Decresce a receita cambial da carne de frango frente à da carne bovina

Carne

Decresce a receita cambial da carne de frango frente à da carne bovina

Mercado de ovos começa a dar sinais de reativação mostrando certo ajustamento e com os produtores buscando melhores condições de comercialização
Por:
94 acessos

A segunda quinzena de maio vai chegando ao fim e, diferente de outros meses, o mercado de ovos começa a dar sinais de reativação mostrando certo ajustamento e com os produtores buscando melhores condições de comercialização. 

Mesmo assim, faltando apenas três dias para o encerramento do mês, mesmo que novos reajustes aconteçam, o preço médio da segunda quinzena de maio será o Acontecimento raro na história das exportações, em 2018, por quatro meses seguidos (entre agosto e novembro), a receita cambial obtida pela carne de frango in natura foi inferior à da carne bovina in natura. 

Naquele quadrimestre, o pior momento do frango foi registrado em setembro, mês em que a receita obtida ficou quase 15% abaixo da alcançada pela carne bovina – resultado inteiramente oposto ao de seis meses antes, quando a receita do frango superou em 30% a da carne bovina.

Independentemente de quais tenham sido as causas desse decréscimo o fato é que, após esse quadrimestre, a carne de frango voltou a recuperar-se. Em abril passado, por exemplo, sua receita de US$499,2 milhões foi 20% superior aos US$415,7 milhões da carne bovina – o melhor resultado desde junho do ano passado.

Mesmo assim, permanece com um desempenho aquém do registrado em abril de 2018 e, principalmente, do alcançado dois anos antes, em maio de 2017 (adicional de quase 40% sobre a carne bovina). Quer dizer: comparativamente à da carne bovina, a receita cambial do frango vem decrescendo no decorrer do tempo.

Essa, porém, não é uma ocorrência nova. Repete-se – embora de forma mais amena que a atual – em anos anteriores. E isso é comprovado no gráfico abaixo, em que foram tomados, também, os dados relativos aos 24 meses decorridos entre maio de 2012 e maio de 2014. Ou seja: cinco anos separam as duas projeções. Mas as linhas de tendência decrescem quase paralelamente. menor valor recebido no mesmo período do último quadriênio. 

Por ora, o preço médio recebido equivale a redução de 3,4% sobre a primeira quinzena, um pouco acima da redução verificada dois anos atrás, quando o índice negativo alcançou 2,3%. E bem diferente do ano passado quando houve melhora de 7%.

O período analisado indica, também, que os preços médios alcançados no último biênio estão muito abaixo dos recebidos no biênio imediatamente anterior. 
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink