. 14 dias. Deve-se efetuar inspeções periódicas no pomar, sendo a cada 7 dias no verão e a cada 15 dias no inverno. Observar frutos, folhas e ramos, utilizando-se de uma lupa com aumento de 10 a 12 vezes. O tratamento deve ser efetuado quando 10% ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ou mais ácaros por cm². Inspecionar frutos, folhas e ramos, principalmente na parte externa da planta
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
2 a 3 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - Realizar 03 aplicações por ciclo. 14 dias. Iniciar as aplicações 30 dias após a emergência das plantas, repetindo com intervalos de 15 dias
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sarna da maçã
(Venturia inaequalis)
200 a 250 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações na fase de dormência, repetindo a intervalos de 7 dias
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
3 kg p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas, repetindo com intervalos médios de 7 dias
Requeima
(Phytophthora infestans)
3 kg p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas, repetindo com intervalos médios de 7 dias
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Plasmopara viticola)
250 a 350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Realizar 04 aplicações por ciclo. 7 dias. Iniciar as aplicações um pouco antes do florescimento, repetindo a intervalos de 7 dias

Sacos de papel revestidos com polietileno - 10; 25 Kg
Balde de polietileno - 10 Kg
Balde Metálico/Fibra/Plástico - 5,0; 10; 15; 20; 25 Kg
Big-Bag de Polipropileno - 500; 1000; 1200 kg
Big-Bag de Plástico - 100; 200; 300; 400; 500; 600; 700; 800; 900; 1000 Kg
Caixa de Papelão - 0,2; 0,3; 0,5; 0,6; 1,0; 1,2 Kg
Contentor Intermediário (IBC) - Papelão/Metálico/Fibra/Plástico - 100; 200; 300; 400; 500; 600; 700; 800; 900; 1 000 Kg
Saco de Papelão - 20; 30; 35; 36; 40; 41; 43; 50; 60; 70 Kg
Saco Hidrossolúvel - 0,02; 0,05; 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,5; 0,6; 1,0; 1,2; 1,5; 2,0; 3,0; 5,0; 9,0; 10 Kg
Saco Aluminizado/Poliéster/Polietileno - 0,1; 0,25; 0,3; 0,5; 0,6; 1,0; 2,0; 5,0; 10; 15; 25 Kg
Saco Plástico - 0,1; 0,25; 0,5; 0,6; 1,0; 1,2; 1,5; 2,0; 3,0; 5,0; 9,0; 10; 11; 15; 20; 25; 30; 35; 36; 40; 41; 43; 50; 60; 70; 100; 200; 500 Kg
Saco Metálico - 0,1; 0,25; 0,5; 0,6; 1,0; 1,2; 1,5; 2,0; 3,0; 5,0; 9,0; 10; 11; 15; 20; 25; 30; 35; 36; 40; 41; 43; 50; 60; 70 Kg
Saco de Papel Multifoliado - 1,0; 5,0; 10; 15; 20; 25; 50; 100; 200; 500 Kg
Saco de Papel - 9,0; 11; 15; 20; 30; 35; 36; 40; 41; 43; 50; 60; 70 Kg
Tambor Metálico/Fibra/Plástico - 5,0; 10; 15; 25 Kg
Tamborete de Fibra - 9,0; 11; 15; 20; 30; 35; 36; 41; 43; 50; 60; 70 Kg

INSTRUÇÕES DE USO:

CULTURAS: Arroz, Banana, Batata, Citros, Feijão, Maçã, Tomate e Uva.

PRAGAS / DOSES: Vide seção "Indicações de uso/doses".

Obs: 1 quilo do produto comercial equivale a 800 gramas do ingrediente ativo.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

Arroz: iniciar as aplicações no início do emborrachamento, repetindo com intervalo de 10 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo.

Banana: iniciar as aplicações preventivamente, visando uma boa cobertura das folhas, com intervalo de 7 dias nos períodos de maior incidência da doença.
Em condições desfavoráveis à doença e menor lançamento de folhas, poderá ser prolongado o intervalo em dias. Realizar 04 aplicações por ciclo.

Batata: iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 cm de altura, repetindo com intervalo de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo.

Citros: deve-se efetuar inspeções periódicas no pomar, sendo a cada 7 dias no verão e a cada 15 dias no inverno. Observar frutos, folhas e ramos, utilizando-se de uma lupa com aumento de 10 a 12 vezes. O tratamento deve ser efetuado quando 10% ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ou mais ácaros por cm2. Inspecionar frutos, folhas e ramos, principalmente na parte externa da planta. Realizar 03 aplicações por ciclo.

Feijão: iniciar as aplicações 30 dias após a emergência das plantas, repetindo com intervalos de 15 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo.

Maçã: iniciar as aplicações na fase de dormência, repetindo a intervalos de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo.

Tomate: iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas, repetindo com intervalos médios de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo.

Uva: iniciar as aplicações um pouco antes do florescimento, repetindo com intervalos de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo.

MODO DE APLICAÇÃO:

Recomendações gerais:

Aplicação Terrestre: deve-se utilizar pulverizadores de barra ou costal, pulverizadores acoplados a trator ou atomizadores costais motorizados com bomba centrífuga. Utilizar bicos tipo cone ou equivalentes, com pressão aferida de acordo com o tipo de bico/fabricante e tamanho de gota desejável. A altura da barra deve permitir uma boa cobertura de toda parte aérea da planta (caule, folhas e frutos). No caso de se utilizar outros equipamentos, estes devem sempre proporcionar boa cobertura de pulverização das plantas.

Deve-se utilizar os seguintes volumes de calda:
- Arroz : 400 L/ha
- Batata : 600 L/ha
- Citros : 2000 L/ha
- Feijão : 400 L/ha
- Tomate : 1000 L/ha
- Maçã : 1000 L/ha
- Uva :1000 L/ha

Aplicação Aérea: utilizar 50 L/ha de calda, sendo que a aplicação deve ser realizada somente por empresa especializada, sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

Recomendações específicas:

Banana: as aplicações devem ser feitas em ultra baixo volume, utilizando-se das seguintes opções:

1) Fazer uma diluição prévia do produto em pequena quantidade de água, adicionar emulsionante na dose recomendada pelo fabricante e 5 litros de óleo mineral. Completar com água até atingir o volume de 20 litros de calda por hectare.

2) Fazer uma diluição prévia do produto em pequena quantidade de água, adicionar emulsionante na dose recomendada pelo fabricante. Completar com óleo mineral até atingir o volume de 15 litros de calda por hectare.

- Equipamentos de aplicação:

Aplicação terrestre: utilizar atomizador costal motorizado ou atomizador canhão modelo AF 427 bananeiro, observando sempre que seja feita uma cobertura total das folhas.

Aplicação aérea com utilização de barra e bicos: usar bicos de jato cone vazio, do tipo D5, com disco (core) nunca maior que 45 graus, espaçados a cada 20 cm. Pressão na barra ao redor de 30 libras. Largura da faixa de pulverização deve ser estabelecida por teste. A altura de vôo de 2,0 a 3,0 metros sobre a cultura; em locais onde essa altura não for possível, fazer arremates com pulverizações transversais, paralelas aos obstáculos. Ventos de 15 km por hora, sem ventos de rajada.

Aplicação aérea com utilização de atomizadores rotativos (Micronair AU 3000): usar 4 atomizadores. Ângulo das pás de 25 a 35º, ajustado segundo as condições de vento, temperatura e umidade relativa, para reduzir ao mínimo as perdas por deriva e evaporação. Largura da faixa devendo ser estabelecida por teste. Altura de vôo de 3,0 a 4,0 metros sobre a cultura. Pressão conforme a vazão, seguindo a tabela do fabricante.

Para a cultura do Citros, no controle do ácaro-da-falsa-ferrugem, o tratamento pode ser feito com equipamento turbo-atomizador e/ou pistola. As aplicações devem atingir muito bem a parte interna e externa das plantas, até atingir o ponto de escorrimento.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

Cultura Intervalo de segurança (dias)
Arroz 32
Banana 07
Batata 07
Citros 14
Feijão 14
Maçã 07
Tomate 07
Uva 07

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:

(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:

Fitotoxicidade: o produto não é fitotóxico às culturas indicadas quando utilizado de acordo com as instruções de uso recomendadas.

Compatibilidade: VONDOZEB 800 WP é incompatível com formulações altamente alcalinas, tais como calda bordaleza e calda sulfocálcica. Todavia aplicações alternadas com VONDOZEB 800WP podem ser realizadas sem que se necessite aguardar qualquer período entre as aplicações.

ANTES DE USAR, LEIA COM ATENCAO AS INSTRUÇÕES

PRODUTO PERIGOSO

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO

PRECAUÇÕES GERAIS:
- Produto para uso exclusivamente agricola
- No coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicacao do produto.
- No manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de protegâo individual (EPI) recomendados.
- Os equipamentos de protecao individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordern: macacao, botas, mascara, Oculos e luvas.
- Nao utilize equipamentos de protecao individual (EPI) danificados.
- Nao utilize equipamentos corn vazamentos ou defeitos.
- Não desentupa bicos, orificios e valvulas corn a boca.
- Nao transporte o produto juntamente corn alimentos, medicamentos, racOes, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARACAO DA CALDA:

- Caso ocorra contato acidental da pessoa corn o produto, siga as orientacbes descritas ern primeiros socorros e procure rapidamente urn service medico de emergencia.
- Ao abrir a embalagem, faga-o de modo a evitar dispersao de poeira.
- Utilize equipamento de protecao individual — EPI: macacao de algodao impermeavel corn mangas compridas passando par cima do punho das luvas e as pernas das calcas por cima das botas; botas de borracha; mascara corn filtro mecanico classe P2: Oculos de seguranca corn protegao lateral e luvas de nitrila.
- Manuseie o produto ern local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Evite o maximo possivel o contato corn a area tratada.
- Nao aplique o produto na presenca de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
- Verifique a direcäo do vento e aplique de modo a nao entrar na nevoa do produto.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo e seguranca (intervalo de tempo entre a Ultima aplicacão e a colheita).
- Utilize equipamento de protecao individual — EPI: macacao de algodao impermeavel corn mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calcas por cima das betas; betas de borracha; mascara corn filtro mecanico classe P2: Oculos de seguranga corn protecao lateral, touca arabe e luvas de nitrila.

PRECAUÇÕES APOS A APLICAÇÃO:
- Sinalizar a area tratada corn os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. AREA TRATADA" e manter os avisos ate o final do period() de reentrada.
- Case necessite entrar na area tratada corn o produto antes do termino do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de protecao individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicacao.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de criancas e animais.
- Antes de retirar os equipamentos de protecao individual (EPI). lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
- Os equipamentos de protecao individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, Oculos, betas, macacão, luvas e máscara
- Tome banho imediatamente apes a aplicacao do produto.
- Troque e lave as suas roupas de proteção separa das demais roupas da família. ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
- Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
- Não reutilizar a embalagem vazia.
- No descarte de embalagem utilize equipamentos de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS:
Procure logo urn serviço medico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
Ingestão : Se engolir o produto, nao provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
Olhos: Em caso de contato, lave corn muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele corn muita agua corrente e sabão neutro.
Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para urn local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminacao usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

INTOXICAÇÕES POR MANCOZEBE

INFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo químico: Alquilenobis ( ditiocarbamato ).

Classe toxicológica: III - Medianamente tóxico.

Vias de exposição: Oral, inalatória, ocular e dérmica.

Toxicocinética: Após absorvido e rapidamente distribuido para o figado, rins e tireóide, mas nao sao acumulados devido a rapida metabolização pelo figado, através da glicuronização. A etilenotiouréia (ETU) e o principal metabólito de importancia toxicológica e o dissulfeto de carbono, urn metabólito de menor importância. Sao quase que totalmente excretado em 96 horas, principalmente através das fezes (71%) e urina (16%).

Mecanismos de toxicicade: Herbicidas e fungicidas carbamatos são diferentes dos inseticidas
carbamatos porque nao inibem a enzima colinesterase e os indivíduos expostos não apresentam sintomas colinergicos.
As formulações contendo mancozebe têm ação basicamente irritante pele, trato respiratório, olhos e trato gastrointestinal
Mancozebe demonstrou induzir tumores na pele de camundongos. 0 mecanismo não é conhecido.

Sintomas e sinais clínicos:
Exposicao dérmica pode causar irritação da pele, prurido, eritema, e dermatite alérgica sensibilização cutânea exantema e eczema.
Exposição respiratória: Pode causar irritação e inflamação das vias aéreas (rinite, faringite, laringite e traqueobronquite), fadiga, cefaléia, visão borrada e náuseas.
Exposição ocular: pode causar ardência ocular, conjuntivite e inflamação das pálpebras.
Exposição oral: oral pode causar irritação da mucosa do trato gastrointestinal, cefaléia, dores abdominais, diarréia, néuseas e vômitos. Exposições elevadas por periodos demasiadamente longos podem causar convulsões e coma.

Diagnóstico: O diagnóstico é estabelecido pela confirmação da exposição e de quadro clínico compatível. Em se apresentando sinais e sintomas indicativos de intoxicação, trate o paciente imediatamente, não condicionando o início do tratamento à confirmação laboratorial.
Não existem exames laboratoriais específicos. Podem ser realizados dosagem do manganês no sangue e na urina (níveis normais 20-80 ug/L no sangue e 1-8 ug/L na urina), dosagem de eletrólitos, exame de urina tipo 1 e função renal.

Tratamento: As medidas abaixo relacionadas, especialmente aquelas voltadas para a adequada oxigenação do intoxicação, devem ser implementadas concomitantemente ao tratamento medicamentoso e a descontaminação.
Utilizar luvas e avental durante a descontaminação.
1. Remover roupas e acessórios e lavar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, corn agua fria abundante e sabão.
2. Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente corn soro fisiológico ou água, para no mínimo 15 minutos evitando contato corn a pele e mucosas.
3. Em caso de ingestão recente, proceder a lavagem gástrica. Atentar para nível de consciência e proteger vias aereas do risco: de aspiração. Administrar carvão ativado na proporção de 50 - 100 g em adultos e 25-50 g em crianças de 1-12 anos, e 1g/Kg em menores de 1 ano, diluidos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 mL de água.
4. Emergência, suporte e tratamento sintomático: manter vias aéreas permeáveis, se necessário atraves de entubação oro-traqueal, aspirar secreções e oxigenar. Adotar medidas de assistência ventilatória, se necessário. Monitorar oxigenação: (oximetria ou gasometria), ECG, amilase serica. Tratar pneumonite, convulsões e coma se ocorrerem. Manter observação por no mínimo 24 horas após o desaparecimentol dos sintomas. Administracao do EDTA calcio-sódio acelera a eliminação do manganês.

Contra-Indicações: O vômito é contra-indicado em razão do risco potencial de aspiração.

Efeitos sinérgicos: Escopoletina urn hidroxicumarinico isolado de frutas incrementa o efeito de
Mancozebe contra Fusarium (fungo que causa infecção oportunística em humanos e animais), mas näo evidências nos efeitos em humanos.

ATENÇÃO:
Ligue para o Disque-Intoxicacao: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento. Rede Nacional de Centros de lnformação e Assistência Toxicológica RENACIAT — ANVISA/MS
Telefone de Emergência da empresa. 0800-7010450 (Planitox-Linel Plus)
United Phosphorus do Brasil Ltda.: (11) 2167-5282

Mecanismos de ação, absorção e excreção para o ser humano:

Estudos efetuados corn animais de laboratório demonstraram que o Mancozebe é metabolizado nos tecidos de mamiferos a ETU - etileno tiourbia, composto de significância toxicológica, cuja eliminacäo se da em 4-5 horas; biodisponibilidade de 6,8% p/p. Absorção via oral de 50% em um período de 3-6 horas.
Pico de concentração de 1 a 2 horas; metabolismo extenso e rápida excreção (90% em 24 horas); nenhum potencial para bioacumulagao. Concentração encontrada nos tecidos: < 4% da dose (principal órgao: tireóide). Via de eliminacao: urina e fezes (50/50%).
A maior parte da dose radiomarcada nas fezes nao foi absorvida, uma vez que apenas 2-8% foi encontrada na bile.

Efeitos Agudos e Crônicos para Animais de Laboratório:

Efeitos Agudos:

DL50 oral para ratos: Superior a 2.000 mg/Kg
DL50 dérmica para ratos: Superior a 4.000 mg/Kg
CL50 inalatóiria em ratos: Não aplicável.
lrritabilidade del-mica em coelhos: 0 produto foi considerado nao irritante para a pele dos animais.
Irritabilidade ocular em coelhos: 0 produto foi considerado nao irritante para as olhos dos animais.
Sensibilização cutanea em porquinhos-da-india: Näo apresentou ser sensibilizante dérmico, quando aplicado na pele dos animais.

Efeitos Crônicos:

Corn base nos extensos dados existentes com animais de experimentação, o Mancozebe não oferece perigo de intoxicações agudas, danos genéticos ou de toxicidade na reprodução ou desenvolvimento abaixo dos niveis que produzem outros tipos de toxicidade nos adultos, ou de toxicidade sistêmica significante através da via dérmica. Não existe evidências de bioacumulação. A exposição repetida a altas doses afeta a tireóide, fígado e sistema nervoso em animais de laboratório. Os efeitos na tireóide e figado são devidos a sua metabolização a ETU, que interfere na síntese dos hormônios da tireóide e induz de maneira relacionada com o stress, o crescimento do fígado. Estes efeitos são reversíveis quando a exposição é breve ou intermitente, porém se prolongada, pode causar mudanças secundárias incluindo anemia e tumores na tireóide, pituitaria e do fígado em roedores. Informagções do mecanismo de ação disponíveis estabelecem um limiar para os tumores da tireóide e pituitaria e indicam que nenhum dos tipos de tumores é relevante para a avaliação do risco dos níveis previstos de exposição humana.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

- Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.