Alguns mitos e verdades sobre a carne de cavalo

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Agronegócio

Alguns mitos e verdades sobre a carne de cavalo

Por:

Carne de cavalo: o assunto é polêmico. O tema envolve religião, afeto e sentimentalismo, preferências de paladar, cultura e, principalmente, desconhecimento. Consenso, aparentemente, só há do ponto de vista nutricional. A carne de cavalo assemelha-se à carne bovina na aparência, sabor e composição. A cor, ligeiramente mais avermelhada que a do boi, nem sempre é notada pelo consumidor. Da mesma forma, o paladar, um pouco mais adocicado, pode passar despercebido. Muitos viajantes internacionais já consumiram carne de cavalo em países como França e Itália e nem sabem, pensam que consumiram carne bovina.

Do ponto de vista religioso e cultural, o grande marco na história do consumo de carne de cavalo nos remete à Idade Média. O avanço da popularidade das festas pagãs no norte europeu era motivo de preocupação para Igreja Católica. Como o consumo de carne de cavalo era um componente destas festas, o Papa  Zacarias proibiu o consumo de carne de cavalo pelos cristãos em meados do século VIII. O preconceito e a restrição religiosa atravessaram séculos, sendo que somente no século XIX o consumo voltou à normalidade na Europa (as guerras contribuíram para o crescimento do consumo de carne de cavalo).

Hoje o cavalo é consumido em toda Europa e em países asiáticos, principalmente no Japão. Inclusive, no caso japonês,  o noticiário recente tem destacado que em função das restrições à exploração pesqueira, em especial do atum, tem se elevado o consumo de sushi feito com carne de cavalo. A aceitação desta versão do sushi, macia e fácil de mastigar, faz com que o sushi de carne de cavalo tenha preços mais elevados que o tradicional a base de peixe.

A principal utilização da carne de cavalo na Europa é na forma de embutidos. As qualidades da carne de cavalo permitem uma excelente liga em salames e mortadelas, inclusive dispensando produtos químicos que são utilizados quando os produtos são fabricados com outros tipos de carne.

No assunto embutidos, surge o primeiro mito brasileiro. De tempos em tempos surgem boatos que a mortadela nacional é feita com carne de cavalo. Alguns boatos vão mais longe: hamburgers produzidos em grandes redes de fast food também estariam sendo produzidos com cavalos. Mesmo não havendo restrição do ponto nutricional, estas histórias são falsas. A carne de cavalo produzida no Brasil destina-se ao mercado externo, sendo que o Brasil é dos principais produtores de carne de cavalo, abastecendo Europa e Ásia com este produto. É verdade que existem matadouros clandestinos, que abastecem pequemos açougues e chegam a produzir embutidos com carne de cavalo. Mas esta atividade ilegal, esporadicamente noticiada após apreensões policiais, ocorre em pequena escala, passando longe de restaurantes e mercados tradicionais. 

Como dito, o Brasil é um grande produtor de carne de cavalo, com frigoríficos em atividade e outros sendo implantados. Relacionados aos frigoríficos, há um outro mito difundindo até mesmo entre pessoas mais esclarecidas:  o sofrimento dos cavalos. Nada mais irreal que histórias sobre mortes violentas, cavalos que sagram até a morte da forma mais sádica possível. A realidade é outra, muito diferente (lógico que a referência é aos frigoríficos oficiais, legalizados). O abate do cavalo ocorre, como no caso dos bovinos, de forma indolor, com pistola de ar. Veterinários sérios fiscalizam os frigoríficos em tempo integral. Os frigoríficos são locais higiênicos e sem práticas que lembrem torturas.

Por fim, há o debate relacionado ao afeto depositado no animal de companhia. Muitos conhecem e utilizam o cavalo para esporte e lazer e criam laços afetivos. Estes podem ficar tranqüilos. Animais de companhia são bem tratados, recebem muitos cuidados veterinários, inclusive com a aplicação de medicamentos quando necessário. E estes medicamentos veterinários restringem a utilização da carne para consumo humano. Os cavalos abatidos em frigoríficos não são estes animais de companhia. São os cavalos de lida, de serviço, que encerrada a vida útil são descartados. Se não fossem os frigoríficos, o sofrimento destes animais abandonados seria muito grande. Carroceiros, pequenos pecuaristas e muitos outros proprietários de cavalo não têm espaço nem recursos financeiros para manutenção de animais improdutivos, restando o abandono e mal trato a estes animais.

Como dito logo no início desta coluna, o tema é polêmico. A expectativa deste curto texto é provocar algumas reflexões sobre a indústria de carne de cavalo, que é geradora de muitos empregos, renda e divisas por todo Brasil, mas também é, intencionalmente, de pouca visibilidade diante de lendas e histórias irreais divulgadas para gerar, invés de informação, apenas preconceito.

}

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink